Cúpula dos Povos acontece em Bruxelas de forma paralela à reunião Celac-União Europeia 

Renato Santana
Renato Santana é jornalista e escreve para o Jornal GGN desde maio de 2023. Tem passagem pelos portais Infoamazônia, Observatório da Mineração, Le Monde Diplomatique, Brasil de Fato, A Tribuna, além do jornal Porantim, sobre a questão indígena, entre outros. Em 2010, ganhou prêmio Vladimir Herzog por série de reportagens que investigou a atuação de grupos de extermínio em 2006, após ataques do PCC a postos policiais em São Paulo.
[email protected]

Em Bruxelas, chefes de estado latino-americanos que participarão do conclave Celac-UE estão programados para participar do encontro

O objetivo do fórum social é debater abertamente as mais variadas reflexões, que permitam a promoção de um modelo alternativo de desenvolvimento. Foto: @CumbrePueblos23

Em paralelo à III Cúpula América Latina e Caribe-Europa (Celac-UE), começa nesta segunda-feira (17) a Cúpula dos Povos, em Bruxelas, capital da Bélgica. O encontro é organizado por entidades e representantes da esquerda europeia e latino-americana como um contraponto popular à reunião de chefes de Estado.  

No entanto, a participação de vários chefes de Estado que farão parte da cúpula diplomática está confirmada para a Cúpula dos Povos.  

Manu Pineda, eurodeputado da Izquierda Unida e secretário de Relações Internacionais do Partido Comunista da Espanha (PCE), informou que os presidentes Gustavo Petro (Colômbia), Luis Arce (Bolívia) e Alberto Fernández (Argentina) participarão do encerramento do evento nesta terça-feira (18).

“Na terça-feira realizaremos a cerimônia de encerramento da Cúpula dos Povos de 2023 com os presidentes Gustavo Petro, Luis Arce e Alberto Fernández”, disse Pineda, no twitter, acrescentando que o líder cubano Miguel Díaz-Canel também confirmou sua presença.

Necessidades populares 

Pineda sublinhou que a presença de vários dirigentes importantes para a América Latina e Caribe no evento “demonstra que existe uma preocupação real em colocar no centro do debate as necessidades das populações, a paz e o ambientalismo, e é isso que vamos promover”.

O objetivo deste fórum social é debater abertamente as mais variadas reflexões, que permitam a promoção de um modelo alternativo de desenvolvimento, cooperação e integração mais justos, solidários e sustentáveis.

Promover também relações equânimes entre os povos e governos da América Latina e do Caribe com os povos e governos da União Europeia. Isto, sob o respeito do direito internacional, não-interferência, soberania e autodeterminação.

Também busca debater questões atuais, compartilhar experiências de luta e resistência, fortalecer os laços entre movimentos populares, sindicatos, grupos de solidariedade, comunidades migrantes, associações, personalidades e forças políticas de ambos os continentes.

Combate aos embargos 

Os chanceleres da Venezuela, Yván Gil, e de Cuba, Bruno Rodríguez, estiveram reunidos neste domingo (16).

Os diplomatas rejeitaram as medidas coercitivas unilaterais e o bloqueio imposto pelos Estados Unidos aos dois países. 

Entendem que é preciso acabar com a hegemonia estadunidense, que quando são contrariados pela autodeterminação de outros povos lançam mão de expedientes extremamente danosos como invasões, desestabilizações, interferências e embargos. A América Latina e o Caribe precisam se unir diante disso, concluem. 

As relações entre Cuba e Venezuela foram fortalecidas a partir do ano 2000, após a chegada de Hugo Chávez à Presidência, quando se aproximou e estabeleceu uma acentuada relação com o presidente Fidel Castro. Os países passaram a se apoiar mutuamente em diversas áreas. 

LEIA MAIS:

Renato Santana

Renato Santana é jornalista e escreve para o Jornal GGN desde maio de 2023. Tem passagem pelos portais Infoamazônia, Observatório da Mineração, Le Monde Diplomatique, Brasil de Fato, A Tribuna, além do jornal Porantim, sobre a questão indígena, entre outros. Em 2010, ganhou prêmio Vladimir Herzog por série de reportagens que investigou a atuação de grupos de extermínio em 2006, após ataques do PCC a postos policiais em São Paulo.

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador