Quando o mundo vai parar de ignorar o que está acontecendo em Gaza?, por Majed Abusalama

Se o mundo continuar a tratar nossa situação como 'normal', pode ser tarde demais para salvar minha terra natal e meu povo.

A explosão ilumina o céu noturno depois que aviões de guerra israelenses atingiram vários alvos em 16 de agosto de 2020 em Khan Yunis, Gaza. [Abed Rahim Khatib / Anadolu]

do Al Jazeera

Quando o mundo vai parar de ignorar o que está acontecendo em Gaza?

por

Para minha família e para o povo de Gaza, agosto foi horrível. Israel bombardeou a Faixa quase diariamente , fazendo-nos sentir como se estivéssemos presos no epicentro de um terremoto sem fim. As explosões, às vezes a menos de um quilômetro de nossa casa, eram tão altas que minha sobrinha de dois anos não conseguia dormir à noite. Cada vez que ouvia um grande estrondo, ela rapidamente reunia seus brinquedos ao seu redor, como se para protegê-los das bombas de Israel. 

O mês passado foi realmente horrível, mas não foi extraordinário de forma alguma. Os soldados, aviões de guerra, drones e helicópteros de Israel têm assediado, intimidado e matado o povo de Gaza regularmente e com impunidade há décadas. Os ataques de Israel fazem parte da rotina diária em Gaza. Para poder sobreviver e levar algo que se assemelha a uma vida normal, nós, os Gaza, não temos escolha a não ser aceitar como normal a violência que está sendo infligida a nós.

Crescendo em Gaza, sempre tive uma sensação de emergência. Minha família estava sempre preparada para o pior, porque o pior poderia bater à nossa porta a qualquer momento, como aconteceu durante os ataques a Gaza em 2008, 2009, 2012 e  2014 . Quando criança, eu sabia que viver com medo todos os dias não era normal. No meu coração, rejeitava a normalização dos horrores do dia a dia, porque não queria perder o contato com a minha humanidade. Mesmo assim, finalmente tive que aceitar a situação em que nasci e o que me cercava. 

Agora, minha sobrinha e milhares de outras crianças que vivem sob o cerco israelense em Gaza estão crescendo com os mesmos medos e a mesma sensação de emergência constante. Enquanto tentam dormir com os sons das bombas e proteger seus brinquedos dos horrores que estão do lado de fora da porta, elas são forçadas a aceitar como normal uma realidade violenta que nenhuma criança deveria jamais testemunhar.

Nos últimos anos, quase não houve um dia em que Israel não bombardeou, atirou ou invadiu fisicamente o que não é apenas uma das áreas mais densamente povoadas do planeta, mas também um lugar que está sitiado há mais de 13 anos, com grande escassez do básico necessário para a vida humana normal.

A infraestrutura colonial de Israel controla o céu acima de nós e a terra e o mar ao nosso redor, e é até capaz de penetrar em nossos espaços mais íntimos para nos mostrar seu poder. Em Gaza, para onde quer que você olhe, você vê ferramentas de opressão, ocupação e guerra urbana –  cercas de fronteira, paredes de separação, caminhões blindados, aviões de guerra e postos de controle moldam a paisagem em que vivemos drones lembram você de que está preso e que pode ser atacado a qualquer momento. 

 

Para Israel, Gaza não é um lugar onde dois milhões de homens, mulheres e crianças chamam de lar, mas uma “entidade inimiga” – um espaço estranho cujos habitantes não merecem ser tratados com decência humana. A máquina de propaganda de Israel, com a ajuda de seus aliados ao redor do mundo, trabalha incansavelmente para desumanizar o povo de Gaza, rotulá-los de “extremistas” violentos e sem sentido e criar a percepção de que a ocupação de Israel é “humana” e “civilizada”. 

Claro, a realidade é muito diferente. E apesar dos esforços de Israel para nos aterrorizar até o silêncio, nós, o povo de Gaza, não estamos dispostos a permitir que nosso ocupante conte nossa história. Transformamos nossos medos, vulnerabilidades e frustrações em resistência e alcançamos o mundo de todas as maneiras que podemos para expor nossa realidade trágica, exigir nossos direitos e envergonhar nossos opressores. 

Como muitos habitantes de Gaza que vivem na Faixa e em todo o mundo, passei a vida lutando contra as políticas coloniais de Israel. Estive na linha de frente da luta palestina por justiça e liberdade, primeiro em meu campo de refugiados em Gaza e depois na Alemanha. Por meus esforços, fui  ameaçado, perseguido , intimidado e  até mesmo alvejado . Mas nunca desisti, porque sei que a resistência é a única maneira de garantir que haja um futuro descolonizado que valha a pena viver para mim, minha família e minha amada Gaza. 

Mas, infelizmente, o mundo parece não estar interessado em nos ouvir. Os contínuos crimes de Israel contra os palestinos foram expostos, uma e outra vez, por jornalistas, relatores da ONU, ativistas e os próprios palestinos. No entanto, a maioria dos governos mundiais nada fez para pressionar Israel a parar até hoje. Alguns emitiram declarações vazias para “condenar” Israel e “instar” a parar seus ataques contra os palestinos, mas continuaram a dar a Israel apoio diplomático, político e militar. Outros optaram por permanecer em silêncio total e fecharam os olhos ao nosso sofrimento, o que é outra traição moral.

Mas a comunidade internacional não pode continuar a ignorar nossa situação. A ONU disse há cerca de três anos que espera que Gaza se torne “impossível de viver” em 2020. Desde então, Israel não só se recusou a tomar medidas para reverter a rápida deterioração de Gaza em um deserto pós-apocalíptico, mas intensificou seus ataques à Faixa, dificultando esforços de ativistas, ONGs e moradores locais para manter esta prisão aberta habitável por um pouco mais de tempo. Com o novo coronavírus agora se espalhando por todos os campos de refugiados e comunidades em Gaza, não podemos esperar mais que o mundo reconheça nosso sofrimento e aja. 

Todos os anos, em 15 de maio, os palestinos  marcam  a  Nakba , ou “catástrofe”, referindo-se à  limpeza étnica da Palestina  e à destruição quase total da sociedade palestina em 1948. Desde aquele dia trágico, o principal objetivo estratégico de Israel tem sido manter os palestinos um estado de catástrofe. Alcançou esse objetivo ao construir uma infraestrutura colonial para nos impedir de escapar de sua violência estrutural.

Hoje, Israel está tentando manter este estado de catástrofe por meio de ataques militares regulares, bombardeios diários e vigilância agressiva. Ele está tentando nos obrigar a obedecer, atacando brutalmente protestos pacíficos contra sua ocupação e assentamento ilegal. Está tentando nos silenciar por meio de campanhas na mídia que nos pintam como “terroristas” e “selvagens”. Está tentando nos fazer esquecer nossa humanidade e parar de lutar por nosso direito de viver com liberdade e dignidade, restringindo nosso acesso à eletricidade, forçando-nos a comer alimentos não comestíveis e beber água envenenada.

Israel manteve a Palestina em um estado de catástrofe por tanto tempo que nossa situação agora parece “normal” para o mundo. Mas não há nada normal nos esforços contínuos de Israel para destruir nossa vida comunitária e pessoal.

Os palestinos, sem dúvida, continuarão a resistir às políticas coloniais de Israel e a construir belas narrativas de resiliência popular. Mas não podemos vencer nossa luta justa, justa e moral pela liberdade, igualdade e dignidade sem o apoio da comunidade internacional, como foi o caso do apartheid na África do Sul.

É por isso que pedimos que a comunidade internacional sancione e isole Israel por seus repetidos crimes contra a humanidade na Palestina colonizada. Se o mundo continuar a tratar nossa situação como “normal” e não agir, pode ser tarde demais para salvar minha terra natal e meu povo. 

As opiniões expressas neste artigo são do próprio autor e não refletem necessariamente a posição editorial da Al Jazeera.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Os sionistas não tem aliados, tem subalternos. Subalternos ao grande capital,quase totalmente dominado pelo sionismo.
    Essa gente parece que não aprendeu nada com a guerra. Aliás, parece que aprendeu: a ser como seus algozes.
    O mundo está indo para um caminho dominado pela loucura financista onde os valores humanistas simplesmente não existem.
    Atrás dessa loucura tem sempre um sionista. Eles deveriam se lembrar do mal causado pela loucura de Hitler e não tentar imita-lo e menos ainda adubar o terreno para o surgimento de outro.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome