GSI também teria cogitado impor sigilo a encontros entre Renan Bolsonaro e empresário

GSI de Augusto Heleno tem usado o argumento de “risco para a segurança do presidente e sua família” para esconder informações

A imposição de sigilo a documentos e atas de reunião envolvendo o presidente Jair Bolsonaro, seus ministros, familiares e outras figuras ligadas ao seu governo se tornou uma prática comum no Palácio do Planalto.

Tanto que, segundo matéria de Patrik Camporez e Aguirre Talento para O Globo, a medida também foi cogitada pelo GSI (Gabinete de Segurança Institucional), em uma tentativa de impedir que se soubesse dos encontros de Renan Bolsonaro com o empresário bolsonarista Wellington Vieira Leite, no dia 19 de novembro de 2020 – um dos eventos que está sob a investigação da Polícia Federal, sobre o possível cometimento de crime de tráfico de influência e lavagem de dinheiro por parte do filho do presidente.

Segundo o jornal carioca, foi preciso apresentar dois recursos à CGU (Controladoria Geral da União) para que o sistema de controle de acesso do Palácio do Planalto aceitasse mostrar as informações sobre o ingresso de Vieira Leite ao Gabinete Pessoal do Presidente da República, naquele dia 19 de novembro de 2020, entre 15h48 e 16h50 – o registro, no entanto, o Gabinete não revelou sobre a presença ou não de Renan Bolsonaro durante esse período.

Dias atrás, o GSI – pasta comandada pelo ministro Augusto Heleno – também tomou medida semelhante, impondo o acesso ao conteúdo de uma reunião entre o presidente Jair Bolsonaro e os pastores Arilton Moura e Gilmar Santos, pivôs do recente escândalo do MEC, que determinou a queda do então ministro Milton Ribeiro.

Tanto neste caso quanto na tentativa de impor sigilo às reuniões de Renan Bolsonaro, o argumento do GSI foi que a revelação dessas informações colocaria em risco a vida do presidente e de seus familiares.

Leia também:

Partidos vão ao STF e à PGR para derrubar sigilo a reunião entre Bolsonaro e pastores do MEC

Reuniões de Bolsonaro com pastores lobistas são colocadas em sigilo

Ala do PSL defende quebra de sigilo do cartão corporativo de Bolsonaro

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador