BRICS devem criar seu próprio FMI

Muito em breve, o FMI vai deixar de ser única organização do mundo capaz de prestar assistência financeira internacional. Os países do BRICS estão criando instituições alternativas, incluindo uma moeda de reserva e um banco de desenvolvimento.

Os países do BRICS – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – fizeram progressos significativos na criação de estruturas que serviriam como uma alternativa para o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial, que são dominados pelos EUA e a UE. 

Um pool de moeda de reserva, como um substituto para o FMI, e um banco de desenvolvimento do BRICS, como um substituto para o Banco Mundial, começará a operar em 2015, disse o embaixador russo na Grande Vadim Lukov.

O Brasil já redigiu uma carta para o Banco de Desenvolvimento do BRICS, enquanto a Rússia está elaborando acordos intergovernamentais sobre os ajustes do banco, acrescentou Lukov.

Além disso, os países BRICS já chegaram a acordo sobre o montante de capital autorizado para as novas instituições: 100 bilhões de dólares cada. “As negociações estão em andamento sobre a distribuição do capital inicial de US $ 50 bilhões entre os parceiros e sobre o local para a sede do banco. Cada um dos países BRICS tem manifestado um grande interesse em ter a sede no seu território”, disse Lukov.

Espera-se que as contribuições para o fundo monetário sejam as seguintes: China, 41 bilhões dólares; Brasil, Índia e Rússia, US $ 18 bilhões a cada; e África do Sul, US $ 5 bilhões. O montante das contribuições reflete o tamanho das economias dos países.

A título de comparação, as reservas do FMI, que são definidos pelos Direitos Especiais de Saque (SDR), atualmente estão em 369,5 bilhões de dólares. Em termos de valores, o fundo de reserva de moeda BRICS é, naturalmente, inferior ao FMI. No entanto, R$ 100 bilhões devem ser bastante suficientes para cinco países, ao passo que o FMI dispõe de 188 países -, que podem necessitar de assistência financeira a qualquer momento.

Banco de Desenvolvimento

Os países do BRICS estão preparando a criação de um Banco de Desenvolvimento como uma alternativa ao Banco Mundial, a fim de conceder empréstimos para projetos de países em desenvolvimento que não atendam aos interesses dos EUA ou da UE.

O objetivo do banco é, principalmente, o financiamento externo, em vez de projetos internos. Os países fundadores acreditam que serão capazes de desenvolver os seus próprios projetos de forma independente. A Rússia, por exemplo, tem um Fundo de Riqueza Nacional para essa finalidade.

“Os empréstimos do Banco de Desenvolvimento serão voltados não tanto para os países do BRICS, mas para investimentos em projetos de infraestrutura em outros países, digamos, na África”, diz Ilya Prilepsky, membro do Grupo de Peritos Econômicos. Por exemplo, poderia ser do interesse BRICS “para dar um empréstimo para um país africano para um programa de desenvolvimento de energia hidrelétrica, onde os países do BRICS poderiam fornecer os seus equipamentos ou agir como o empreiteiro principal”.

Se o empréstimo for concedido pelo FMI, os equipamentos seriam fornecidos pelos países ocidentais que controlam as operações.

A criação do Banco de Desenvolvimento do BRICS tem um grande significado político, uma vez que permite que os seus Estados membros possam promover os seus interesses no exterior. “É um movimento político que pode destacar as posições de fortalecimento de países cuja opinião é frequentemente ignorada pelos americanos e países europeus desenvolvidos. Quanto mais forte for esta união e suas posições na arena mundial, mais fácil será para os seus membros proteger os seus próprios interesses”, destaca Natália Samoilova, chefe de pesquisa da empresa de investimentos Golden Hills-Kapital AM.

Dito isto, a criação de associações alternativas de modo algum indica que os países do BRICS, necessariamente, vão abandonar o Banco Mundial ou o FMI, pelo menos não inicialmente, diz Ilya Prilepsky.

Moeda de Reserva

Além disso, a constituição do fundo de moeda de reserva do BRICS é uma forma de seguro, para o caso de um país do BRICS enfrentar problemas financeiros ou um déficit orçamental (…) funcionando como uma rede de segurança para os outros países do grupo.

A necessidade de tal proteção se tornou evidente este ano, quando as moedas dos países em desenvolvimento, incluindo o rublo russo, diminuíram a cotação.

O fundo de moeda de reserva poderá ajudar um país membro resolver os problemas com a sua balança de pagamentos, reduzindo o déficit em moeda estrangeira.

A assistência será dada quando ocorrer uma forte desvalorização da moeda nacional, uma maciça fuga de capitais, devido a uma política monetária mais suave pelo Sistema de Reserva Federal dos EUA, problemas internos ou uma crise no sistema bancário. Se os bancos forem incapazes de pagar uma dívida em moeda estrangeira, o pool de reserva de moeda será capaz de honrar esses compromissos externos.

Esta estrutura deve tornar-se uma respeitável alternativa para o FMI, que tradicionalmente tem dado apoio às economias que se encontram em uma situação de emergência orçamental.

“Dado que a governança do FMI está nas mãos das potências ocidentais, há pouca esperança para a intervenção do FMI, em caso de uma emergência. Uma grande parte do fundo vai para salvar o euro e as moedas nacionais dos países desenvolvidos. É por isso que o pool de moeda de reserva viria se tornar acessível”, diz o embaixador Lukov. 
O fundo do BRICS também irá ajudar os países do bloco para estabelecer gradualmente a cooperação sem o uso do dólar, aponta Natália Samoilova. 

Isso, no entanto, vai levar tempo. Por enquanto, decidiu-se repor o capital autorizado do Banco de Desenvolvimento e reserva de moeda com dólares americanos. Assim, o sistema monetário dos EUA está recebendo um impulso adicional. No entanto, não pode excluir-se que muito em breve (dada à ameaça de sanções econômicas dos Estados Unidos e da União Europeia contra a Rússia), o dólar possa ser substituído por rublo e outras moedas nacionais dos países do BRICS.

16 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

sue

- 2014-04-21 01:56:29

Para aqueles que duvídam os

Para aqueles que duvídam os coxinhas que só se informam pelo PIG aqui vai.

http://rbth.com/business/2014/04/14/brics_countries_to_set_up_their_own_imf_35891.html

Rodrigo Souza

- 2014-04-19 02:34:08

é verdade

É verdade Gunter

Eu particularmente acho interessante se fosse verdade, mas dificilmente será, uma notícia dessas não passaria despercebida aqui e creio eu que em nenhum grande veiculo externo.

Parace mais boato da guerra virtual que acontece em todos os países para as mais diversas situação.

 

Leandro C.

- 2014-04-19 01:59:35

http://www.valor.com.br/finan

http://www.valor.com.br/financas/3514392/fundo-dos-brics-deve-ser-aprovado-em-julho-em-reuniao-no-brasil

 

Respondido?

rita scaramuzzi

- 2014-04-19 01:26:36

puxa que noticia em pleno

puxa que noticia em pleno feriadão! eu sempre ouço na tv que  o Brasil só enxerga o Mercosul.. e que esse grupo tá fazendo água. não vai dar em nada. que o Brasil precisa olhar para os gigantes da economia...eu acho que sabemos por onde caminhamos. sem sabermos ao certo...

Big

- 2014-04-18 23:55:03

Sinto uma torrente de

Sinto uma torrente de viralatismo chegando com esse post...

 

Um instrumento de inserção internacional próprio é uma ótima notícia!

Os lacaios do império yankee sempre se esquecem de que a torneirinha do FMI só abre para quem seguir um script pré-definido cujos ditames são dados pelo tio San... Uma inserção geopolítica autônoma pelo Brasil e demais BRICs implica NECESSARIAMENTE em organismos multilaterais livres dos interesses estadunidenses...

Excelente notícia para nós!

Daytona

- 2014-04-18 23:42:10

Instituições multilaterais

Instituições multilaterais não devem mesmo ser operadas por nenhum país. Por isso são MULTILATERAIS. Procure o significado em um dicionário.

Sobre "bandalhas", bom mesmo são instituições "multilaterais" operadas por gente de bem, como o sr. Paul Wolfowitz, um dos mentores do patético governo Bush.

 

 

ARCHIVE

Wolfowitz May Not Survive World Bank Scandal Involving Girlfriend's Promotion, Pay Hike

Published April 12, 2007FoxNews.comFacebookTwitterGplus0

Can World Bank president Paul Wolfowitz survive in his job? Increasingly, there is speculation that he cannot.

Wolfowitz, 63, is facing the biggest crisis of his career: a scandal involving promotions and pay hikes to his girlfriend that threatens his control of the world’s largest and most influential anti-poverty institution, which doles out some $20 billion annually in loans and grants to developing countries.

After a week of shifting explanations by bank officials, a clearly-beleaguered Wolfowitz on Thursday announced at a Washington press briefing that he made "a mistake for which I am sorry" over his handling of a promotion and huge pay increases for bank staffer Shaha Riza, who had a romantic relationship with Wolfowitz that precedes his appointment to the bank’s helm in 2005.

Wolfowitz declined to elaborate on what those mistakes were - but said he now regretted having been involved at all in her job-related negotiations at the bank. And, within hours of his apology, the bank’s ‘staff association,’ made up of half the bank’s 10,000 employees, called for his resignation.

The Riza controversy is overshadowing the bank’s semi-annual meetings in Washington this week, in which 10,000 visitors — including delegates from the bank’s 185 member-countries, the IMF, interested Non-Government Organizations, private bankers and the press — are taking part. In addition, a meeting of G-7 finance and development ministers is set for Friday, when Wolfowitz continues his drive to get rich nations to replenish the bank’s coffers.

The pressure has been building rapidly on Wolfowitz, following allegations that he may have broken bank rules in ordering hikes in job status and pay for Riza. (Both are divorced.) The main problem is that Wolfowitz may have done this without consulting organs of the bank board that would otherwise deal with such conflicts of interest.

A special committee of the bank’s board of directors is currently considering the issue, and Wolfowitz has said he will “accept any remedies” the board proposes.

The controversy dates back to 2005, when Wolfowitz, then the Bush Administrations No. 2 man at the Pentagon, joined the bank. At that time, Riza, who joined the bank in 1997, occupied a communications advisor job involving the Middle East region. In recognition of Wolfowitz’s conflict of interest as her ultimate boss, Riza was moved to a post at the U.S. State Dept. where she worked directly for Liz Cheney, the daughter of the vice president — even while remaining on the Bank payroll. Her job title was bumped up to a managerial level.

Her tax-free World Bank salary also moved—in fact it rocketed, from $132,660 to $193,590 by 2006 — making her better paid that Secretary of State Condoleezza Rice, who earns a gross salary of $186,000, and pays taxes on it.

Click Here to Read Financial Documents (pdf)

Wolfowitz’s opaque apology came only hours after the Financial Times reported that Wolfowitz - contrary to earlier statements made by him and his top aides — had personally ordered the bank’s human resources chief to offer Riza the pay rises. The Financial Times cited sources in the bank who allegedly saw a memo on the subject written by Wolfowitz in August 2005.

Editors at the Financial Times are also calling for his resignation. But when asked by reporters at the Thursday briefing if he would step down, Wolfowitz dodged the question by responding, “I take full responsibility for the details. I did not attempt to hide my actions nor make anyone else responsible.”

While it still remains unclear just what those details are, it increasingly seems that Wolfowitz had a direct role in Riza’s salary hikes and job-related negotiations that may have gone beyond what the bank’s board was aware of. Wolfowitz insists he acted as he did in order to shield the bank from the potential threat of a lawsuit by Riza, who was forced to leave because of bank rules that prohibit employees from working for anyone with whom they are romantically involved.

In fact, as with so many other Washington scandals, it’s what Wolfowitz did after the alleged offense that is causing the greatest problems. But that is further complicated by the ill will he has generated in a take-no-prisoners effort to change the bank’s bureaucratic and corruption-ridden culture and lending practices.

Since taking charge of the bank, Wolfowitz has made “good governance” and “anti-corruption” the highlight of his agenda for the bank’s 185 member-nations, but his blunt and aggressive style has now turned the spotlight on his own actions.

Wolfowitz has spoken often about the need for more openness and transparency and less cronyism in governments and World Bank lending, and he has infuriated his 24-member board - dominated by borrowing nations - by trying to attach anti-corruption conditions to loans, and sometimes blocking suspect loans outright. But the handling of the Riza scandal is becoming a case study of how well Wolfowitz follows similar rules.

“I think this whole thing would have blown away,” says a former top official at the bank, who told FOX News that he is providing details about the alleged scandal to the ad hoc board committee that is probing the matter. “But it’s the kind of thing where you try and manipulate the truth, to pin it on other people, and just not be straightforward.”

Even so, the former insider adds, “he [Wolfowitz] gave her a very substantial salary raise, completely beyond the parameters of the bank, and — most importantly — he didn’t consult about it with the appropriate bodies.”

News of Riza’s move to the U.S. State Dept. was first broken in 2005 by a blogger for the Village Voice, but the story gained traction in late March, 2007, when the Washington Post ran a column based on information from Riza’s personnel records at the bank. At that time, Wolfowitz spokesman Kevin Kellems - who himself earns a tax-free salary of $240,000 at the anti-poverty agency - told the Post that “all arrangements concerning Shaha Riza were made at the direction of the bank’s board of directors.”

Board members began swiftly and furiously denying that the board gave any such directions.

Next, on April 5, a “senior bank official” told the Financial Times that the terms of Riza’s deal were approved in 2005 by the “ethics committee” of the board — and not Wolfowitz — while Reuters reported that a “bank official” claimed that the bank’s general counsel at the time, Roberto Danino, had negotiated the deal. A day later, both Danino and the former head of the board’s ethic committee stepped forward to challenge that version of events.

“It was entirely up to management [Wolfowitz] to determine the specific terms and conditions,” stated a spokesman for Ad Melkert, the former head of the ethics committee. Melkert added that the committee members “were not aware of, nor did they approve, the details of the agreement.” Danino, the bank's former general counsel, who has told FOX News that he is “no fan of Mr. Wolfowitz,” has issued his own denial that he was involved in any way with the “implementation” of that committee’s advice.

Wolfowitz finally stepped forward himself on April 9, with an e-mail to the bank’s staff. While accepting “full responsibility,” for the imbroglio, he insisted that he had “acted on the advice” of the bank’s ethics committee. But Wolfowitz declined to specify exactly what that advice was —infuriating staffers further. In a statement today, he added, again vaguely: “I made a good faith effort to implement my understanding of that advice.”

By April 10, hundreds of staffers had posted angry anonymous responses to his e-mail . Among them: a complaint that staffers in the Middle East region — where Riza worked — “have had minuscule increases over the past years and been told by management that there would be no promotions (over the last 2 years) due to lack of funds.”

Yesterday, an exasperated Wolfowitz again dodged a series of questions by reporters. " I don't think it's fair to the rest of the [anti-poverty] agenda to take up this valuable time." But in an effort to clear his name,Wolfowitz's office requested that the bank's board make public the confidential communications between him and the ethics committee regarding Riza. To date, they have not done so.

Amid all the melodrama, the bank's frenetic rumor mill has been working in overdrive. The gossip now swirling through the bank's Washington corridors includes allegations that a very senior bank official even ordered the destruction of the Human Resources paper trail in the case. But former general counsel Danino, who appeared before the fact-finding committee on Tuesday, told FOX News he has no reason to think that's true.

"They have the paper trail," he said.

"What I saw is the complete paper trail. I have seen nothing missing."

What happens next, as Wolfowitz has said, will depend on how the bank's special investigating committee judges the situation. There was no information available as to when the committee would report—or whether that report would be made public.
 

      

Also on the Web

Modern slavery generates profit of over $32 billion(WALK FREE)Parents of baby allegedly killed by Irish nanny in Boston speak of “heartbreak” (VIDEO)(IrishCentral)Friday Rant: No More Chief Anything Officers (Service Provider IT Report)Bomb exploded in suspects face, he “forgot about daylight savings”(IrishCentral)No Jail Could Hold Harry Houdini (Learnist)TentSquare: A New Twist On The Production Experience(Variety 411)

More from Fox News

Bond on a Budget  (Video - Auto)Nigerian child bride kills man she was forced to marry, 3 of his friends (World)10 most sacred spots on Earth (Travel)Auburn classes resume with increased security after threat (U.S.)Police demand DNA from 527 males in rape case(World)Iran murder victim's mother forgives killer, stops hanging (World)Recommended by 

Watch now...

 Total lunar eclipse to reveal 'blood moon' in night sky Total lunar eclipse to reveal 'blood moon' in night sky What's the real reason Michael Phelps is ending retirement? What's the real reason Michael Phelps is ending retirement? Mountain biker's death-defying descent goes viral Mountain biker's death-defying descent goes viral Total lunar eclipse to reveal 'blood moon' in night sky   What's the real reason Michael Phelps is ending retirement?   Mountain biker's death-defying descent goes viral      Site Index

Sections

HomeVideoPoliticsU.S.OpinionEntertainmentTechScienceHealthTravelLifestyleWorldSportsWeatherOn Air

Tools

Live VideoTrendinguRreportNewslettersAlertsBlogsMobilePodcastsRadioFox News StoreApps & Downloads

About

CareersCollege StudentsFox Around the WorldAdvertise With UsTerms of UsePrivacy PolicyAd ChoicesContact UsEmail NewsroomFAQMedia Relations

Follow

FacebookTwitterGoogle+LinkedInRSSNewslettersFox News Back to Top

Luiz Eduardo Brandão

- 2014-04-18 20:59:01

Google translator?

Traduzir ambassador at large por embaixador na Grande (parecia um organismo ilternacional) parece coisa de google translator. Ambassador at large = embaixador itinerante, isto é, um embaixador designado a representar o país em certas missões especiais. Procurando um brasileiro nesse cargo, encontrei: Roberto Campos, embaixador itinerante para negociações financeiras na Europa Ocidental (1961).

Gunter Zibell - SP

- 2014-04-18 19:56:39

Mais simples que assim

Esperemos que alguma autoridade brasileira confirme.

Caso contrário, mais um hoax.ru

leonidas

- 2014-04-18 17:50:43

Na real o clube levado a

Na real o clube levado a serio pelo mundo mesmo é os do "CRI" ...rs

Sao os unicos paises de fato soberanos e capazes de gerir politica de defesa , a India apesar de toda a imensa miseria reune condiçoes tecnicas para no curto médio prazo poder consolidar sua capacidade militar autonoma em areas vitais a qualquer naçao que deseje ser de fato soberana.

 

leonidas

- 2014-04-18 17:43:17

vamos ser comandados pelos

vamos ser comandados pelos imperialistas Chineses agora só para dizer que nao nos sujeitamos aos yankees...rs

 

hc.coelho

- 2014-04-18 16:59:22

Segundo o Brizola

Segundo o Brizola o fmi era um xerifão dos ricos, travestido em banco de ajuda. O fmi é realmente um organismo criado para garantir o pagamento de qualquer modo e jeito das dívidas dos pobres aos riscos, independente do fato se esta dívida é devida ou não, se é real ou não. 

Então so Brics devem fazer um banco de fomento, de ajuda , de cooperação, que não seja nos moldes do fmi.

jns

- 2014-04-18 16:26:58

Lukov

Vadim B. Lukov

Фото Луков Вадим Борисович

Ambassador-at-Large of the Russian Ministry of Foreign Affairs

Iara G

- 2014-04-18 16:22:52

Ser melhor que o FMI não deve

Ser melhor que o FMI não deve ser encarado como mérito. Agora, com todo o respeito, com um "sócios" destes... A China que permitiu que o território de sua própria morada tornasse solo contaminado vai ser credor ou devedor deste banco?

Tá me parecendo com aquela estória de pedir esmola para dois.

Mas o que de fato me dói, nestes tempos modernos é o separativismo, o individualismo. Como viver-se em paz num mundo com a mentalidade divisionista? 

Um mundo globalizado e fragmentado a cada dia. E ainda alguns ficam esperançosos por um novo planeta encontrado (por sorte dele, está distante desta (des)umanidade. Se não estamos tendo capacidade nem para cuidar deste... Se compartilhássemos mais, teríamos necessidade de dividir menos.

Miguel A. E. Corgosinho

- 2014-04-18 16:20:34

A FORMULA PROVÁVEL DA MOEDA DE RESERVA DE VALOR

A questão principal de uma moeda de reserva - de valor - é poder emitir a fundação de unidade entre a sociedade e a produção de um país, conforme o modelo de dinheiro próprio para transmissões relacionadas aos programas de desenvolvimento, exemplo: o movimento interno que os bancos reproduzem sem a interferência do investimento externo.

As transmissões oficiais de moeda de reserva, portanto, pressupõem a unicidade da captação de valor das classes de produção, exportando a  economia à uma cultura do retorno público do valor que foi carregado pela história dos homens, em tempo simultâneo de união das classes - de espaço exterior ao valor que desaraigou-se da riqueza -  por natureza das obras privadas num sistema eletrônico ou impresso universalizados.

Suponho que poderia ser dito que todo valor é uma obra de um trabalhador, mas este valor é a obra de todas as classes para voce: leitor da emissão, que de uma maneira provável chegará às suas mãos o dinheiro que fez para o destino do país. 

Luiz Eduardo Brandão

- 2014-04-18 14:42:21

Alvíssaras!

O prof. Hariovaldo vai ter um ataque apoplético. Outros luminares com certeza vão segui-lo, não me espantaria se iluminados aqui pelo Farol de Alexandria. Lá vem pressão...

P.S. O que é a tal Grande, em que Luvov é embaixador?

Motta Araujo

- 2014-04-18 13:33:49

Simples assim, a primeira

Simples assim, a primeira providencia vai ser achar emprego para determinadas senhoras, onde será a sede?

China e Russia são paises sem nenhuma tradição de operar instituições multilaterais, aliás não operam instituições de tipo nenhum, os governos funcionam no chicote, vai ser divertido ver como vai funcionar esse FMI da bandalha.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador