Alemanha avisa que não cumprirá a meta de fornecer à Ucrânia um milhão de munições

Renato Santana
Renato Santana é jornalista e escreve para o Jornal GGN desde maio de 2023. Tem passagem pelos portais Infoamazônia, Observatório da Mineração, Le Monde Diplomatique, Brasil de Fato, A Tribuna, além do jornal Porantim, sobre a questão indígena, entre outros. Em 2010, ganhou prêmio Vladimir Herzog por série de reportagens que investigou a atuação de grupos de extermínio em 2006, após ataques do PCC a postos policiais em São Paulo.
[email protected]

Para ucranianos, a capacidade mundial de produção de armas não é suficiente para derrotar a Rússia. União Europeia havia recuado dias antes

Munições se tornaram um gargalo para a Ucrânia enfrentar a Rússia. Ocidente não consegue acompanhar volume russo. Foto: Governo da Ucrânia

O ministro da Defesa alemão, Boris Pistorius, declarou nesta terça-feira (13) que a Alemanha não será capaz de cumprir a meta de fornecer à Ucrânia um milhão de munições de artilharia até a primavera do próximo ano, no mês de março.

“Um milhão não será alcançado, temos de aceitá-lo”, afirmou o ministro antes da reunião dos ministros da Defesa dos países da União Europeia em Bruxelas, citado pela Agência France Press. Pistorius acrescentou que “a questão certa é se um milhão foi alguma vez realista”.

Ao mesmo tempo, destacou que os países da União Europeia trabalham para aumentar a produção, segundo a France Press.

No final de outubro, o ministro das Indústrias Estratégicas da Ucrânia, Alexander Kamyshin, disse que “a capacidade mundial de produção de armas não é suficiente” para derrotar a Rússia.

Ucrânia confirma 

Por seu lado, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmitri Kuleba, confirmou esta terça-feira que a União Europeia não poderá enviar a Kiev um milhão de munições de artilharia até março.

“Acredito que a causa deste problema não é a falta de vontade política da União Europeia para apoiar a Ucrânia, uma vez que esta vontade existe, mas o lamentável estado da indústria de defesa […] e a capacidade de assinar contratos externos”, disse.

O diplomata referiu que “descobriu-se que há muitos obstáculos, muitas coisas que não estão sincronizadas, muita burocracia”.

União Europeia também refuga 

Na semana passada, a Bloomberg informou que a União Europeia provavelmente irá voltar atrás no seu compromisso de fornecer um milhão de munições de artilharia à Ucrânia. 

As fontes indicaram que o Serviço Europeu de Ação Externa, o braço de política externa da UE, disse aos diplomatas comunitários que o bloco provavelmente não atingiria o objetivo de lançar o número especificado de projéteis antes de março de 2024.

LEIA MAIS:

Renato Santana

Renato Santana é jornalista e escreve para o Jornal GGN desde maio de 2023. Tem passagem pelos portais Infoamazônia, Observatório da Mineração, Le Monde Diplomatique, Brasil de Fato, A Tribuna, além do jornal Porantim, sobre a questão indígena, entre outros. Em 2010, ganhou prêmio Vladimir Herzog por série de reportagens que investigou a atuação de grupos de extermínio em 2006, após ataques do PCC a postos policiais em São Paulo.

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador