Carros da PF/PR tinham R$ 409 mil para peças, por Fernando Brito

Atualizado às 11h28

Enviado por Messias Franca de Macedo

Do Tijolaço

Dr. Moro, desculpe, erramos. Não eram R$ 202 mil em peças para carros da PF , eram R$ 409 mil

POR 

 

 

prova

Um leitor, de forma gentil, advertiu que um dos links dos documentos apresentados ontem aqui para mostrar que não faltava, como alegado, verba para os carros da Polícia Federal no Paraná estaria errado.

Fui, como é meu dever, verificar e não encontrei erro nisso. Mas encontrei uma incompletude no post: houve muito mais dinheiro para o mesmo fim, liberado antes da data que mencionei no post, em outubro.

É a Nota de Empenho – empenho, em contabilidade pública, é a reserva de recursos que, cumprido o serviço, possibilita o pagamento – 2015NE800639, de 10 de setembro do ano passado,que libera R$ 409.062,07 em favor da Prime Consultoria e Assessoria Empresarial Ltda. para (transcrevo a nota de empenho) “COMPONENTES DIVERSOS PARA VEÍCULOS Fornecimento de peças e acessórios para veículos, visando manutenção preventiva/corretiva, gerenciadas através de sistema informatizado. MARCA: ORIGINAL ITEM DO PROCESSO: 00002 ITEM DE MATERIAL: 000192590”.

Como disse no post de ontem, não disponho de uma “força-tarefa” para apurar todas as liberações de recursos, que são públicas e que só podem ser acessadas em intervalos de 30 dias- e, depois, individualizadas – e isso aumenta muito o trabalho de quem o faz sozinho.

Mas creio que está mais do que suficiente – e existem mais valores – para demonstrar que há algo de muito estranho com este chororô de que o Governo, malvado, não dava verbas para manter os carros da PF paranaense e os delegados da Lava Jato tiveram de ir passar o chapéu diante do juiz Sérgio Moro que, embora “não sendo apropriado”, liberou recursos sob sua guarda para evitar o colapso da operação.

Ela só serviu para fazer com que uma multidão de alucinados, que acredita piamente no que a má apuração jornalistica (somada à má-fé de quem “plantou” a história) divulga, começasse a urrar, gritando que o Governo Dilma tentava sabotar e paralisar a apuração dos casos de corrupção.

Cumpro o dever profissional de dar a informação do que consta nos documentos  oficiais do Tesouro, uma vez que a Polícia Federal e o Ministério da Justiça não o fazem ou anunciam, sequer, estar apurando se e porque seus subordinados fizeram isso.

E, para os que quiserem se poupar de acessar o banco de dados públicos que ninguém foi olhar (os que quiserem o façam aqui), reproduzo a imagem do documento que mostra que, salvo algo misterioso, não faltava dinheiro para peças de reposição ou reparo para os carros da PF.

Veja:

prova2

 

Enviado por Webster Franklin

Do Tijolaço

Dr. Moro, o senhor sabia que os carros da PF/PR tinham R$ 202 mil para peças?

 

Por 

prime

O Dr. Sérgio Moro, noticiou a Veja e replicou O Globo,  “doou” R$ 172 mil reais para a Polícia Federal do Paraná “consertar seus carros” e pagar as contas de luz.

O juiz disse até que “embora não fosse apropriado” lançar mão de verbas sob a guarda da Justiça, não poderia deixar parar a Lava Jato. Deve ter sido, portanto, informado que os carros da PF estavam caindo aos pedaços.  Será, porém,  que o Dr. Moro sabe que no dia 14 de outubro o Tesouro Nacional empenhou R$ 202.049,55 em favor da Superintendência da PF no Paraná para justamente comprar peças de automóvel?

Porque 202 mil em peças é coisa pra ninguém botar defeito, não é?

Certamente que compradas de uma empresa competente, a Prime Consultoria Empresarial Ltda., cuja sede é numa sala no segundo andar de uma casinha,  em Santana do Parnaíba, um simpático município ao lado de São Paulo que a Folha chama de “oásis fiscal” e diz que lá “é  possível registrar uma empresa ali mesmo sem nunca ter pisado no município e pretendendo operar, de fato, a 1.000 km de distância ou até fora do Brasil”.

Empresa tão competente que, pouco antes de ganhar a licitação para a Polícia Federal também tinha vencido justamente a licitação da outra parte da turma da Lava-Jato, os procuradores, que a contrataram para “gerenciar e controlar o combustível, a lavagem, a troca de óleo e outros serviços para os veículos da frota da PGR no Paraná.

E mais competente ainda que ganhou outra licitação para abastecer os carros da PF paranaense: mais R$ 129 mil, no mesmo 14/10. Eu só olhei de outubro até o final do ano, porque desisti quando dei uma passadinha em setembro e achei outro empenho para a Prime, “só” de R$ 500 mil.

Essas aí são para fornecimento de combustível, embora a Prime não tenha um só postinho… E teve mais, antes, bem antes, para peças. É que eu não tenho força-tarefa aqui, mas sei que os leitores são curiosos e vão olhar…

Esse  Google é terrível….Fica achando umas coisas…

E eu estou ficando velho mesmo: sou do tempo em que os jornais se interessariam em apurar se os carros da PF estavam mesmo num estado deplorável, de fazer os delegados passarem a canequinha  na frente do juiz…

 

 

Redação

30 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1.  
    Um juiz com participação

     

    Um juiz com participação material nas investigtações ? Isso é mais que suspeição, é improbidade administrativa; podendo, inclusive, chegar a seara criminal.

  2. O Brito , alertado por um

    O Brito , alertado por um leitor, já corrigiu o valor. Era mais de R$ 400 mil. Então, é o caso de perguntar ao juiz competente: Desvio de dinheiro público no quintal da justiça é crime de corrupção? Ou isso não vem ao caso?

    Ps.: Não esqueçamos o caso do juiz do porsche do Eike.

    1. A quentinha do Moro para o japa da PF

      Bem lembrado, Maria Rita.

      O juiz do caso Eike foi intimado a devolver o porsche e, se bem me lembro, deixou o caso. Isso, friso, pelo USO.

      Agora temos o Moro DOANDO a terceiros recursos que estavam sob sua guarda. esse não tem volta. Será que há uma legislação especial por lá a ampará-lo ?

      Ou isso é simplesmente improbidade administrativa ?

      Ou a legislação foi contingenciada ?

       

  3. Curioso isso:

    um juiz que investiga desvios de dinheiro e também desvia dinheiro ! 

     

    Pela lei, um juiz deveria é julgar e sentenciar crimes, jamais investigar e menos ainda desviar dinheiro. 

     

     

  4.  
    Dr. Moro, desculpe,

     

    Dr. Moro, desculpe, erramos. Não eram R$ 202 mil em peças para carros da PF , eram R$ 409 mil

    Um leitor, de forma gentil, advertiu que um dos links dos documentos apresentados ontem aqui para mostrar que não faltava, como alegado, verba para os carros da Polícia Federal no Paraná estaria errado.

    Fui, como é meu dever, verificar e não encontrei erro nisso. Mas encontrei uma incompletude no post: houve muito mais dinheiro para o mesmo fim, liberado antes da data que mencionei no post, em outubro.

    É a Nota de Empenho – empenho, em contabilidade pública, é a reserva de recursos que, cumprido o serviço, possibilita o pagamento – 2015NE800639, de 10 de setembro do ano passado,que libera R$ 409.062,07 em favor da Prime Consultoria e Assessoria Empresarial Ltda. para (transcrevo a nota de empenho) “COMPONENTES DIVERSOS PARA VEÍCULOS Fornecimento de peças e acessórios para veículos, visando manutenção preventiva/corretiva, gerenciadas através de sistema informatizado. MARCA: ORIGINAL ITEM DO PROCESSO: 00002 ITEM DE MATERIAL: 000192590”.

    (…)

    FONTE [LÍMPIDA!]: http://tijolaco.com.br/blog/dr-moro-desculpe-erraos-nao-eram-r-202-mi-em-pecas-para-carros-da-pf-eram-r-409-mil/

  5. desvio de dinheiro

    desvio de dinheiro público

    não merece tb investigação?

    o moro foi eleito por quem para

    disitribuir dinheiro público?

    ah, sim, foi eleito pelo quarto poder –

    a grande mídia golpista!

  6. Será que o repórter, tão

    Será que o repórter, tão arguto investigador, já ouviu falar em uma coisa chamada “contingenciamento de despesas”, que ocorre desde 2010?

    Vou explicar como funciona.

    Um determinado órgão tem um orçamento de 1000 dinheiros para gastar durante o exercício de 2015, por exemplo.

    O dinheiro vai sendo liberado mês a mês. Lá pra abril, o governo informa que haverá “contingenciamento”, e interrompe os repasses. Com isso, fornecedores do órgão deixam de ser pagos, projetos são paralisados, licitações ficam suspensas, cursos e eventos de capacitação ficam adiados. 

    Lá pra julho, o governo volta a liberar dinheiro. Com isso, fornecedores em atraso são pagos, projetos e licitações são retomados.

    Chega setembro, novo contingenciamento. Mais atraso no pagamento a fornecedores. Licitações são canceladas, por perda do objeto ou falta de interesse dos licitantes. Projetos são inviabilizados pelo decurso do tempo e nova falta de dinheiro. Cursos e eventos de capacitação são cancelados.

    Aí chega dezembro, o governo volta a liberar os recursos do orçamento. Fornecedores em atraso são pagos. Mas as  LICITAÇÕES, PROJETOS, CAPACITAÇÕES ETC JÁ ERAM, não tem mais como serem executados naquele exercício financeiro.

    Aí, “sobra” dinheiro para o ministro fazer contra-informação dizendo “viram, eu liberei os 1000, eles é que só gastaram 750, tá sobrando dinheiro…”

    1. Falou mas não “explicou”

      Falou mas não “explicou” nada.

      Quem fornece para o governo, sabe que funciona exatamente assim. Desde sempre.

      Não há novidade alguma. Ainda mais para uma “empresa” que é sempre a MESMA.

      Estranho não?

       

      1. Peteba nao tem como rebater

        Peteba nao tem como rebater faz comentario generico, ne?

        Expliquei o pq de ¨sobrar¨dinheiro. Se vc nao entendeu ou fingiu nao entender, problema seu

          1. Vc nao contestou
            Vc nao contestou absolutamente nada di que eu disss.
            Fez um comentário sem sentido que so foi positivado pela militancia do blog, que hj ta com tudo.
            Portanto, nao vou ficar batendo palma pra maluco dançar

    2. Nada disso

      Se o dinheiro foi devolvido significa ele estava disponível na Unidade para uso, já havia sido repassado. Verba contingenciada nem chega a ser repassada à Unidade excecutora, pois o contigenciamento é bloqueio de repasse, ocorre quando a receita prevista para aquela despesa orçamentária não se confirma.

      Conta outra que essa mentira aí não colou.

      1. Ou voce nao leu o que eu
        Ou voce nao leu o que eu escrevi, ou está jogando para a plateia que nao entende do assunto.
        Fui bem claro ao dizer que o governo primeiro faz o contingenciamento, e lá na frente libera o dinheiro (faz o repasse, com atraso).
        No final do ano, faz os repasses que faltavam. No entanto, nao ha mais tempo habil para a realizacao dos projetos, licitacoes, capacitacoes etc, e por isso o dinheiro ê DEVOLVIDO pelo órgao, por nao ter havido TEMPO HABIL para sua utilizacao, dado os contingenciamentos que atrasaram o repasse.
        Aí o ministro diz q sobrou dinheiro
        Impossivel vc nao ter entendido isso, pois trabalha na Uniao.
        So demonstra a ma-fe da militancia em desinformar a populacao.

        1. Estou é mostrando a sua má-fé

          Esse papo de contingencia e depois repassa com atraso continua sendo mentira: estamos falando de contrato de combustível, que é de longa duração. Se é um contrato que já existe, não vem com esse papinho de “licitar, projeto, mi-mi-mi!”. Devolveram porque não usaram mesmo. Não estamos falando de obra ou algo que precise ser licitado.

          Conta outra, que essa mentira continua não colando!

          1. “Estamos falando de contrato
            “Estamos falando de contrato de combustível”
            Vc ta louco, onde foi q eu falei sobre combustível!!!?
            Estou falando de EXECUCAO ORCAMENTARIA!!!
            Todos os anoa o GF impoe contigenciamentos, atrasa os repasses, e chega no final do ano libera de uma vez so, quando nao ha mais tempo de se fazer nada.
            Ano passado tive que cancelar DOIS eventos de capacitaçao por falta de repasse, sei do que estou falando.
            Aí o dinheiro para as capacitacoes chegou em dezembro, de que adianta?
            Deixe de ser pelego sem vergonha, rapaz.

          2. Meu caro Charlie, não existe isto em administração pública.

            Meu caro amigo, estou aposentado mas trabalhei na função pública durante 37 anos e posso dizer com clareza, NÃO EXISTE ISTO DE UM SETOR TROCAR OU ADIANTAR DINHEIRO PARA OUTRO SETOR, ISTO É TOTALMENTE IRREGULAR, O MORO JÁ ERA.

            Se há sobra de caixa em determinada rubrica ela deve ser repassada para o Tesouro Nacional e não “emprestada para outro setor”, pois contingenciamento não significa que obrigatoriamente será repassado o valor para a segunda estrutura, e NÃO CABE A ALGUÉM QUE NÃO É ORDENADOR DE DESPESA DA INSTITUIÇÃO QUE A FAZ REPASSAR RECURSOS.

          3. Onde fou que eu disse de “um
            Onde fou que eu disse de “um setor trocar ou adiantar dinheiro para outro setor”!!!?
            Voces estao usando a mesma tatica do Diogo, de atribuir ao interlocutor algo que ele nao disse para “rebater” em seguida…!
            Igual o outro, eu falando de execucao orcamentaria e o cara falando sobre combustivel…
            Enfim, a militancia petista se fecha em si mesma cada vez mais, com suas deturpacoes, mentiras e sindrome de tapar o sol com a peneira.
            Pregam para os convertidos, os discursos de vcs so comvencem a vcs mesmos.
            Se Deus quiser teremos em 2018 um novo governo de esquerda livre destes apaniguados e pelegos de hoje…

          4. Onde na reportagem entra a palavra contingenciamento?

            Você está atribuindo à reportagem uma possibilidade que não foi citada em nenhum momento. Você entrou com a suposição de contingenciamento de despesas para justificar a falta de dinheiro.

            A maioria dos comentaristas está criticando o juiz por utilizar dinheiro de apreensões (a veja diz que o Moro “doou” esse dinheiro) para cobrir os gastos com a frota de carros (a conta de energia elétrica também foi utilizada como justificativa)

            Chuta o pau da barraca com “militância petista se fecha em si, etc e tal, mentiras e síndrome de tapar o sol com a peneira”?

            Houve contingenciamento de despesas? Onde a reportagem aponta isso? Se não houve, quem está realmente tapando o sol com peneira?

          5. Quem falou de combustível fui eu

            A notícia da Veja é que o Moro deu 172 mil pra PF pagar gasolina, água, luz, telefone e comprar peças pros carros. Você inventou essa mentira sem vergonha de que “contingencia-e -libera-sem-prazo”, e eu estou afirmando que foi devolvido dinheiro que foi colocado à disposição da PF/Paraná, para contratos de longo prazo, que não tem nada a ver com “contingencia-e -libera-sem-prazo”.

            Portanto não cola essa sua mentira. E fim de papo, que falar com direitista sem vergonha me dá canseira.

          6. “E fim de papo(…)”Claro,
            “E fim de papo(…)”
            Claro, sua missao aqui ja está cumprida: mentir, distorcer, inventar e desqualificar o interlocutor acusando-o de “direitista”, tudo para defender o governo a qualquer custo.
            Pelego.

    3. Sim, sabemos de contingenciamento…

      Mas os “grandes” repórteres da revista veja não falaram disso. Não há citação de contingenciamento de despesas no caso.

      A notícia no globo não trata disso também, tanto que abdica de qualquer informação nova, citando a veja como fonte.

      Testar hipóteses é com o Ali Kamel…

       

  7. Charlie, você que parece ter

    Charlie, você que parece ter expertise em contas públicas e eu uma ignorante nessa área, gostaria que me explicasse o seguinte:

    O reporter em questão já atuou na administração publica tanto estadual como federal, assim acho pouco provável que não saiba o que é “contingenciamento de despesas”. O que ele encontrou foram Notas de Empenho que em contabilidade pública , é a reserva de recursos que, cumprido o serviço,possibilita o pagamento – 2015NE800639, de 10 de setembro de 2015, que libera R$ 408.062,07 ( não apenas R$202.000.00 como foi encontrado na primeira pesquisa) em favor da Prime Consultoria e Assessoria empresarial Ltda. para “Componentes Diversos PARA VEÍCULOS Fornecimento de peças e acessórios para veículos, visando manutenção preventiva/corretiva, gerenciadas através de sistema informatizado. Marca: Original Item do Processo:00002 Item de Material: 000192590.

    Assim Charlie, gostaria de saber se essas notas de empenho também estão  sujeitas ao contigenciamento de recursos?São apenas previsão de gastos com direcionamento especificado? A empresa que cumpriu o serviço vai ficar a “ver navios”? O Processo 00002 é então uma peça de ficção? Como eu disse não entendo nada de contabilidade pública e peço sua ajuda. 

     

    1. Doris,
      Nao sou especialista
      Doris,
      Nao sou especialista em orçamento, nem me referia ao caso concreto das tais notas de mecanico, de combustivel ou sei la de que.
      O que me referia era uma praxe que ja vem de anos do GF, que consiste em contingenciar recursos por meses para liberá-los la na frente. Ocorre que, quando liberados, muitas vezes estes ja nao possuem mais utilidade, pelos motivos que descrevi em meu comentario anterior.
      Isso aconteceu comigo, tove que cancelar DOIS EVENTOS de capacitaçao por falta de recursos, que haviam sido contingenciados pelo governo. Quando os recursos chegaram, em dezembro, nao havia mais como realizar os eventos, e o dinheiro teve que ser devolvido.
      Usso é FATO, aconteceu comigo, mas a militancia cai de pau pq pouco importa a verdade, importa é defender um projeto de poder a qualquer custo.

    2. Doris,
      Nao sou especialista
      Doris,
      Nao sou especialista em orçamento, nem me referia ao caso concreto das tais notas de mecanico, de combustivel ou sei la de que.
      O que me referia era uma praxe que ja vem de anos do GF, que consiste em contingenciar recursos por meses para liberá-los la na frente. Ocorre que, quando liberados, muitas vezes estes ja nao possuem mais utilidade, pelos motivos que descrevi em meu comentario anterior.
      Isso aconteceu comigo, tove que cancelar DOIS EVENTOS de capacitaçao por falta de recursos, que haviam sido contingenciados pelo governo. Quando os recursos chegaram, em dezembro, nao havia mais como realizar os eventos, e o dinheiro teve que ser devolvido.
      Usso é FATO, aconteceu comigo, mas a militancia cai de pau pq pouco importa a verdade, importa é defender um projeto de poder a qualquer custo.

  8. Para mim isso é totalmente

    Para mim isso é totalmente ilegal. Juiz nenhum tem competencia para liberar dinheiro para a pf. SE não é crime contra a lei orçamentária, no minimo deveria ser investigado. Cade os bunda moles do PT que não investigam isso?. Nunca vi nada igual e tão esdruxulo.

  9. ó tempos, ó moros!!!
    moro não

    ó tempos, ó moros!!!

    moro não dirá: 

    um dinheiro público que é desviado para o meu

    segmento cúmplice das minhas arbitrariedades….

     

  10. Tem caroço nesse angú!

    Tem caroço nesse angú! Empresa de consultoria contratada inicialmente para “gerenciar e controlar o combustível, a lavagem, a troca de óleo e outros serviços para os veículos da frota da PGR no Paraná.”, ou seja, administrar os serviços de manutenção da frota de veículos da PGR no Paraná. Quanto a execução desses serviços fica a encargo de terceiros como oficinas, lojas de autopeças, postos de gasolina etc…portanto não faz parte do objeto contratado com a Prime Consultoria Empresarial Ltda que tem como obrigação apenas de “gerenciar e controlar o combustível, a lavagem, a troca de óleo e outros serviços para os veículos da frota da PGR no Paraná. Portanto, a execução prática dos serviços é outro objeto que deveria fazer parte de outros contratos com oficinas, postos de gasolina e lojas de autopeças.

    Trancrevo abaixo parte do texto onde explicita o objeto da contratação com a Prime Consultoria Empresarial Ltda. Diante do exposto verifica-se que a Prime está solta para praticar aquisições de peças, combustíveis e serviços em oficinas para manutenção da frota que não faz parte do seu objeto contratual.

     

    “Certamente que compradas de uma empresa competente, a Prime Consultoria Empresarial Ltda., cuja sede é numa sala no segundo andar de uma casinha,  em Santana do Parnaíba, um simpático município ao lado de São Paulo que a Folha chama de “oásis fiscal” e diz que lá “é  possível registrar uma empresa ali mesmo sem nunca ter pisado no município e pretendendo operar, de fato, a 1.000 km de distância ou até fora do Brasil”.

    Empresa tão competente que, pouco antes de ganhar a licitação para a Polícia Federal também tinha vencido justamente a licitação da outra parte da turma da Lava-Jato, os procuradores, que a contrataram para “gerenciar e controlar o combustível, a lavagem, a troca de óleo e outros serviços para os veículos da frota da PGR no Paraná.

    E mais competente ainda que ganhou outra licitação para abastecer os carros da PF paranaense: mais R$ 129 mil, no mesmo 14/10. Eu só olhei de outubro até o final do ano, porque desisti quando dei uma passadinha em setembro e achei outro empenho para a Prime, “só” de R$ 500 mil.

    Essas aí são para fornecimento de combustível, embora a Prime não tenha um só postinho… E teve mais, antes, bem antes, para peças. É que eu não tenho força-tarefa aqui, mas sei que os leitores são curiosos e vão olhar…”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador