Ronnie Lessa reabriu bingo clandestino com ajuda da polícia

Investigação da PF mostra que acusado de matar Marielle Franco e Anderson Gomes teve suporte de agentes da Polícia Civil para reabrir bingo na Barra da Tijuca

Ronnie Lessa, policial aposentado acusado de matar a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes. Foto: Reprodução

Jornal GGN – O ex-policial Ronnie Lessa, acusado de matar a vereadora Marielle Franco (PSOL) e o motorista Anderson Gomes, contou com a ajuda de agentes da Polícia Civil para reaver 79 máquinas de caça-níqueis apreendidas e reabrir seu bingo clandestino no bairro da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.

As informações integram relatório da PF (Polícia Federal) e do MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) que, segundo informações do portal UOL, integra o inquérito do caso Marielle desde março de 2019, quando Lessa foi preso e teve o celular apreendido.

Lessa recorreu a dois delegados e a um chefe de investigação da Polícia Civil. O documento traz mensagens trocadas entre agosto e outubro de 2018 entre Lessa, seus comparsas e os policiais que deveriam investiga-lo.

Os textos indicam que o sócio de Lessa era o bicheiro Rogério de Andrade, para quem o policial aposentado trabalhava quando perdeu uma perna em um atentado a bomba em 2009, segundo a própria Polícia Civil.

 

 

Leia Também
Projeto apresentado pelo Judiciário tira mais de R$ 500 mi do teto
Eduardo Bolsonaro diz que “ruptura” democrática já não cabe mais
Bolsonaro sabia que 180 mil poderiam morrer de Covid, diz Mandetta

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Sentença ridícula contra Lula revela desleixo do juízo, por Marcelo Auler

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome