Condenar Lula é a terceira fase do golpe, diz Dilma

Foto: Mídia Ninja

da CUT 

Condenar Lula é a terceira fase do golpe, diz Dilma

por Walber Pinto e Érica Aragão

Afirmação foi feita no encontro Diálogos Internacionais sobre a Democracia, promovido pela Fundação Perseu Abramo e Fundação Maurício Gabrois, realizado nesta segunda em Porto Alegre

Em um evento com sindicalistas e políticos internacionais, que faz parte da agenda em defesa da democracia e do direito de Lula ser candidato, realizado nesta segunda-feira (22), em Porto Alegre, a presidenta Dilma Rousseff denunciou a perseguição contra o petista.

Segundo Dilma, a tentativa de tirar o ex-presidente Lula da disputa presidencial de 2018 é a terceira fase do golpe. Para ela, “não há base jurídica”, no processo do caso do tríplex do Guarujá, para uma eventual condenação.

“Lula é inocente e está sendo considerado culpado. Condenar o Lula é a conclusão da terceira etapa do golpe. Não há uma ação concreta, não é dito qual é a ação que foi feita pelo ex-presidente que o levou a algum ganho ilícito ou ilegal. Não tem. O próprio juiz Sérgio Moro não mostrou isso no processo”, criticou Dilma. 

Para Victor Báez, secretário-Geral da CSA (Confederação Sindical das Américas), o que está em jogo não é apenas a liberdade do ex-presidente, mas um modelo de democracia no Brasil e na América do Sul. “O pecado do Lula não é aquele apartamento, o pecado do Lula é ter contribuído para a formação do BRIC para fortalecer o Mercosul, a Unasul e o Celac. É esse o pecado”, afirmou o dirigente. 

Leia também:  Governo não encontra pedido de cooperação entre Lava Jato e EUA

Representante da Central de Trabalhadores da Argentina (CTA), Adolfo Aguirre acredita que defender o direito do ex-presidente se candidatar não é só uma tarefa dos brasileiros, mas de todos que lutam por democracia. “Acreditamos que o Lula fez muito pela região. Estamos aqui para dizer que uma eleição em Lula é fraude”.

Em sau fala, a ex-presidenta Dilma lembrou da atuação seletiva do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), que vai revisar a sentença de Moro, juiz da 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba, contra o ex-presidente, nesta quarta-feira (24), no caso dos grampos de conversas que ela teve ainda no exercício do cargo. “O Tribunal que vai julgar Lula é o mesmo que disse que podia, apesar da Constituição, autorizar sem acordo com o STF, o grampo da minha conversa com o ex-presidente Lula”.

Dilma disse ainda que o país passa por uma forte articulação do setor judiciário com a mídia e forças conservadoras para perseguir partidos progressistas, sindicalistas e movimentos sociais. “Essa forma de pensamento único, forma de perseguição que ocorre não só com políticos, mas com sindicalistas, faz o país viver um momento triste da história do Brasil”.

Ainda segunda ela, Lula tem direito de disputar as eleições, e não “será possível” tirá-lo do jogo. “Primeiro eles não têm candidato, e segundo porque sabem que Lula tem acima de 40% nas pesquisas”, afirmou. 

Direitos trabalhistas

De acordo com a ex-presidenta, o golpe, que começou com seu processo de impeachment, era apenas o começo da destruição dos direitos trabalhistas e da criminalização dos partidos de esquerda.  Ela criticou ainda a reforma Trabalhista, a privatização dos bancos públicos, a entrega do pré-sal às multinacionais e a reforma da Previdência. 

Leia também:  Ministro usa AGU para processar jornalistas e cientistas que discordam de sua gestão

“Todo esse processo é um desmonte do mercado de trabalho. Querem transformar a Previdência pública uma privada, daí destroem a pública. O ato inaugural do golpe criminalizou nossa política fiscal. Este processo, que deu margem a meu impeachment, foi com aval da utilização do jurídico formal”, conta. 

“Por de trás da palavra privatização está a palavra desnacionalização. É um ataque a soberania. Atacaram os direitos dos trabalhadores e querem destruir o país”, disse o ex-chanceler Celso Amorim em relação à privatização da Embraer.

Sindicalistas e parlamentares internacionais em defesa de Lula

Os ataques à democracia e ao Estado de Direito no Brasil estão atraindo a solidariedade de personalidades, intelectuais e sindicalistas do mundo todo. Cerca de 50 entidades sindicais, representando mais de 30 países, enviaram uma carta de repúdio à justiça brasileira e em defesa da democracia e do direito de o ex-presidente se candidatar. Personalidades e entidades sindicais de várias partes do mundo intensificam a campanha no Exterior e expressando sua solidariedade a Lula, aos Brasil e aos trabalhadores e trabalhadoras brasileiros.

“Essa mobilização está ocorrendo dentro e fora do Brasil em defesa do Lula, da democracia e do Estado Democrático de Direito. O número de manifestações estamos recebendo do movimento sindical é impressionante, já passa de 50 países”, disse Antonio Lisboa, Secretário de Relações Internacionais da CUT.

Diante do forte ataque do setor judiciário aos movimentos populares, Marita Gonzáles, Comando Geral dos Trabalhadores (CGT) da Argentina, afirma que tem um interesse forte das grandes corporações por trás desse processo contra o ex-presidente. “Querem um projeto neoliberal para reduzir direitos coletivos e individuais”, disse a dirigente.

Leia também:  Agência do governo autoriza 58 requerimentos minerários em terras indígenas da Amazônia

Segundo o deputado argentino do Parlasul, Oscar Laborde, a perseguição a Lula é a mesma que ocorre com várias lideranças de esquerda na América Latina. “Foi o mesmo processo que aconteceu com Cristina Kirchner, que aconteceu com Fernando Lugo, no Paraguai, e em Honduras, com Manuel Zelaya”, relembra o parlamentar da Frente Transversal.

O evento Diálogos Internacionais sobre a Democracia, promovido pela Fundação Perseu Abramo e Fundação Maurício Gabrois, foi realizado na sede da Fetrafi-RS, em Porto Alegre. A atividade contou com a participação de lideranças políticas da América Latina e da Europa e de centenas de militantes, que lotaram o auditório do sindicato.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. Essa senhora deveria calar a boca

    Essa senhora foi avisada do golpe desde 2013 e não reagiu. Então senhora cala a sua boca. 

  2. Dilma a que caiu sem dar um

    Dilma a que caiu sem dar um tiro e ajudou a precitar o Brasil no abismo que está. Vida longa a Erdogan, Assad e que seja imortal a memória de  Salvador Allende o que tombou literalmente atirando.

  3.   Boa, Dilma!
      Agora volte

      Boa, Dilma!

      Agora volte três anos e diga isso para si mesma, quando ainda estava na Presidência e não movia UMA PALHA para evitar o que aconteceu depois.

  4. A condenação será mortal para

    A condenação será mortal para a justiça!

    E para o povo brasileiro, ricos ou pobres.

    O poder judiciário guarda uma singularidade…

    Não são eleitos!

    O processo de ascensão de um juiz em tese é a meritocracia e assim e por isso, a reserva moral deveria ser incontestável!

    São anos de avaliação diária em suas ações e atitudes!

    Difere dos políticos que podem ascender vindos de toda sorte de origem – onde vale sua eloquência e capacidade de articulação e não importa se de esquerda ou direita.

    Há políticos para o executivo e para o legislativo.

    Então como poder estável, sem sobressaltos, sem a necessidade da guerrilha diária dos políticos seria, em tese, o mantenedor do equilíbrio dentro da nação!

    Mas o poder politico com suas nomeações, trouxe a miséria para dentro do poder judiciário, que hoje espelha essa miséria, quer seja nas falas absurdas, nos salários cheios de “jeitinhos” e do uso da justiça como forma de opressão!

    O Brasil teve um golpe em 2016 e os juízes em sua maioria se calaram…

    Com o silêncio dos que não se importam!

    Não é somente os Lulistas que olham para o que acontece…

    Eu disse que no dia em que o PT pegou seu primeiro caixa dois, na manhã seguinte todo sistema financeiro já sabia…

    Isso vale para os juízes!

    A bandidagem assiste de camarote e eles vão entrar de sola na politica, em breve serão o maior grupo politico do país!

    Não haverá judiciário para ser respeitado…

     

  5. Caro Nassif
    Não falta mão de

    Caro Nassif

    Não falta mão de obra para assumir o governo golpista, aliás eles saem nos tapas  para isso.

    O mercado de corruptos e traidores está com a fila aumentando. Haja  empresários, militares, jornalistas, banqueiros, juízes, promotores etc etc etc

    Existe um bando de hienas da classe média disneylandia, desesperados e com sangues na boca, sonhando com a prisão, morte do Lula, do PT, dos movimentos sociais, do povo; sem limites, tão ao gosto do que a CIA deseja.

    Em outros paises, os confrontos golpistas já levou a muitas mortes.  

    Saudações

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome