Em crise após Lava Jato, Odebrecht é socorrida por bancos privados

 
Jornal GGN – Após quatro meses de negociações, os bancos Bradesco e Itaú aceitaram emprestar à Odebrecht cerca de R$ 2,6 bilhões para ajudar a empresa a se recuperar da crise financeira na qual mergulhou após a Lava Jato.
 
Segundo informações do Estadão, como garantia ao empréstimo, a Odebrecht teve de dar em troca a maior parte de seu principal ativo em parceria com a Petrobras, a Braskem. A Odebrecht tinha mais de R$ 14 bilhões em participação na petroquímica, e foi obrigada a dar R$ 12 bilhões na operação com os bancos privados.
 
Os termos do acordo ainda precisam ser detalhados, mas ficou definido que Itaú e Bradesco vão dividir meio a meio o repasse dos R$ 2,6 bilhões, em duas parcelas: uma de R$ 1,7 bilhão e outra de R$ 900 milhões.
 
Além disso, a Odebrecht conseguiu alongar cerca de R$ 7 bilhões em dívidas que venceriam nos próximos meses e busca mais um empréstimo de R$ 500 milhões.
 
O jornal ainda destacou que Banco do Brasil, BNDES e Santander, credores da Odebrecht, participaram das negociações para garantir prioridade no recebimento de ações da Braskem no caso de a Odebrecht vir à falência. Houve entrave com Itaú e Bradesco por conta do novo aporte à empreiteira, mas a questão teria sido superada.
 
Leia mais aqui.

2 comentários

  1. Depois destruirem as

    Depois destruirem as industrias nos anos 90, agora desmontam as empreenteiras e cada vez menos emprego. Mas que importa! No mundinho do MPF e do Judiciario os ratos estão todos gordos. 

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome