Greta Thunberg: a menina de 16 anos nomeada ao Nobel da Paz

A jovem que faltou às aulas em protesto contra a falta de eficiência no combate às alterações climáticas e que confrontou governantes

Enviado por Cristiane Vieira

Voltei. Para falar de Greta, das mais esperançantes pessoas do mundo, com um discurso e uma prática realmente transformadores – como é uma menina, sueca (portanto, caucasiana) e de família abastada, não é ainda sujeita à repressão policial mas a campanha suja das extrema e moderada direitas mundiais já começa a tentar desacreditá-la – por que será?

Como não admirar Greta, depois de ouvir tanta sinceridade e coragem de enfrentar a crueldade humana sem apelar ao ódio? Ela fala por muit@s sem medo de ser atacada por ser “esquisita” (em português brasileiro, ainda que exista uma acepção mais próxima do original em latim, e positiva, a acepção principal e suas variações são negativas e excludentes).

E ela tem apenas 16 anos, a idade em que se é naturalmente revolucionári@, rebelde e desajustad@ (o que, num mundo como o nosso, é indício de sanidade!*) – e que alguns mantém como traço de caráter e escolha de agir no mundo, pelo tempo que for possível.

* “Não é sinal de saúde estar adaptado a uma sociedade profundamente doente” – Krishnamurti

‘Para a jovem, ser diferente não é um problema, mas sim uma vantagem. Já que isso lhe permite “sobressair dos restantes”:
“Vejo através das mentiras com mais facilidade”.

“É hilariante quando a única coisa que as pessoas conseguem fazer é gozar com a tua aparência a personalidade. Significa que não têm argumentos e, por isso, nada a dizer. Mas isso não vai impedir de fazer o que estou a fazer. Isto é muito mais importante”

DA MAGG

Greta Thunberg. A jovem de 16 anos que confrontou governantes e agora é capa da “Time”

Faltou às aulas em protesto contra a falta de eficiência no combate às alterações climáticas e está nomeada para o Prémio Nobel da Paz.

Por Fábio Martins 

Quando, no final de abril, Greta Thunberg se dirigiu ao parlamento britânico, o seu discurso deu azo a aplausos e gritos de apoio. A mensagem era forte mas necessária e a jovem de apenas 16 anos não se cansava de a repetir. “Conseguem ouvir-me? O meu inglês é percetível? Às vezes tenho dúvidas”, foi a frase que mais arrancou risos nervosos dos deputados. Talvez porque servia como reprimenda.

“Sei que muitos de vós não nos quer ouvir porque dizem que somos apenas crianças. Muitos acham que estamos a perder tempo valioso de aulas, mas garanto-vos que voltaremos à escola assim que começarem a dar ouvidos à ciência e nos derem um futuro. É pedir muito?”, ouviu-se. Mas os risos e os aplausos deram lugar ao silêncio desconfortável e Greta ficou sem resposta.

Leia também:  Trump demite John Bolton, assessor de Segurança Nacional dos EUA

Greta Thunberg ficou conhecida quando, em agosto de 2018, decidiu faltar diariamente às aulas para se sentar à porta do parlamento sueco. O objetivo era simples: dar a conhecer o seu descontentamento face à incapacidade do governo em dar resposta aos problemas climáticos.

Desde então, tornou-se numa das ativistas mais influentes do mundo e até já discursou na Cimeira do Clima das Nações Unidas, onde não teve problemas em dizer que os líderes mundiais “não são maduros o suficiente para encarar o peso das alterações climáticas”.

Esta quinta-feira, 16 de maio, foi revelado que seria capa da revista “Time” onde explicou como o é que o seu ativismo começou.

Foi com apenas com 11 anos que, ao estudar o efeito das alterações climáticas no mundo, sofreu um episódio grave de depressão. Segundo conta, passou por altos e baixos até que essa sensação de fim inevitável e aterrador se voltou a acentuar na última primavera.

“Senti que nada valia a pena e que não fazia sentido sequer ir à escola porque não havia futuro. Mas desta vez prometi a mim mesma que iria fazer tudo o que estivesse ao meu alcance para fazer a diferença”, explica. E foi assim que decidiu passar da tristeza e da inércia à ação.

Inspirada nos sobreviventes do tiroteio a uma escola na Florida, nos Estados Unidos, em 2018, organizou uma greve escolar e recorreu às redes sociais para implorar a políticos e governantes que tomassem medidas para reduzir a emissão de dióxido de carbono para a atmosfera.

Leia também:  A operação de Bolsonaro e seu discurso na Assembleia da ONU, por Janio de Freitas

E o seu apelo chegou a muita gente. Segundo escreve a revista “Time”, a conta de Twitter de Greta cresceu exponencialmente e soma já mais de 621 mil seguidores espalhados um pouco por todo o mundo. Na sua pequena biografia da rede social lê-se: “Ativista de 16 anos e com Asperger”.

E diz a jovem que a sua determinação teve origem no síndrome de Asperger, que lhe foi diagnosticado em meados de 2018. “Isto fez-me ver o mundo de maneira diferente. Vejo através das mentiras com mais facilidade”, continua.

Mas além do ativismo, é a sua abertura para falar de temas como a depressão, ansiedade e saúde mental que a fazem ser um exemplo a seguir para muitas pessoas. Para a jovem, ser diferente não é um problema, mas sim uma vantagem. Já que isso lhe permite “sobressair dos restantes”

E mais do que tudo aquilo que já fez, Greta sobressai ainda na maneira como vive entre duas realidades completamente diferentes em conteúdo e forma. É que enquanto num dia está a estudar para um teste ou a fazer os trabalhos de casa exigidos pelos professores, no outro é capaz de redigir um discurso ou organizar uma nova greve.

Toda a organização é feita pela jovem, que dispensa uma equipa de gestão de imagem e de comunicação com a imprensa. Mas tudo isso tem os seus efeitos negativos — além da falta de tempo. Svante Thunberg, pai de Greta, conta à “Time” que já não atende o telemóvel a números desconhecidos porque há sempre alguém a querer falar com a filha sobre este ou aquele assunto.

Em casa, o efeito Greta sente-se de forma positiva. Toda a família deixou de comer carne, adotou um estilo de vida mais sustentável e até instalaram painéis solares. Mas isso só aconteceu, segundo os pais, porque não conseguiram ganhar uma discussão com a filha, que consegue ser mais teimosa do que eles.

Leia também:  Macron, Piñera e Merkel criticaram Bolsonaro em encontro do G7

A mudança, porém, custou muito mais a Malena Thunberg [mãe de greta], que também deixou de viajar de avião por recomendação da filha.

Malena é cantora de ópera, o que a obrigava muitas vezes a voar para os vários países onde tinha de atuar. No entanto, Svante diz que foi fácil convencer a mulher “assim que ela se apercebeu das consequências do seu estilo de vida.”

As consequências de toda esta exposição e escrutínio público já tiveram impacto na vida de Greta. É que com todas as declarações que vai fazendo em público, é fácil esquecer que estamos perante uma jovem de apenas 16 anos que, por todo o seu ativismo, já foi nomeada para o Prémio Nobel da Paz.

E além das ameaças, e da habitual troça de que é alvo quem quer que decida estar presente na internet com uma mensagem política, há quem a acuse de ser uma marioneta “paga por milionários para passar uma mensagem liberal.”

Mas Greta diz chegar para todas as frentes: “É hilariante quando a única coisa que as pessoas conseguem fazer é gozar com a tua aparência a personalidade. Significa que não têm argumentos e, por isso, nada a dizer. Mas isso não vai impedir de fazer o que estou a fazer. Isto é muito mais importante”, diz.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

21 comentários

  1. Desculpem a sinceridade, mas Lula preso político, vítima de um processo claramente viciado e que levou milhões de brasileiros à beira de uma situação de miséria está encarcerado e querem preimiar, com todo o respeito, uma garota de 16 anos por não ter ido às aulas??? Respira… respira… respira…

  2. O tempo de despertar das pessoa é diferente. Greta Thunberg não pode exigir muito delas. Caso contrário ela ficará muito decepcionada e deprimida. Essa menina se tornou uma celebridade muito rapidamente. Ela já esta fazendo a campanha do Parlamento Europeu para estimular os jovens a votar nas eleições europeias. Isso é bom, mas me parece que Greta não deveria deixar ninguém exigir muito dela. Afinal, ela é apenas uma adolescente numa epoca excepcional.

    Estar no palco mundial é bom, mas também pode ser enganoso. Nesse momento seria bom Greta lembrar algo importante: Jean-Paul Sartre recusou o Nobel porque não queria ser enterrado vivo.

  3. E vai ganhar… .adoram um nome exótico e não confrontar com os estadunidenses….

    Já deram esse prêmio até pra terroristas, aquele que Lula merecia foi entregue para o Obama, que ficou surpreso por recebe-lo, já que adorava uma guerra e dizem, toda segunda feira escolhia quem os drones estadunidenses iriam visitar…..
    O troço da ONU era pra março, todo mundo já esqueceu………. lojistas há em todos os lugares….. ……batedores de bumbo do c.

  4. “Não é saúde adaptar -se a uma sociedade doente”.
    A questão é o que torna a sociedade doente?
    Será que é ler a revista time ?
    O que essa revista vez para um mundo saudável?
    A sociedade é doente pq lê revistas ao invés de livros!
    Não há nada na revista time em que não exista uma segunda intenção, assim como jornais no Brasil.
    Tudo é questionável, mas ninguém me empurra nada goela a baixo.

  5. Não sei por que a caixa de resposta aos comentários não abre. As respostas virão aqui, como comentários avulsos, mas aos destinatários identificados:

    Ao sr. Lair Júnior

    1 – ela foi indicada, como Lula também foi. por um grupo de pessoas. O que há de errado na sua indicação? Pode haver mais de um vencedor, como no ano passado, e meu sonho e torcida é para que o prêmio seja dividido entre ela – que representa as novas gerações de luta política em defesa de justiça ambiental (tradução livre: que os países e pessoas mais ricos paguem mais pelo combate às mudanças climáticas, pra que países pobres e em desenvolvimento possam se adaptar às demandas de transição energética, alimentar, de transporte e de reestruturação geral) e equidade (assista os discursos dela antes de criticar, se quiser ser justo ou levado a sério), e Lula, que é símbolo da luta dos povos de países subalternizados por soberania e paz e pelo direito básico à alimentação e educação – legados reconhecidos internacionalmente.
    2 – dizer que ela simplesmente faltou à aula ou é desinformação – a finalidade do artigo é combatê-la – ou é má-fé: com sua campanha, ela tem levantado a juventude de vários países do mundo em defesa do trabalho sério de décadas feito por cientistas e ativistas ambientais, na tentativa, que pelo seu comentário parece mais que urgente, de alertar e informar as pessoas sobre os riscos existenciais – de extinção da espécie humana, não apenas de animais exóticos que a maioria da humanidade não tem a menor preocupação ainda que sua importância para a teia vital do planeta seja indiscutível.
    3 – Não é diminuindo a importância do trabalho alheio com base em preconceito, desinformação, menosprezo e disputa duvidosa que o que levou Lula à prisão será resolvido – ela combate os mesmos poderes transnacionais que, inclusive, já mobilizaram sua máquina de mídia difamatória contra ela; o sr. sem saber está compactuando com aqueles que pretende atacar ao defender Lula…
    4 – Tenho certeza que se Lula a conhecer ou assistir seus vídeos, vai admirá-la por reconhecer nela a mesma dedicação dele a uma causa ridicularizada pelos ignorantes de cada época; ele conhece o caminho árduo de incompreensão e desprezo para quem quer mudar o mundo e defender os mais pobres e menos respeitados em dado momento histórico – com ele, não apenas o trabalhador, mas o nordestino com pouco estudo que ousou ser sindicalista, fundar partido e ser presidente “sem falar inglês” nem ser submisso aos USA; com ela, é ser ativista sócio-ambiental num mundo de ignorantes que falam mal do capitalismo trabalhando de graça pra ele; durante sua adolescência, com o diagnóstico de uma condição psíquica ainda estigmatizada (espectro autista), num mundo em que mulheres, jovens ou velhas, não são respeitadas na vida pública e desacreditadas, ainda que com argumentos pretensamente nobres para manter o domínio masculino na disputa de poder: Greta não é só uma menina que faltou à aula pelo clima, ela é uma das mais radicais ativistas sociais com capacidade de mobilização que devia ser um estímulo para as esquerdas mundiais, mas com honrosas exceções, têm sido tratada como alguém que está disputando o espaço – certamente porque seu discurso é de verdade e não papo furado de rede social nem pra eleger NINGUÉM …
    Se admira mesmo Lula, honre quem ele é procurando saber antes a quem você o compara com desdém: pode vir a ser pra ele uma grande aliada e companheira de luta por justiça social transnacional.
    Aliás, já tinha pensado nisso, mas o nível de críticas a la bolsominion que têm sido feitas a ela nesta terra, em que não se sabe mais a diferença entre esquerda e direita, reforça minha pretensão de pedir que alguém faça chegar a Lula os vídeos em que Greta fala ao mundo e com parlamentares respeitados, como Corbyn no Reino Unido, que aprovou uma moção acatando a indicação feita por ela de “ouvir os cientistas” sobre a emergência da mudança climática, ou o Papa Francisco I, cuja encíclica Laudato Si é considerada por muitos até mais incisiva sobre a urgência do tema do que o próprio painel cientifíco da ONU, o IPCC, e que recebeu Greta com respeito e entusiasmo no mês passado. Ou seja, veja quem fala bem e mal dela, e escolha seu lado. Como ela sempre diz, as pessoas não são más, estão apenas desinformadas (e por isso agem de maneira estúpida, adendo meu). Então, parto da hipótese de que você não é maldoso, apenas desinformado. Ainda há tempo, para o planeta e para quem quiser conhecer Greta antes de se tornar coxinha de esquerda, ou bolcheminion.

    P.S. As opiniões aqui expressas, e eventual antipatia, são de minha total responsabilidade, pois não sou representante de Greta nem sua advogada – e ela não deve ser rejeitada por aqueles que não gostam de quem gosta dela, como é o meu caso, rs -, apenas uma admiradora, até aqui, incondicional.

    Sampa/SP, 18/05/2019 – 17:28

  6. Ao sr. Gonzales (comentário de “18/05/2019 at 15:56”)

    Comentários como os seus revelam a doença ou a cura?
    Ela não se define por estar na capa de revista nenhuma, mas pelo que ela é e faz, e que não depende nem pode ser destruído por uma revista qualquer. O interesse dela é divulgar uma mensagem, a da urgência de medidas contra as mudanças climáticas, e para isso tem que atingir todos os públicos porque o problema é responsabilidade coletiva, e portanto, todos devem ser informados para poderem agir, uma das intenções do trabalho dela. Se a revista der espaço pra isso, não é interesse dela passar a limpo a sujeira do mundo o rejeitando de boca e bancando com o consumo – que deve ser o seu caso com muita coisa que nem desconfia; ao contrário, ela, como Jesus fazia mas sem compará-la a ele, vai aos ninhos de cobra e diz sem medo o que eles não querem ouvir: foi a Davos (reunião dos mais ricos do mundo na Suíça) e criticou a concentração de renda sem meias palavras, vai aos parlamentos na Europa e critica os políticos com conhecimento e condição moral para tanto, porque antes de tentar mudar o mundo, mudou a si mesma e a sua família.

    O discurso farisaico e esnobe de Vossa Senhoria mostra que não aprendeu nada, e portanto não pode dar lição de moral, com os livros que leu, que a propósito, seria interessante resenhar aqui (o que faz num blogue, que é uma revista digital, e não lendo livros? está doente? qual a segunda intenção do seu comentário?).
    Será que revistas de divulgação científica como Science e Nature são “doentes” enquanto livros como “Como fazer amigos e influenciar pessoas”, “Os segredos da mente milionária”, “Homens são de Marte e mulheres são de Vênus”, e uma tonelada de best-sellers em formato de livro são o suprassumo da inteligência e honestidade humanas?
    Suas premissas são duvidosas e sua sua conclusão ruim.
    Volte ao texto da revista portuguesa sobre Greta e se não entender, não se preocupe, doentes são os outros.

    Sampa/SP, 18/05/2019 – 17:44

  7. Abílio Diniz, fazendo uma pose grave, “adere” à lei que proíbe os supermercados de oferecer sacolinha plástica de graça. Não que ele goste de ganhar dinheiro vendendo o que antes dava de graça, “aderiu” à lei porque não apenas é respeitador de leis – todas e quaisquer leis – como diz contribuir para a diminuição da poluição ambiental. Mas pergunta se ele topa trocar o GPA pela Alcoa, por exemplo… E se na Alcoa ele interromperia atividades industrialmente poluidoras…

    (***)

    A classe média dos Jardins adora a chance de se redimir separando lixo orgânico do reciclável, mesmo que seja gerentinho ou diretorzeco da Vale… Não se sabe se é para diminuir a culpa ou se é para arranjar uma desculpa para os outros (hipocrisia) ou pior, para si mesma (esquizofrenia), ou ambos.

    Ah, como a “moda” de ser ecologicamente correto no nível individual faz bem aos poluidores em escala industrial…

    (***)

    Bacana, a sueca. Quem sabe se ela um dia acordará para o fato de que tanto a poluição quanto as desigualdades sócio-econômicas têm exatamente a mesma origem: capitalismo desregulado e inconsequente. Acho um pouco difícil para quem tem para si a Suécia como exemplo, que atine com o que é a desigualdades de oportunidades. Convida ela para conhecer as realidades brasileiras, mexicanas, indianas…

  8. “Cute”. A menina legitima o poder das pessoas que têm permitido ou promovido a degradação do meio ambiente, pedindo-lhes (ou até às vezes quase mandando-as) que façam diferente. Quanto tempo até que uma organização bacaninha, financiada pelo capital, convença-a de que é “do bem” porque está fazendo “tudo o que é possível” desde que não diminua a concentração de renda, que tanto emprego oferece aos pobres?

    Quanto tempo levou até que Tabata Amaral aderisse àqueles que acham que o Brasil deve imitar a alma mater dela, os EUA, se ao preço que for? FHC, Amoedo, Sérgio Moro, Barbosão, Kataguiri e Bolsonaro também acham que devemos imitar os EUA. Não seremos os EUA, isso é uma impossibilidade fática. Mas pelo menos seremos um simulacro.

    Já políticos aplaudem e menina quando são denunciados, alguns fazem cara de consternados e há até quem chore lágrimas… de crocodilo.

  9. A caixa de resposta não está funcionando.
    Segue resposta ao Sr. Fábio de Oliveira Ribeiro

    Certamente, pelo comentário que fez, não a conhece. Ela está longe de ser pessoa manipulável e que não conheceria o mundo da política e da vida pública que resolveu enfrentar. Sartre ter recusado o Nobel é coisa de intelectual iconoclasta, e a reportagem não trata sequer da reação dela ao fato, portanto, mesmo que não conheça o existencialista (deve conhecer porque é culta, principalmente para sua idade) ainda que use a expressão “crise existencial”, rs, de modo literal e biológico, ela tem sido ainda mais radical na forma como lida com o mundo dos holofotes.
    Ela não precisa de paternalismo e discurso condescendente porque sabe, melhor até do que Sartre, arrisco dizer, das ciladas do mundo que ela denuncia como poucos – o que ela tem dito em seus discursos pelo mundo. e a forma altiva, destemida, indomável e incisiva com quem tem enfrentado críticas de políticos como o sr. Juncker (do Parlamento Europeu) mostram que o que Sartre e outros homens filósofos levaram décadas para aprender, Greta aprendeu sozinha, e muito jovem, ou seja, a coragem de lutar pelo que acredita, e não como um arroubo juvenil, mas porque se dedicou a entender o que lhe incomodava (passou os últimos 7 anos de sua vida, desde que descobriu a questão ambiental na escola, estudando e lendo sobre o assunto (ela lê a integra de documentos científicos e políticos, ao contrário da imensa maioria que só repete o que lê no jornal, no que me incluo, e por isso é respeitada por polític@s e cientistas respeitáveis)).
    Sugiro que veja os vídeos em que ela fala, e não apenas artigos que a retratam de maneira quase sempre destituída de seu potencial revolucionário.

    Para tanto, seguem abaixo os vídeos dela em Davos (não legendei ainda) e outro em premiação – já que as pessoas estão tão preocupadas com o Nobel… mas ela está preocupada apenas com a inação mundial no tema das mudanças climáticas e da crise ambiental, palavras dela -, para celebridades da Europa na Alemanha.
    Repito o que eu disse em outros comentários, a melhor maneira de conhecer alguém é por suas próprias palavras e atos e não através de intérpretes – mesmo os melhores não reproduzem a riqueza do original; então, antes de temer por ela ou distorcer o que se fala sobre ela, assistam seus discursos (a Penguin vai lançar em breve em livro – agora alguns “médicos” podem até respeitá-la… referência a outro comentário nesta página), suas entrevistas, vejam a cara de tédio e de desinteresse dela em relação ao circo dos holofotes e falsidades do mundo da fama, e como ela enfrenta os poderosos do mundo com delicadeza, educação, e acima de tudo, com a coragem revolucionária que há muito tempo não se via – mas sendo uma menina, ninguém dá muita bola, né? e sua condição de autismo leve, já que fica feio desmerecer, é utilizada como forma de (re)tratá-la como uma alienígena, alguém “exótico”… Pensando bem, dizer ao mundo o que ela diz quando mesmo @s “radicais” são falsificad@s, é extraordinário, rs.

    Acho interessante que nenhum comentário, à exceção do Lucio Vieira, que não é meu parente até onde sei, mencionou o tema que a tornou celebridade, e que é a única causa que interessa a ela, as causas climática e ecológica. Sintomático do quanto as pessoas preferem as aparências, ainda que no discurso pretendam criticá-las. É como alguém topar com uma pessoa dormindo na rua e alertá-la de que pode se resfriar se tomar um golpe de ar, sem entender que o comentário ignora a própria condição que a pessoa não escolheu mas suporta porque não tem alternativa: se o Nobel der visibilidade a Greta para defender sua causa, não tenha dúvida de que, ao contrário da afetação vaidosa de Sartre, ela aceitará. Ah, lembrei, sendo sueca, a relação dela com o prêmio é diferente do resto do mundo, também porque um antepassado de seu pai, o químico Svante (mesmo nome do pai dela) Arrhenius já foi premiado com o Nobel; então, para ela o significado é bem diferente da indústria do entretenimento e das picuinhas intelectuais que são até mais vaidosas que o prêmio, e ela certamente saberá fazer uso dele para o que faz melhor, incomodar as audiências de poderosos e celebridades lhes dizendo a merda que estão fazendo com o mundo. Se ganhar, será realmente um momento histórico, o mundo dos adultos, majoritariamente homens, ter que ouvir reprimendas seriíssimas de uma adolescente que tem em Rosa Parks um modelo de ativismo do exemplo moral e não se rende à vaidade do mundo do entretenimento, e até do ativismo (sim, nada está a salvo desse pecado humano) – que ela conhece dos bastidores (seus pais são famosos na Suécia, não será a fama mundial que a tirará do prumo, nem as difamações que os capitalistas já lhe fazem – “diz-me contra quem andas, e te direi quem és”.

    Prêmio Especial de Proteção do Clima para Greta Thunberg – Goldene Kamera 2019 [Alemanha]
    https://www.youtube.com/watch?v=b7ReCuqz_5U

    Greta Thunberg “Our House is on Fire” 2019 World Economic Forum (WEF) in Davos
    https://www.youtube.com/watch?v=zrF1THd4bUM

    Sampa/SP, 18/05/2019 – 18:52

  10. Esta Humanidade loira de olhos azuis faz tanto por Nós. Desde que você não seja um Africano desesperado em um bote de borracha, tentando ‘invadir’ a Humanidade deles, é claro !! Se forem, continuem lá por Moçambique, que daremos a importância devida às Suas Vidas. Uns 2 ou 3% da importância que o telhado duma Igreja tem para Nossa Humanidade. Se esqueceram : loira de olhos azuis. Como é linda esta gente que tenta salvar a Humanidade !!!

  11. Ao sr. Wilton Moreira

    Esse argumento então se aplica a todos que concorrerem com ele? Ninguém tem mérito próprio, não há outras pessoas no mundo trabalhando pela paz e Lula é o salvador não apenas da pátria, mas do mundo? – esse tipo de retórica furada é mesmo por reconhecer a grandeza de Lula ou é automatismo acrítico do discurso vitimizante que substitui a luta por justiça, a admiração, o reconhecimento e o respeito por messianismo, o amor por idolatria?
    Qual o “problema” dela, para essa esquerda massa cheirosa falar do que não sabe? é muito branca, muito européia, muito menina/mulher, muito rica? Quem indicou Lula sequer foi o Brasil ou um@ brasileir@, foi o Peres Esquivel, argentino, e @s brasileir@s só estão indo na onda, talvez mais por vaidade própria como se fosse um jogo de futebol contra a direita do que propriamente por Lula – fui em todas as manifestações por LulaLivre, em especial nos dias de condenação, e o que vi foi meia dúzia de gato pingado: querem que ele ganhe o Nobel para quê? para que a pressão internacional faça o que a militância nacional é incapaz de fazer?
    Vocês nem sabem quem são os vencedores do Nobel da paz de cada ano e falam como se houvesse um complô mundial contra Lula, e descarregam suas frustrações em uma pessoa que sequer conhecem, não sei se é covardia ou desonestidade intelectual, ou as duas coisas.

    Ela foi indicada por um grupo de pessoas, tanto quanto Lula.
    Vocês sabem quem são os outros indicados?
    Quem acha que defende Lula com esse tipo de argumento apenas justifica as críticas dos antilulistas sobre fanatismo, salvacionismo, o mesmo que fizeram contra Boulos e Manoela D’ávila quando se candidataram, como se não tivessem direito e suas decisões fossem uma ofensa a Lula, que corrigiu a estupidez dessas atitudes e os endossou ao reconhecer não apenas o direito deles mas a importância de ampliar as vozes da esquerda, em especial, das novas gerações.
    Lula é realmente infinitamente melhor dos que os que o defendem – e por isso, continua preso, e a pressão internacional tem feito mais por ele do que a esquerda cheirosa desse país de mentira.
    Ninguém é obrigado a gostar de Greta ou concordar com ela – uma palavra sobre o que ela defende ou representa, que é o mote do prêmio? -, mas não tem o direito de criticar o que não conhece menos ainda fazê-lo como farisaísmo de querer ser mais realista do que o rei – “amo tanto Lula, que para limpar minha consciência de não fazer nada por ele, vou defendê-lo até quando não é atacado”.
    Não por acaso, Lula orientou a militância a fazer o que o jornalista da direita, Reinaldo Azevedo, fez se o quisesse defender de verdade, ou seja, agir com honestidade intelectual, acima de preferências pessoais. Aprenderam? Os comentários nessa reportagem, até de pessoas que pareciam esclarecidas, confirmam que não.

    Sampa/SP, 19/05/2019 – 11:40

  12. Ao sr. Renato Lazzari

    Ter honestidade intelectual é antes de criticar alguém ou algum assunto, saber do que está falando, o que visivelmente não é o seu caso.
    1 – Greta começou a greve em seu país, a Suécia, na frente do parlamento, para que se alinhasse ao Acordo de Paris.
    2 – Em todas as entrevistas em que a Suécia é mencionada como exemplo de sociedade responsável, ela critica seu país e diz que pode e deve fazer mais, não apenas a Suécia, mas todos os países ricos, que são responsáveis pela situação da mudança climática pelo estilo de vida, padrão de consumo e desperdício que adotam. Conhece o termo justiça climática? Pois então procure saber antes de destilar todo o seu veneno desinformado sobre quem tem praticado o que discursa – o que sr. que critica tanto os outros, faz o quê contra as desigualdades sociais e ambientais?

    3 – O sr. parece do tipo que gosta de ensinar o padre a rezar; desça do seu pedestal de sabichão e assista aos vídeos dela e encontrará as respostas – ela entende mais do que você (e não é a minha convicção que diz isso, há provas, e se quiser, procure os vídeos ou agarre-se ao seu powerpoint de pseudointelectual, rs) das relações entre meio ambiente, desigualdade sócio-econômica entre classes sociais e países (a mãe de Greta, que é cantora de ópera, desistiu da carreira internacional para não andar de avião, depois que Greta lhe mostrava o quanto esse padrão de vida, comum a gente abastada, representava de poluição em comparação com países pobres; isso é parte da “justiça climática”), a estrutura produtiva, a concentração de riqueza, a exploração capitalista e a falência dos sistemas políticos, e aponta, porque adotou, alguns caminhos para superá-la (“justiça climática e equidade”, por exemplo, são termos frequentes nos discursos dela; certamente, do alto de sua arrogância, o sr. não apenas sabe o que significa como pode julgar quem pode ou não utilizar estes termos).
    O sr. se recusa a reduzir ou reciclar seu lixo ou diminuir seu consumo como forma de combater o greenwashing? Se o Pão de Açúcar e os hipócritas que existem em todas as áreas da ação social, principalmente na esquerda massa cheirosa que parece o seu caso, é o seu exemplo de ecologia e sustentabilidade, seu problema pode não ser apenas ignorância mas má-fé.
    Então, como parece bastante articulado para agredir e terceirizar seu lixo intelectual contra pessoas que não conhece – isso é melhor do que o que a burguesia cheirosa faz? -, apresente suas respostas:
    1 – o sr. acredita que as mudanças climáticas são um fato científico comprovado ou apenas um trote da China (opinião do Trump)?
    2 – se não nega as mudanças climáticas e a crise ambiental, o que propõe para combatê-los?
    3 – se reconhece que os problemas ambientais são consequência do capitalismo – o sr. não inventou essa teoria, rs, sinto lhe informar -, o que faz para combater uns e outro?
    4 – o sr. acha que a questão ambiental é uma disputa ideológica entre esquerda e direita? a natureza tem partido?
    Responda para si mesmo ou para o blogue. Sua histeria mal disfarçada em argumentos falaciosos demonstra apenas que o caso do greenwashing é a sua desculpa para não mudar os seus hábitos nem assumir a sua responsabilidade individual no problema.
    De que adianta as corporações serem reguladas pelos Estados se indivíduos egoístas e preguiçosos não abrirem mão de seus maus hábitos cuja exploração corporativa e estatal capitalista (combustível fóssil e produção de proteína animal, que dão muito lucro ao Brasil-Estado e suas empresas, são os principais causadores das emissões de gases de efeito estufa relacionadas à mudança climática; o sr. anda de carro? come carne? está disposto a mudar seus hábitos se eles forem indispensáveis para resolver o problema, que é global e coletivo? o problema é do dono do mercado e não de quem compra, né?)
    As perguntas são retóricas porque não tenho mais tempo a perder com quem só comenta para se exibir e arrogar conhecimento que não tem, porque se quisesse mesmo debater ou fazer críticas legítimas relacionadas ao tema, não seria leviano de atacar quem e o quê não conhece (desconhecer Greta não é problema, mas só falar de greenwashing dá a impressão de que é só o que decorou sobre o assunto, e de que não entende nada do que pretende criticar, ou andou lendo a cartilha da direita sem olhar o rodapé, rs) com soberba e desdém que demonstra apenas que o problema do mundo não é Trump ou Bolsonaro, mas quem se apresenta como sua oposição. Ser de esquerda ou de direita não diz nada sobre o caráter de ninguém, comprovei o que já suspeitava nos comentários agressivos e ignorantes que vi aqui – por um momento, pensei que estava na bolha bolsominion mas é uma lição sobre por que as esquerdas são até mais odiadas no mundo do a direita – ela, pelo menos, não se esconde de maneira farisaica sob uma capa de bom mocismo e superioridade intelectual para esconder a ignorância e a alma mesquinha.
    Se são todos iguais, e são mesmo, o povo ao menos escolheu quem lhe engana menos.
    É até risível ler esses comentários e comprovar que o resto do mundo está a milênios de distância do Brasil, e isso da classe média escolarizada que se acha “esquerdista, revolucionária, inteligente e informada”. Seria cômico se não fosse trágico, e farsesco.

    Sampa/SP, 19/05/2019 – 12:30

  13. GGN, espero que os comentários nesta reportagem tenham mostrado a urgência de a mídia responsável e bem informada abrir espaço para a alfabetização sócio-ambiental, ou será cúmplice da ignorância ecocida de seus leitorxs.
    Pra mim, deu.
    Tenho deixado compromissos da minha vida pessoal de lado para divulgar informações que achei que seriam importantes na bolha “progressista” mas é perda de tempo e de ânimo, e tem servido apenas para me desencorajar sobre qualquer luta no Brasil. Não vou mais a qualquer manifestação por algum tempo, o ar é tóxico de hipocrisia, desorganização e baalcheminions, e as pessoas interessantes e atentas ao que importa, que certamente vão, estão dispersas e infelizmente parecem a minoria, quem não está na sua bolha grupal e ousa falar com estranhos, “vê o grande monstro” da despolitização e substituição da reflexão autônoma por discursos afetados aprendidos em blogues duvidosos ou redes sociais, “a se criar”. Uma Caverna, sufocante ao ar livre (?).
    Não posso mais. O auto respeito sugere renúncias, rs.
    Caso eu volte a fazer comentários neste respeitável blogue – onde os mais interessantes comentaristas, salvo exceções que resistem, estão sintomaticamente ausentes… – solicito gentilmente que não sejam publicados como artigos – não sou jornalista, não tenho tino para lidar com temas sensíveis de modo a proteger o assunto e as pessoas envolvidas da ignorância belicosa da audiência… ser jornalista e divulgador de ciência é para gente qualificada, rs, e meu pavio é tanto mais curto quanto mais cínica e pretensiosa a má-fé. Greta, ativistas ambientais, e quem mais se ofende(u) com minha militância ambiental desajeitada, desculpem por tê-los exposto, inadvertidamente, ao enxovalho em espaço que eu julgava protegido da cacofonia antiética e maldosa que polui corações, mentes e o planeta.

    Eu já vinha reclamando das esquerdas, da simetria dos comentários em blogues ditos progressistas com a bolha da direita, de que o Golpe é responsabilidade mais das esquerdas do que mérito das direitas, de que é muita vaidade e pouca atividade, de que o Brasil é fadado ao fracasso porque sua sociedade civil é, coletivamente, indigna de confiança.

    Cheguei ao meu limite com geral (gíria carioca, rs) – manifest@nt@s de esquerda, de direita, de centro, norte e sul, e até comigo mesma. As deusas sugerem distância e silêncio, acatarei.
    Fico por aqui, mas com música, eu mereço e as pessoas de boa vontade e boa consciência também.
    “E eu, menos estrangeirx no lugar que no momento, sigo mais sozinhx caminhando contra o vento, e entendo o centro do que estão dizendo… É um desmascaro, singelo grito: o rei está nu, mas eu desperto porque tudo cala frente ao fato de que o rei é mais bonito nu… E eu vou e amo o azul, o púrpura e o amarelo, e entre o meu ir e o do sol, um aro, um elo.” (Caetano Veloso, “O estrangeiro”)

    Caetano Veloso – O estrangeiro
    https://www.youtube.com/watch?v=3MzjINKNKas

    Yuka feat. Barbara Mendes e Bukassa Kabengele – Confusão
    https://www.youtube.com/watch?v=tZb1I7fWy-w

    Sampa/SP, 19/05/2019 – 13:30

  14. Apesar de não tê-la citado pessoalmente, Sra. Cristiane, justamente para evitar personalismos em se tratando de assunto coletivo,

    1 – o sr. acredita que as mudanças climáticas são um fato científico comprovado ou apenas um trote da China (opinião do Trump)?

    Tenho indicações de que temos problemas ambientais reais.

    2 – se não nega as mudanças climáticas e a crise ambiental, o que propõe para combatê-los?

    Adotarmos pessoalmente posturas anti-capitalistas e, tendo a chance, buscarmos esclarecer as outras pessoas sobre os males que o capitalismo traz inevitavelmente. Ou seja, agir de modo a oferecer chance às pessoas que se dispõe à curiosidade, de refletirem sobre seguirem ou não a doutrinação e os dogmas capitalistas. Mostrar, na medida em que as pessoas queiram ver, que há alternativas, que não precisam se prender… enfim, que podem se libertar.

    3 – se reconhece que os problemas ambientais são consequência do capitalismo – o sr. não inventou essa teoria, rs, sinto lhe informar -, o que faz para combater uns e outro?

    Participo o menos possível de tudo que é relacionado ao capitalismo. Mas entendo que a solução não está no nível pessoal e sim no coletivo. Mesmo assim participo do capitalismo somente naquilo em que a necessidade de sobrevivência exige.

    4 – o sr. acha que a questão ambiental é uma disputa ideológica entre esquerda e direita? a natureza tem partido?

    A natureza não tem partido. A inconsequência na utilização de recursos coletivos é típica do capitalismo. Por óbvio que seja, na medida em que uma pessoa pensa e age orientada pelo bem coletivo – e não individual – suas soluções tendem ao socialismo. Um capitalista, por mais bem intencionado que seja, não se pode dar ao luxo de viver e trabalhar para o bem estar comum porque, na medida em que considerar não o indivíduo mas sim a sociedade, tenderá ao… ué, SOCIEDADE -> SOCIALISMO. Não é mera coincidência que os dois termos tenham a mesma raiz.

  15. Os comunistas de raiz não concordam com soluções transitórias, Sra. Cristiane, eles crêm – e vejo lógica no que dizem – que há antagonismo inconciliável entre as demandas da classe sociais. Soluções transitórias, alegam eles, tendem a aprofundar a alienação. Mas vejo que não estamos preparados para pensar no coletivo. Essa dificuldade se expressa não só na questão ecológica mas também na da desigualdade de oportunidades para realização do potencial humano com que todos nascemos. Se nem para cuidarmos da natureza estamos preparados, que dizer de estamos prontos para o Comunismo? Não fomos nem estamos sendo educados para o coletivo.

    Sem diminuir a importância da menina sueca, qualquer pessoa que se dê ao trabalho de examinar dissertações ginasianas e colegiais sobre a questão ecológica contatará que é bem comum o protesto contra os ataques à utilização de recursos coletivos para o lucro privado. E (lamento dizer) não será através da eleição de um indivíduo, ainda que sueco, feminino e jovem, que a solução será alcançada até pela natureza da solução: a solução tanto para os problemas ambientais quanto para os sociais só se dará quando aprendermos que o coletivo é mais importante que o indivíduo. Essa ideia é muito, muito difícil de ser assimilada por quem foi educado para o capitalismo. O que se poderia fazer é alterar a educação. Mas com a tomada da educação por pessoas que ganham na iniciativa privada, essa educação para a coletividade é quase uma impossibilidade técnica.

    Infelizmente, Sra. Cristiane, nem eu nem a Sra. nem a Greta nem a mãe dela… nenhum de nós pode fazer a necessária consciência coletiva brotar. A gente teme e fantasia que assumirmos quando a coletividade perdemos a individualidade. Por isso é que a propaganda insiste em bobagens como “seja você mesmo”: para que temamos não sermos nós mesmos. Mas essa é uma impossibilidade fundamental: se não formos nós mesmos, seremos quem? Note-se que Humanidade é ser “colcha de retalhos”. Mas se olharmos de perto, cada colcha de retalhos é diferente da outra… Não há duas iguais. Só industrialmente é possível produzir igualdades mas não somos produtos industriais. Mesmo que quiséssemos jamais seremos robôs…

    Bem… podemos trabalhar consciência individuais mas isso o sistema (que destrói o meio ambiente e as possibilidades de menor desigualdades) já sabe, faz tempo, como tratar. O GPA de Abílio Diniz é apenas um dos incontáveis exemplos de como o capital tripudia sobre a necessidade humana de pertencimento para que nos mantenhamos sem união, sem nossa necessidade de… pertencimento.

    “Quer pertencer? Consuma. Lidere. Adapte-se. Quer ser diferente? Seja igual.”
    “Liberdade é uma calça”… de brim.
    “Não leia revistas de beleza, elas só te farão sentir-se feia.”

    “A lição, sabemos de cór; só nos resta aprender.”

    (Convite: https://diplomatique.org.br/como-a-direita-seduziu-o-eleitorado-popular/ )

  16. “Pensamos coletivo para as questões ecológicas mas indivíduo para as econômicas” é impossibilidade técnica.

    Não à toa ecologia e economia têm o mesmo radical: eco.

  17. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome