Bolsonaro sabia que 180 mil poderiam morrer de Covid, diz Mandetta

"Tinha uma sensação de que ele [Bolsonaro] tentava jogar politicamente a saúde nas costas de governadores e prefeitos, como se aquele tema não pertencesse mais ao governo federal"

Jornal GGN – Jair Bolsonaro sabia que a pandemia do novo coronavírus poderia causar 180 mil mortes no Brasil, mas ignorou os dados e desde o começo demonstrou intenção de transferir a responsabilidade para governadores e prefeitos. O presidente da República só tinha uma preocupação: evitar que a crise econômica gerasse convulsão social e desestabilizasse seu governo.

A revelação de que o presidente tem total consciência do que a pandemia provocaria no País foi feita pelo ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, em livro que ele lança nesta sexta (25).

Em entrevista à Folha, Mandetta disse que Bolsonaro tomou todas as decisões que tomou para dificultar que a pandemia fosse enfrentada com responsabilidade de forma “pensada”. “Ele não pode dizer: ‘Eu não sabia que seria assim’. Sempre deixei muito claro para ele a gravidade dessa doença.”

Mandetta disse que apresentou todos os números que dispunha à época a Bolsonaro, incluindo a projeção de 180 mil mortes se nada fosse feito. Mas o presidente “tinha uma assessoria paralela que falava o que se queria escutar”, e “ele embarcou”.

Quando Mandetta questionou o que o governo federal faria então, já que não iria adotar a contento as recomendações de médicos e cientistas, Bolsonaro respondeu: “Fala que tem a cloroquina.”

A inação de Bolsonaro e a insistência em propagandear um remédio sem eficácia comprovada contra a Covid derrubaram dois ministros da Saúde. Para Mandetta, só mesmo um “militar” como Eduardo Pazuello poderia bater continência e realizar os desejos de Bolsonaro sem pensar na saúde da população.

“Tinha uma sensação de que ele [Bolsonaro] tentava jogar politicamente a saúde nas costas de governadores e prefeitos, como se aquele tema não pertencesse mais ao governo federal”, comentou.

Leia também:  GGN Covid SP: Em uma semana, ocupação de leitos na capital passa de 50% para 58%

Uma fala de Mandetta ainda sugere que, para Bolsonaro, a decisão do Supremo Tribunal Federal reconhecendo a autonomia de estados e municípios no enfrentamento à Covid foi a melhor coisa que aconteceu para o presidente. Pois assim, ele pode usar a decisão judicial para transferir toda a culpa pelas mortes para os governadores e prefeitos.

Ainda segundo Mandetta, Bolsonaro “tem uma característica, não só em relação à saúde, mas de forma geral: ele decide com as informações que ele valida”. Na pandemia, ele afastou médicos e cientistas responsáveis porque preferia ouvir as teorias de Osmar Terra. “Ele vai afastando quem está fora do seu viés político. Não é uma característica dele se envolver com a parte técnica.”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. “Tinha uma sensação”? Isso estava evidente à distância, pra qualquer pessoa minimamente lúcida, desde o início da crise.

  2. BOLSONARO GENOCIDA ?
    Analistas políticos divergiram. Uns aceitaram o adjetivo “genocida” e outros rejeitaram. Agora, com essa informação dada pelo Mandeta, ressurge com força a pergunta. É ou não é ? Se não, o que é ?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome