Avança negociação para estender trégua em Gaza

Tatiane Correia
Repórter do GGN desde 2019. Graduada em Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Com passagens pela revista Executivos Financeiros e Agência Dinheiro Vivo.
[email protected]

Enquanto líderes regionais pedem cessar-fogo permanente, mediadores correm contra o tempo para fechar acordo

PM Benjamin Netanyahu junto à equipe durante operaçāo para liberar o 2º grupo de sequestrados Foto: Kobi Gideon, GPO/via fotospublicas.com

Os mediadores relacionados com a pausa no confronto Israel-Hamas correm contra o tempo para garantir uma nova extensão na trégua, uma vez que o prazo para seu final iria se expirar em poucas horas.

Segundo a agência Al Jazeera, as negociações para prorrogação do acordo continuaram ao longo desta quarta-feira. A trégua inicialmente acordada deve ser encerrada na manhã desta quinta-feira.

Mediados pelo Catar, além de Estados Unidos e Egito, os debates envolvendo Israel e o grupo palestino se concentraram na duração da prorrogação e na troca de cativos por prisioneiros.

O exército de Israel confirmou que dois prisioneiros israelenses foram libertados em Gaza, antes da libertação de outros dez. Em troca, trinta mulheres e crianças palestinas seriam libertadas.

Embora exista o consenso de que a trégua será prorrogada, a parte mais difícil das conversas está para conversar: o diálogo para encerrar a guerra em Gaza.

Neste caso, as negociações girariam em torno da libertação dos soldados israelenses presos em Gaza, enquanto Hamas e a Jihad Islâmica Palestina tentam garantir a libertação de todos os palestinos detidos em Israel.

Tal condição sequer é considerada pelo governo de Israel, tanto que o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu enfatizou que suas forças vão retomar os ataques para acabar em definitivo com o Hamas.

“Depois de esgotada esta fase de devolução dos nossos raptados, Israel voltará a lutar? Portanto, minha resposta é um inequívoco sim”, disse ele. “Não há como não voltarmos a lutar até o fim.”

Ao longo da trégua, o Hamas libertou 81 prisioneiros (em sua maioria israelenses capturados no ataque de 07 de outubro), enquanto Israel libertou 180 prisioneiros palestinos que estavam detidos há anos sem acusação – ao mesmo tempo, Israel prendeu quase tantos palestinos quanto prisioneiros libertados.

Tatiane Correia

Repórter do GGN desde 2019. Graduada em Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Com passagens pela revista Executivos Financeiros e Agência Dinheiro Vivo.

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador