Parecer da Receita não mostra irregularidade em apartamento ocupado por Lula

Documento da Receita Federal mostra que as “movimentações suspeitas” na conta de Glaucos da Costamarques vieram, em parte, de empréstimos milionários de seus filhos. Já sobre as compras do apartamento em São Bernardo do Campo e do imóvel para o IL, o relatório é inconclusivo
 
Foto: Ricardo Stuckert
 
Jornal GGN – Um documento da Receita Federal que está em posse dos procuradores de Curitiba desde o final de 2016 possivelmente explica a motivação de Glaucos da Costamarques para mudar seu depoimento sobre a compra de um imóvel ofertado ao Instituto Lula e de um apartamento vizinho ao do ex-presidente, em São Bernardo do Campo (SP). 
 
Mais do que isso: o parecer da Receita – só vazado à imprensa agora – é, afinal, inconclusivo sobre as duas operações, ou seja, não detectou irregularidades na compra dos imóveis, jogando a missão no colo da Lava Jato. 
 
À Polícia Federal, Glaucos havia negado irregularidade nas duas operações. No mês passado, porém, decidiu mudar o discurso e afirmar, diante de Sergio Moro, que não recebeu o aluguel do imóvel ocupado pela família de Lula entre 2011 e 2015. O depoimento – um trunfo da Lava Jato na reta final do processo – ocorreu às vésperas do encontro entre Lula e Moro, e acabou sendo contrariado, há alguns dias, quando a defesa do petista apresentou os recibos dos pagamentos.
 
Desde então, a Lava Jato tem abastecido a imprensa com documentos e informações que tentam desqualificar os recibos revelados pelos advogados de Lula.
 
É nesse contexto que o Estadão usou o relatório da Receita para manchetar, nesta quinta (4), que há “movimentação suspeita em contas de laranja de Lula”. O título leva o leitor a crer que a Receita tem provas de que Glaucos pode ter sido usado por Lula para lavar recursos recebidos indevidamente da Odebrecht.
 
Mas quem se prestou a ler as 32 páginas do relatório descobriu que parte das movimentações financeiras estranhas de Glaucos está relacionada a empréstimos milionários que ele recebeu de seus filhos, ano a ano.
 
Em 2010, foram R$ 480 mil de Gustavo da Costamarques e mais R$ 1,189 milhão de Fernando. Em 2011, o pai recebeu mais um total de R$ 3,1 milhões dos dois filhos. Em 2012, mais R$ 3,6 milhões. 
 
Para a Receita, alguns anos foram especialmente atípicos porque, aparentemente, recursos entraram e saíram das contas de Glaucos sem clareza. Mas em nenhum momento o relatório diz quem são os agentes implicados nessas movimentações.
 
“(…) há razoável suspeita de que em alguns anos (especialmente 2010, 2011 e 2013), além da possibilidade de sonegação de receitas, as contas bancárias de Glaucos da Costamarques podem ter sido utilizadas apenas como interposição para passagem de expressivos valores de terceiros.”
 
A Glaucos, a Receita solicitou informações a respeito de alguns créditos de origem obscura. Dois deles somam R$ 435 mil e foram identificados como provenientes de um de seus filhos. O terceiro, de R$ 420, ainda precisava ser apurado.
 
Já em relação à aquisição do imóvel em São Paulo e do apartamento 121, no mesmo prédio onde Lula reside há mais de 2 décadas, o relatório da Receita é inconclusivo: diz que a Lava Jato precisava “aprofundar” as investigações, sem apontar irregularidades.
 
SOBRE O IMÓVEL PARA O INSTITUTO LULA
 
A Receita Federal – que usa a denúncia da Lava Jato para nortear o relatório – apontou que, de fato, Glaucos recebeu R$ 800 mil pela compra e revenda para a DAG de um imóvel em São Paulo que foi recusado pelo Instituto Lula. E deixou a cargo dos investigadores o aprofundamento da apuração. 
 
“(…) tal ganho de R$ 800 mil, sobre uma suposta ‘cessão de direitos’ que teriam sido adquiridos junto
à ‘ASA’ (antiga proprietária) sem custo algum, tudo no mesmo ano de 2010, tem de ser melhor esclarecida pela investigação”, diz o documento.
 
A força-tarefa acredita que a Odebrecht repassou o recurso usado pela DAG na operação.
 
APARTAMENTO 121, EM SBC
 
A análise da Receita sobre o comprador, o vendedor e a corretora imobiliária que intermediou a venda do apartamento 121, em São Bernardo, mostra que tudo ocorreu sem nenhum tipo de ressalva.
 
Também confirma que Glaucos declarou à Receita a renda com o aluguel, de 2011 a 2015. Hoje, ele diz que essa declaração foi uma fraude. 
 
A versão corrobora o depoimento prestado a Moro, no sentido de afirmar que Lula não pagava o aluguel porque era, conforme acredita a Lava Jato, o proprietário oculto do imóvel.
 
Glaucos disse que fez a compra do apartamento por R$ 504 mil, a pedido de José Carlos Bumlai, que não tinha recursos para fazê-lo. A análise da Receita mostrou que Glaucos ajudou o primo distante com um empréstimo de R$ 450 mil, em 2011.
 
Após os recibos do aluguel assinados por Glaucos vir à tona, o réu e delator informal passou a alegar que assinou todos os comprovantes referentes ao ano de 2015 numa tacada só. Ele não rebateu a procedência dos papéis relativos aos anos de 2011, 2012, 2013 e 2014.
 
Desde então, ele só conversou com a reportagem do Estadão. Na ocasião, se recusou a explicar a origem dos recibos por orientação de seu advogado. Apenas reafirmou que o que ele havia dito a Moro, contra Lula, era a “verdade”.

8 comentários

  1. Ou seja, fica claro que como

    Ou seja, fica claro que como o tal “Grego” tem um IR estranho, ele provavelmente foi pressionado a mudar seu discurso para incriminar Lula e lhe deve ter sido prometido aliviar a sua pena.

  2. Nunca antes da história…

    Apenas reafirmou que o que ele havia dito a Moro, contra Lula, era a “verdade”.

     

    Nunca antes na história deste ex-país o uso das aspas foi tão cabido e eloquente…

  3. Os fascistas não têm medo

    Os fascistas cometem todos as barbaridades e crimes porque sabem que nada lhes acontecerá. Não têm medo, pois não há consequências para os crimes que cometem.

    Enquanto isso:  morre a Dona Mariza; “suicida-se” o Reitor Cancellier;  tenta suicidar-se na PF Branislav Kontic; tem a vida destruída o ex-diretor da OAS Mateus Coutinho, comprovadamente inocente; apesar de absolvido, Vaccari continua preso porque outro processo está em trânsito…

  4. A Fraude a Jato é ORCRIM institucional

    Prezados leitores,

    Quem lê os blogs e portais independentes e progressistas sabe, há bastante tempo, que a Fraude a Jato é uma ORCRIM institucional, composta por policiais federais, procuradores do MP e  juízes; afirmo isso desde 2014, quando tal ORCRIM foi oficializada.

    As digitais dos departamentos e agências de espionagem e investigação dos EUA (CIA, FBI, NSA, NRO, DoJ, etc.) estão impressas em todos os atos da ORCRIM lavajateira. Basta ver os prêmios que os think thanks estadunidenses concedem aos lavajateiros e as constantes viagens, para prestação de contas e recebimento de instruções, que essa turma faz com freqüência ao país onde estão seus chefes.

    O Ex-Presidente Lula e a família dele, José Dirceu, João Vaccari, Henrique Pizzolato, Luiz Guschiken, José Genoíno, João Paulo Cunha, Fernando Pimentel, Guido Mantega e mesmo Antônio Palocci (cuja fraqueza de caráter, que já era conhecida, ficou agora escanacarada), Marco Aurélio Garcia e o reitor da UFSC, assassinado pelos lavajateiros, são vítimas dessa insana e nazifascistóide perseguição e caçada midiático-policial-judicial que tomou conta do Brasil, destruindo o Estado Social e Democrático, agora reduzido a uma ditadura da toga, do PIG/PPV que julga, condena e assassina antes de formalizado um processo e antes que os perseguidos possam se defender.

    A Fraude Jato JAMAIS teve ou tem o propósito de combater a corrupção, mas sim o de aniquilar a Esquerda, incriminar, matar ou inabilitar os líderes populares para a carreira política, fazendo o Brasil retroceder ao século XIX, com a reimplantação da semi-escravidão, com o entreguismo de nossas riquezas e setores estratégicos, com abdicação da soberania do País, de modo que sejamos sempre uma colônia dos EUA, produtores de commodities agrícolas, minerais e pecuárias, comandados localmente pelos feitores e donos da casa grande. As massas trablhadoras que ao longo do século XX conquistaram direitos por meio de lutas e muito sangue, estão sendo reduzidas a escravos e semi-escravos, mão-de-obra barata sempre à disposição dos donos do capital.

    Quando perseguem e fazem linchamento contra o Ex-Presidente Lula, contra a família dele contra os líderes políticos da Esquerda, estão cometendo violências e crimes contra a população pobre e secularmente explorada ou excluída. A casa grande ataca impiedosamente a senzala, smbolizada pelo Ex-Presidente Lula e pela Esquerda Política Democrática.

  5. O que diz o relatório da RFB?

    Embora escrito de forma a dificultar o entendimento por parte dos leigos, fica evidente que o relatório da RFB – como de resto TUDO o que se tentou usar como PROVA contra o Ex-Presidente Lula – está em sintonia perfeita com os métodos lavajateiros e do PIG/PPV, os quais usam indícios como provas, quando se mostram incapazes de obtê-las. Mais do que tentar transformar indícios em provas, o relatório faz menções a documentos que teriam sido apreendidos no apartamento do Ex-Presidente da República, quando ele foi vítima de seqüestro judicial, em 4 de março do ano passado, assim como outra apreensão, esta feita no sítio de Fernando Bittar, em Atibaia, usado pelo Ex-Presidente Lula para passar fins de semana.

    Tendo em vista que não cabe/coube à Receita Federal proceder buscas e apreensões na residência do Ex-Presidente Lula ou no sítio que ele freqüentava e que tais buscas não decorreram de pedidos feitos por ela à autoridade judiciária, mas sim de investigações feitas pela Polícia Federal e pelo MPF, que pediram ao juiz autorizaçã para tais procedimentos, fica muito clara a trama engendrada pela ORCRIM lavajateira, que busca nas irregularidades fiscais verificadas nas declarações das pessoas que transacionaram os imóveis em SBC (objeto das diligências fiscais) para vincular tais operações a um suposto favorecimento ao Ex-Presidente Lula. Salta aos olhos que a ORCRIM lavajateira plantou documentos na residência do Ex-Presidente Lula e no sítio em que ele costumava freqüentar e buscou, por meio das diligências fiscais da RFB, esquentar as provas plantadas para incriminar o Ex-Presidente da República.

    Como a RFB não quis ‘colocar o ** dela’ diretamente na reta, tratou de elaborar um relatório inconclusivo, mas que permite ao torquemada das araucárias condenar (em cognição sumária, com base na convicção, na literatura jurídica ou no conceito subjetivo da alta responsabilidade que o cargo de Presidente da República confere a quem o exerce), tabém, neste processo, o Ex-Presidente Lula.

    Dado o histórico de abusos e ilegalidades criminosas cometidas pela ORCRIM lavajateira, a conclusão que chego é que vão usar esse relatório inconclusivo da RFB para “esquentar” provas plantadas ou transformar indícios não provados em prova judicial capaz de fundamemntar uma segunda condençaõ do Ex-Presidente Lula. Os métodos inquisitorias da ORCRIM lavajateira são pretensamente sofisticados, mas não resistem a uma análise minimamente racional.

  6. Nada, absolutamente nada que

    Nada, absolutamente nada que é apresentado pela defesa é condiderado pra esses fascistas de curitiba. Aí eu pergunto de novo: pra que defesa ? Só serve pra legitimar o arbítrio porque na mente do povão, que acredita no pig, tudo está dentro das regras, assim como esteve no golpe contra  Dilma. O Lula tem é que denunciar fora do país isso tudo. Não na Onu, poque esta parece que está aguardando tudo se consumar pra depois dar um parecer. Tem que haver algum orgão jurídico fora do país capaz de se manifestar a tempo pra que essa palhaçada não se consuma. todo dia eu vejo o Zanim apresentando recurso naquele tal de trf4 e os caras na cara dura negando tudo, tudo. Não adianta, tá tudo combinado com o gebra, o flores, oa desmbaargadores. Eles estão que nem a globo, todos em ordem unida contra o Lula. Tem que haver neste planeta alguém que pare esta micróbios do direito torto desta país de m…

  7. Recebeu informações

          Se Glauco da Costamarques mudou seu depoimento dizendo por último que não recebeu os aluguéis, provavelmente foi informado pelo MPF de que na defesa de Lula não constavam os recibos ao contrário do que ele supinha antes, portanto não haveria perigo em mudar o depoimento! Mas eles não contavam que Lula tivesse os recibos, agora têm que fazer malabarismos para descreditar um documento juntado ao processo.

  8. Na minha humilde opinião, —
    Na minha humilde opinião, — eu assisti o vídeo do depoimento do sr Glaucos — ele não me pareceu mentiroso, e falhas de memória até eu tenho com 47 anos, e o mistério reside no sr Bumlai que é quem parece escorregadio. Tenho a impressão que o sr Bumlai é a chave do quebra-cabeça. Eu imagino que ele queria resolver os problemas particulares do Lula, não com a permissão do Lula, mas porque imaginaria que sendo solidário naquele momento talvez lucrasse com alguma coisa em outros momentos.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome