Metade dos presos por atos antidemocráticos receberam auxílio emergencial

Tatiane Correia
Repórter do GGN desde 2019. Graduada em Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Com passagens pela revista Executivos Financeiros e Agência Dinheiro Vivo.
[email protected]

Perfil traçado pelo Ministério Público Federal mostra que maioria dos detidos são homens entre 36 e 55 anos de idade

Manifestantes invadem Congresso, STF e Palácio do Planalto. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Pelo menos metade entre as mil pessoas detidas por participação nos atos antidemocráticos em Brasília no dia 08 de janeiro recebeu o auxílio emergencial pago pelo governo federal durante a pandemia de covid-19.

O levantamento foi elaborado pelo Ministério Público Federal, a partir de dados obtidos pelo grupo técnico vinculado à Secretaria de Perícia, Pesquisa e Análise (Sppea) do MPF, que está elaborando um perfil dos investigados.

Segundo o relatório, 60% dos detidos são homens, a maioria tem entre 36 e 55 anos de idade, menos de um quinto tem filiação partidária e alguns detidos chegaram a disputar eleições passadas ou trabalharam em campanhas políticas fornecendo serviços.

Até o momento, 835 pessoas foram denunciadas por participação nos ataques, sendo 645 incitadores (que participaram dos atos ou foram presas em frente ao Quartel General do Exército, em Brasília, mas sem depredar os prédios dos Três Poderes); 189 executores (responsáveis pela invasão, vandalismo e depredação); e um agente público por omissão.

As informações são da Agência Brasil

Saiba Mais

Tatiane Correia

Repórter do GGN desde 2019. Graduada em Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Com passagens pela revista Executivos Financeiros e Agência Dinheiro Vivo.

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador