Rússia oferece acordo de US$ 15 bi e mantém Ucrânia fora da UE

Jornal GGN – A Rússia reajustou o preço do gás que importa da Ucrânia e se comprometeu a comprar US$ 15 bilhões (cerca de R$ 34,8 bilhões) em títulos públicos ucranianos depois de uma reunião entre os presidentes Vladimir Putin e Viktor Yanukovich. Com essa medida, assinada pelos líderes ontem (17), a Rússia manteve a Ucrânia sob sua esfera de poder.

Há meses, o governo ucraniano vinha se aproximando da União Europeia (UE) na tentativa de chegar a algum pacto e a economia do país, que assinalou uma possível adesão ao bloco europeu por meio de um acordo de associação. No final de novembro, no entanto, o governo ucraniano passou a adotar uma postura hesitante em relação à Europa, depois que a Rússia pediu o adiamento do acordo entre o país vizinho e a UE.
 
Para o presidente da Comissão de Assuntos Internacionais do Parlamento russo, Mikhail Margelov  o compromisso de ontem mostrou “onde a Ucrânia tem amigos – no Ocidente ou no Leste”, em referência à União Europeia e à Rússia, respectivamente. De acordo com ele, ainda é cedo para dizer se a Ucrânia irá abandonar a associação à UE.
 
A oposição ucraniana não ficou satisfeita com o acordo firmado entre os países e argumenta que o interesse nacional foi vendido pelo presidente Yanukovich. Duas horas depois de firmado o pacto, líderes oposicionistas convocaram mais de 50 mil pessoas a protestarem contrariamente à aproximação com a Rússia. Os manifestantes pedem a saída do presidente.
 
Ontem, o porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, disse não acreditar que o acordo com o governo russo irá acalmar os ânimos dos manifestantes no país. Os Estados Unidos são favoráveis à aproximação da Ucrânia com a União Europeia.
 
A crise ucraniana será discutida nesta semana na reunião do Conselho Europeu da União Europeia. No último domingo (15), a UE decidiu suspender as negociações com o país até que o governo demonstrasse mais comprometimento em firmar um acordo. Com os acordos entre a Ucrânia e a Rússia nova dinâmica deverá ser adotada na reunião do bloco.
 
A suspensão das negociações entre a UE e a Ucrânia foi anunciada no mesmo dia em que cerca de 200 mil pessoas se reuniram em protesto. A população tem se manifestado nas últimas semanas contrariamente ao presidente Viktor Yanukovich, que adiou a adesão da Ucrânia à UE devido à pressão da Rússia.

Com informações da Agência Brasil.

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador