Análise da decisão de Gebran sobre a suspeição da juíza Hardt, por Luis Nassif

Gebran faz vistas grossas para o decidido pelo STF quando reconhece a suspeição do Moro pela mesma via do habeas corpus

Advogados que analisaram a decisão do desembargador Joao Pedro Gebran Neto – em relação a um pedido de habeas corpus questionando a isenção da Juíza Federal Substituta Gabriela Hardt – identificaram os seguintes problemas:

1. A decisão examina questão que sequer era objeto do hc (incompetência); 

2. A decisão alega ter ocorrido preclusão em questão de nulidade absoluta, não sujeita à preclusão. Faz vistas grossas para o decidido pelo Supremo Tribunal Federal quando reconhece a suspeição do Sergio Moro pela mesma via do habeas corpus; 

3. Afirma a necessidade de procuração em ação constitucional em que sabidamente é inexigível, até mesmo pelo fato de que não exigência de legitimidade ad processum na referida ação (inexistência de pressuposto processual exigindo capacidade postulatória e representação adequada); 

4. Trata da necessidade de se usar o instituto da exceção de suspeição, mesmo sabendo-se que a exceção deve se dar na resposta à acusação e as notícias da suspeição apenas vieram há pouquíssimo tempo; 

5. Fala da necessidade de através da exceção de suspeição colher manifestação do juiz em primeiro grau. A suspeição é peça processual cuja competência é diretamente do tribunal. Não existe contraditório entre juiz imputado de suspeição e excipiente ou impetrante. De toda sorte, se desejasse ouvir o juiz, poderia perfeitamente fazê-lo mediante o recurso previsto no HC para que a autoridade preste informações; 

6. Manipula o instituto da preclusão ao criar artificialmente a confusão entre a notícia de que o procurador Athayde poderia estar manipulando acordo de colaboração (veiculada em sítio) e as informações obtidas via spoofing. 

7. O não conhecimento do hc serve para não adentrar no mérito e é uma chicana processual. Invenção de critérios para não examinar o hc e com isso, obrigar a defesa a recorrer (agravo regimental) para somente então poder recorrer ao STJ.

3 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Vladimir

- 2022-01-27 10:15:59

Já havia comentado anteriormente que não tratava-se da escolha de Sofia e sim da escolha de canalhas e que o mais lógico seria essa figura ficar com a turba. Não deu outra. Agora,de qualquer forma,o anotado no item 7,tem sido prática recorrente desses togados quando tem interesses no processo (alguns inconfessáveis ,como parece o caso) para postergar o andamento processual,entulhar a justiça e afugentar aqueles menos abastados. O Conselho Nacional de Justiça precisa ser reexaminado detalhadamente,tanto na sua composição como na sua área processual para evitar que em nome da justiça se propague a injustiça.

Mario

- 2022-01-26 18:40:44

Fazendo jus ao apelido dado pelo saudoso PHA: “desembagrinho”. Enquanto funcionários públicos com supersalários e vantagens imorais (legais, porém) continuarem formando castas às custas do povo, com seu vergonhoso corporativismo e contínuo abuso de autoridade, esse país não vai sair da lama.

emerson57

- 2022-01-26 17:25:17

gebran plagia o "Leão da Montanha": "Saida, pela direita"

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador