Queremos ouvir e ler o que Moro e Deltan diziam às escondidas, por Janio de Freitas

"Os dois e seus companheiros de missão político-judicial já fizeram bastante destruição, não precisam fazer mais uma"

Sérgio Moro. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Jornal GGN – “Moro fez escutas ilegais. Divulgou escutas ilegais. Gravou conversas de advogados e outras pessoas isentas de suspeita. Deltan Dallagnol foi um associado de Moro com exibições de fanatismo e messianismo até na TV. Os vazamentos ilegais integraram a atividade de ambos como prática banal. Nós outros ouvimos e vimos tudo isso. Agora queremos ouvir e ler o que diziam às escondidas. Nada de destruir o material captado”, pondera Janio de Freitas, na coluna deste domingo (28), na Folha de S.Paulo.

“Os dois e seus companheiros de missão político-judicial já fizeram bastante destruição, não precisam fazer mais uma”, completa o articulista. Janio se refere à pressa do ministro da Justiça Sérgio Moro em se dispor a destruir as mensagens captadas nos celulares invadidos de autoridades.

“Além desse risco, há várias alternativas ao método Moro para impedir as consequências apropriadas às ilicitudes e faltas morais que comprometem o então juiz, o procurador Deltan Dallagnol e muitos outros. Ainda haverá estoque de decência para impedir a virada de mesa? Eis a questão”, avalia Janio.

Logo após a deflagração da Operação Spoofing, que prendeu 4 supostos hackers na terça-feira (23), Moro entrou em contato com Bolsonaro, presidentes do Senado e da Câmara, alguns ministros, juízes e parlamentares, que teriam também sido invadidos para dizer que “as mensagens serão destruídas”.

“Foi mais do que gentileza”, a atitude de Moro, pontua Janio. “A cada um deles disse que ‘o material será destruído’, um adendo que colhia, pela tranquilização, o imediato apoio à medida”, completa o analista político. O presidente do Superior Tribunal de Justiça, João Otávio de Noronha, que confirmou à imprensa o telefonema de Moro, aderiu à proposta dizendo que “é isso [destruição das mensagens] que tem de ocorrer”.

Leia também:  Dallagnol mostra apoio ao novo PGR, Augusto Aras, em mensagem a procuradores

Janio lembra que cabe ao Judiciário determinar o que deve ou não acontecer com as mensagens, lembrando que, em relação ao material de pessoas com foro privilegiado, “é exclusiva do Supremo Tribunal Federal a decisão de destruir, como rebateu o ministro Marco Aurélio Mello”.

Janio considera a aquisição do material hackeado das autoridades, e a prisão dos supostos hackers, como “a primeira virada de mesa elaborada por Sergio Moro”. Mas para que o quadro se torne totalmente ao seu favor, é preciso “seduzir interesses que imponham a destruição das mensagens captadas nos celulares invadidos”.

Uma preocupação que precisa ser levada em conta é a aliança com os militares do Exército, que “não hesitariam em apelar para uma velha e oca ferramenta verbal, autora histórica de inúmeras barbaridades: a ‘segurança nacional’”.

“Expor viciosas condutas adotadas em nome da moralidade e de nova vida pública, ah, que ousadia desses esquerdistas e corruptos contra a ‘segurança nacional’”, imagina Janio quais serão os argumentos utilizados para determinar a medida autoritária.

“Bolsonaro já encaminhou essa via. Definiu a alegada invasão do seu celular como ‘atentado grave contra o Brasil e suas instituições’. Não foi o que disse quando os telefones da presidente Dilma Rousseff foram hackeados por agentes americanos”, prossegue Janio.

O articulista alerta para outra forma de hipocrisia das autoridades do governo que é não reconhecer com indignação que as mensagens reveladas pelo The Intercept Brasil, em parceria com outros jornais, mostram um “atentado grave contra o Brasil e suas instituições” praticados no âmbito da Operação Lava Jato.

Leia também:  Moro ameaça deixar o governo se Bolsonaro não indicar na PF nome de sua confiança

Janio teme ainda a força dentro da Polícia Federal para impedir que a mesa seja revertida em favor de Moro.

“A Polícia Federal está entregue a Sergio Moro. Logo, a alguém que teve o celular sugado e que está exposto, nas mensagens captadas, pelo que um juiz honrado não pode dizer nem fazer. Sergio Moro, portanto, figura em duas condições no inquérito que transcorre sob sua responsabilidade ministerial. Considerado o nível de lisura em sua participação na Lava Jato, são também duas as razões para que não permanecesse onde está: a formalmente óbvia e a dos antecedentes de interferência nas investigações da Procuradoria da República e da Polícia Federal”.

Para ler a coluna de Janio de Freitas na íntegra, clique aqui.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

7 comentários

  1. VAI SER DIFÍCIL TIRAR ESSA QUADRILHA DO GOLPE do governo do Brasil. Com apoio da imprensa e de “entidades” estrangeiras, o poder deles é real.

    7
    2
  2. Deram golpe em Julio Prestes. Deram golpe na Constituição. Deram golpe em Jânio Quadros. Deram golpe em Eleições Diretas. Deram golpe em Fernando Collor. Quando deram golpe em Dilma, não acharam aquilo normal? A ‘Gestapo da Patrulha Ideológica’ construiu esta Elite Esquerdopata, a partir de São Paulo, usando o Poder Judiciário e o Combate à Corrupção para fazer sua história política contra Paulo Maluf. O uso do Poder Judiciário neste momento não parece familiar? Não?!! E o MP, MP do Engavetador Geral da República, MP de Fernando Capez do Merendão Tucano que finge que prenderá o Tucanato, enquanto o Tucanato finge que teme ser preso? Diz aí Vampeta : “O Flamengo finge que me paga e eu finjo que jogo bola”. Parece familiar? E tem Aqueles que juram que acreditavam num resultado diferente !! Que viram dando manga no pé de abacate. E que dará novamente. É só esperar. Afinal Brasileiro, Profissão Esperança. ‘Morreu porque reagiu’. Não reaja não !! E espere por mais nove décadas, que este Estado Ditatorial Caudilhista Esquerdopata Fascista produza mangas. Quero dize Democracia. Somente agora é que perceberam o Judiciário sendo usado para terrorismo e perseguição política? Sério !! Pobre país rico. Mas de muito fácil explicação.

    1
    14
  3. Lamentável !! Cada dia mais evidente a inversão de valores !!! Corrupção pode?? Roubar pode?? Mentir pode ?? Mas lutar contra essa quadrilha de criminosos e por na cadeia daí agentes da lei são os canalhas!! Só quem quer continuar a viver às custas do dinheiro do povo fica ao lado dos bandidos!! Esse jornal GGN devia sentir vergonha de fazer parte desse grupo de mal intencionados e parciais !! Para qualquer um que me pergunte sobre vocês terá a seguinte resposta: não perca tempo com esse pretenso jornal!!

    1
    12
    • Dallanol, $ Moro é comandita prenderam os petistas a fim de poderem se locupletar sem que ninguém os incomodasse. Prenderam outros a fim de eliminarem a concorrencia

  4. “Com o Supremo e tudo” era verdade. Já estava acertado e disseminado entre os poderes e todos aqueles interessados em retirar o poder dos progressistas. Sem importar quem, de quem, com quem, bandidos, corruptos, outros países, o objetivo tinha que ser a partir de então.
    É fato que o demente não afastará Moro, que continuará fazendo o que for necessário para sedimentar o objetivo “com o Supremo e tudo”.
    Não se iludam. O governo do maluco irá até o fim com Moro, Fux, Toffoli, Barroso, Carminha, Fachin e o próximo PGR arregimentado na medida para engavetar tudo que possa prejudicar os planos.

  5. “Sergio Moro, portanto, figura em duas condições no inquérito que transcorre sob sua responsabilidade ministerial. Considerado o nível de lisura em sua participação na Lava Jato, são também duas as razões para que não permanecesse onde está: a formalmente óbvia e a dos antecedentes de interferência nas investigações da Procuradoria da República e da Polícia Federal”.

  6. Moro canalha, falso protetor da democracia, Bozo, bandido, protetor do Laranjal, conseguiram enganar os idiotas. Grupo de crime organizado, está em Brasília, palácio do Planalto, Congresso nacional .

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome