STF esvazia poder de Moro e limita Lava Jato à Petrobras

Durante a análise, Gilmar Mendes defendeu os mesmos métodos de julgamento do mensalão para a Lava Jato, mas foi vencido pela maioria e atacou o voto dos demais como posturas políticas
 
 
Jornal GGN – O Supremo Tribunal Federal (STF) tomou duas decisões que deverão modificar os rumos da Operação Lava Jato, em análise que durou toda a tarde desta quarta-feira (23). Os ministros decidiram que o processo referente à senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) seria distribuído a outro ministro, por não ter relação com o esquema de corrupção da Petrobras, e portanto, desvinculando o processo da Lava Jato. A segunda decisão foi de tirar das mãos de Sergio Moro, da Justiça Federal do Paraná, os investigados do mesmo processo que não são parlamentares e, por isso, não detêm foro privilegiado, e remetidos à Justiça Federal de São Paulo, local onde teriam ocorrido os crimes.
 
Apesar de deixarem claro em seus votos que as decisões poderiam ser diferentes a cada caso, dependendo das provas e do curso das investigações, esses são os primeiros passos de como a Lava Jato deve tramitar na Suprema Corte. Ao contrário do conhecido caso da AP 470, chamado de mensalão, aqueles que não detêm foro privilegiado não devem ser julgados pela Suprema Corte. Também em modificação que deve impactar todo o curso da Operação, o STF esvaziou de Sergio Moro o controle sobre os processos que não tem relação direta com a Petrobras.
 
Apenas os ministros Celso de Mello e Gilmar Mendes defenderam a manutenção da investigação de Gleisi Hoffmann sobre o mesmo relator, dentro do grande leque de processos da Lava Jato, que é Teori Zavascki e, como consequência, a centralização também na instância inferior para Moro.
 
A senadora é acusada de ter se beneficiado de pagamento de R$ 7,5 milhões para Guilherme Gonçalves, advogado do PT no Paraná, pela empresa Consist Software – que teria pago a propina em troca de contrato, no Ministério do Planejamento, de gerenciamento de crédito consignado em folha de servidores públicos.
 
A maioria dos ministros entendeu que o processo não tem relação com a Petrobras, por isso, não deveria ficar sob responsabilidade do relator da Lava Jato. 
 
Em seu voto, Teori Zavascki lembrou que outros processos necessitariam do resultado que fosse gerado na tarde de hoje, como o caso referente à empresa Labogen também inicialmente posto dentro da Operação Lava Jato. O ministro recordou que o próprio procurador-geral da República, em junho de 2014, afirmou que não havia conexão entre esse caso com os demais, apenas porque todos envolviam o doleiro Alberto Youssef.
 
Na manifestação de agora, contudo, o representante do Ministério Público Federal (MPF) tomou outro posicionamento, defendendo que todos os processos prossigam dentro da Lava Jato.
 
“Além de pedir o fatiamento, de fatos que poderiam até serem conexos, a Procuradoria por opção estratégica, ou por uma opção processual que lhe era permitido fazer, fez essas solicitações de aberturas de inquéritos aqui e em primeiro grau. Quando se faz o fatiamento se faz exatamente o contrário da conexão”, argumentou Teori.
 
E acrescentou: “Se for falar em continência ou conexão por fatos que o Ministério Público pediu por investigação isolada, a competência não seria do juízo de primeiro grau, a competência é o Supremo, porque envolve parlamentares. Esse critério é importante. Não se trata de conexão, nem de continência, senão caberiam os processos ao Supremo”, disse Zavascki, por envolver políticos.
 
Rosa Weber e Carmen Lúcia acompanharam o voto de Teori Zavavascki e de Dias Toffoli, que também defendeu a separação do processo. 
 
Mas em resposta ao entendimento de Teori, Gilmar Mendes não mediu palavras.
 
“Não vamos iludir ninguém”
 

Gilmar afirmou que “o que se quer [com a distribuição do processo, afora a Lava Jato] é beneficiar investigados”. “Não é uma questão neutra ou meramente técnica. O que se quer é a não sequência do processo. Falando em bom português, não vamos iludir ninguém”, atacou o ministro.
 
Ao proferir seu voto, Gilmar Mendes usou argumentos genéricos para defender que os fatos “estão ligados por continência e conexão” e que, por isso, devem permanecer no julgamento de único ministro. “Temos vários crimes praticados pelo o que aparenta ser uma mesma organização criminosa, com os mesmos métodos”, disse.
 
Comparou com o mensalão, quando não foi “vislumbrado maiores benefícios na separação” dos processos, tendo como uma das consequências polêmicas o julgamento de não políticos pela Suprema Corte.
 
“E agora esse fatiamento, tão desejado. Não se trata de algo técnico [a decisão], mas achar que [o julgamento] não vai ocorrer , beneficia aqueles que terão esse beneplácito, essa prerrogativa”, criticou Gilmar. “Isso foi muito almejado [pelos investigados]! Não podemos apresentar como uma decisão técnica, aritmética”, insistiu o ministro. 
 
Dentro do pronunciamento de seu voto, Gilmar mais uma vez demonstrou postura ideológica, ao mencionar como políticos envolvidos na Lava Jato apenas os integrantes do PT. “[Em todos os processos de investigação que são denominados como Lava Jato] são implicados os mesmos políticos, Vaccari, Dirceu”, afirmou.
 
“O Ministério do Planejamento, a Petrobras, a Eletrobras, ou qualquer outra ‘bras’, há uma comunhão de lavagem de recursos, com laços políticos. A conexão probatória está presente, tal como enfatizamos no julgamento do mensalão”, completou Gilmar.
 
O ministro ainda afirmou que o desmembramento “ajuda no grau de confusão que se quer” pelos investigados, e que tal medida “não permitiria o contexto” do todo e buscaria “enfraquecer as provas”, o que “relevaria ao fracasso”. Exageradamente, usou como exemplo que as ações seriam distribuídas para “Uberaba ou Cabrobró”, em diversas regiões no país.
 
Ao fim de seu voto, Gilmar Mendes acusou as decisões de desmembramento e redistribuição dos processos como políticas. “Essa decisão não é politicamente neutra, essa decisão é grave”, disse. 
 
O ministro Marco Aurélio acompanhou as decisões de Teori, Lewandowski e Dias Toffoli e respondeu à Gilmar Mendes, considerando as últimas manifestações políticas dentro de seus votos proferidos: “em época de crise, é preciso reafirmar, é preciso guardar princípios, parâmetros e valores antes esses elementos: processos não tem capa, processos tem conteúdo”, afirmou, acrescentando, ainda, que o voto de cada um dos ministros é apenas mais um perante um tribunal.
 
Acompanhe:

 

81 comentários

  1. Quem pode pedir o impedimento

    Quem pode pedir o impedimento de um ministro do Supremo? Se dependesse de mim amanhã mesmo esse indigno Gilmar Mendes responderia a um processo para retirá-lo de onde NUNCA deveria ter ido. 

    Causa-me ânsia de vômitos ler, assistir e ouvir as manifestações políticas desse cidadão. 

  2.  A questão é : se um dos

     A questão é : se um dos acusados petistas tiver o azar de cair nas garras do Gilmar, como fica?

     Gilmar Mendes está se lixando para as aparências faz tempo.

    É inacreditável o comportamento desse Juiz.

    Será objeto de estudo em todas as faculdades de direito do pais, se bobear, do mundo inteiro, tamanha a falta de compostura.

    • nem

      Tomata que Gilmar prenda petistas, tantos já presos, um a mais um a menos.

      Pior seria se

      Ele for relator dos casos de Furnas. 

      Livrar o Aecin da cadeia é muito pior do que prender mais petista.

  3. Duas constatações: 
    1) Moro,

    Duas constatações: 

    1) Moro, que um dia achou que seria o salvador do Brasil no seu delírio messiânico, volta a ser apenas um juizinho provinciano;

    2) Gilmar Mendes rasgou a fantasia e passou a fazer política partidária explícita, em minha opinião ele trabalha para jogar a sociedade contra o STF apostando numa estratégia suicida de descrença institucional abrindo a porta para o golpe (quem sabe até militar). 

  4. “beneficiar investigados” ou

    “beneficiar investigados” ou seja, se o STF decidisse enviar o processo para São Paulo, estes estariam ajudando os acusados. Seriam cumplices, esta foi a acusação deste demotucano travestido de toga. Penso que os demais Ministros devem dar um basta nesta acusações. Pois, cada ação de interesse de Gilmar Dantas Mendes, ele acusa seus pares de locupletar com o crime.

  5. Rivotril

    Acompanhei o julgamento hoje à tarde e, mais uma vez, fiquei pasma com a ira do ministro Gilmar Mendes ao proferir o voto. Além de insinuar interesses ocultos nos votos dos demais ministros do STF, ele vociferava e lançava perdigotos a metros de distância. No início da sessão ele levou um cruzado do Ministro Luis Roberto Barroso que mostrou “como deve falar um juiz do STF” e no final, levou um jab do Marco Aurélio Melo. Gilmar foi às cordas, ao menos, na sessão de hoje.

     

    • Barroso, recolocou GM em seu

      Barroso, recolocou GM em seu lugar pq na sessão do financ,. sugeriu que o PT O Barroso e a OAB estavam juntos… Min. Barroso esclareceu tudo na maior tranquilidade e  João P. ficou lá de bico.

  6. O caso Petrobrás, cuja sede fica no RJ,  não poderia estar sob a alçada de Moro,  os fatos não se deram no Paraná, a não ser caso como o uso do jatinho de Youssef por Álvaro Dias.

  7. “O Ministério do

    “O Ministério do Planejamento, a Petrobras, a Eletrobras, ou qualquer outra ‘bras’,”

     

    Note-se o desprezo por aquilo que é nacional. “O diabo se esconde nos detalhes”.
    Na certa ele gostaria que fosse Petrobrax, Eletrobrax, ou qualquer outra brax.

    E não há repreensão a esse elemento? Apenas uma polida manifestação do ministro Marco Aurélio – aquele que disse que foi Lula quem dividiu o país?
    Como não encontra limites, o sujeito continua agindo abertamente; perdeu as estribeiras.

  8. Se não dessem um parador

    Se não dessem um parador neese Moro; Min. Teori não ia poder fazer mais nada da vida… Só que Min. Teori não é Moro ou JB, magistrados de um processo só.

    Na verdade, essa QO, de hoje, teria feito um tremendo sucesso com a composição antiga da Corte. Ia ser uma fuleragem tremenda. Agora, a maioria dos ministros não é chegada a espetáculos. Deu ruim pro Moro e, o papelão, pra variar, ficou com João Plenário.

    OBs. Não entendi o voto do Barroso; se era pelo desmembramento,  tinha que mandar ou p/ SP ou PR; se não era pra SP, ficaria na 13ª mesmo… Não entendi nada. Acho que ficou com dó do Janot que fez a maior acrobacia mas não convenceu nem a tia do café do plenário.

  9. Aecioporto vai pedir o

    Aecioporto vai pedir o impeachment dos Ministros do STF que votaram contra o demotucanos Gilmar Dantas Mendes, aquele que deu dois HC’s para um bandido. Os procuradores da republica do Paraná irão ate a OEA questionar a decisão do STF de julgar incopetende o juiz de Guantanamo. Por sua vez, o juiz de Guantanamo irá cobrar da tv bobo, estadinho, vejinha e falha énossa uma posição e pedir para a população ir a av paulista para protestar contra esta decisão.

  10. Teoria do Domínio do Fato

    Depois da revolucionária “Teoria do Domínio do Fato”, eis que agora GM, inspirado nas ideias do também revolucionário jurídico Joaquim Barbosa, criou a Teoria do Local da Delação Premiada. Um também não menos revolucionário instituto da doutrina penal que, gerado no ventre da compreensão humana, aguardava o tempo de sua concepção e desenvolvimento para nascer. Gilmar Mendes, nosso maior obstetra do direito, amparado por seu fórceps jurídico, traz ao mundo legal o mais novo rebento do processo penal. Pela segunda vez, em menos de uma semana, a providência divina reservou à ele mais uma sagrada missão na Terra.

    Pergunto aos estudiosos da Teologia: Quantas graças são necessárias para Gilmar Mendes alcançar, ainda em vida, sua merecida canonização ?    

    • Nauseante, assim como a avacalhação da Justiça em Guantanamo, PR

      O cara foi acusado, julgado e condenado sem provas (Moro considerou “plausível”) à uma prisão em regime aberto, foi absolvido no recurso e mesmo assim ficou preso 7 meses em regime fechado .

      E graças ao juiz sem decoro, digo Moro, aposto que a União (NÓS) vai ser condenada a indenizar um monte de gente por esse tipo de discricionaridade autoritária jurídica (e ninguém envolvido fala nada!).

      E o juiz que “faz a indiferença” (aos pppp’s), se não for promovido ou virar político, irá se aposentar, também polpudamente, graças a…

      NÓS!

    • Prezado Ramalho 12,

      Li o artigo indicado no link. Obrigada!

      Muitos outros “presos/indiciados”, ainda, serão declarados inocentes.

      Entretanto, o objetivo terá sido atingido: a quase demolição de um partido político, o desgaste do governo federal e a implantação da intolerância na nossa sociedade.

    • Mesmo contrariando Moro, o

      Mesmo contrariando Moro, o desembargador Leandro Paulsen elogiou o trabalho do juiz na condução da Lava Jato. “O magistrado analisou cada caso, analisou as provas e decidiu com a independência que lhe é peculiar. Então, estamos em um caso bem trabalhado, um caso que vem sendo analisado com cuidado desde o início.”

      O desembargador que mandou soltar o réu preso por Moro elogiou o juiz e considerou sua decisão bem trabalhada e analisada com cuidado, mesmo discordando do entendimento dele. Você discorda da opinião do magistrado? Se sim, qual o sentido em papagaiar sua decisão? Ele só é bom pra você quando discorda de Moro?

      Haja obtusidade e parcialidade na tua noção de Justiça hein.

      Em tempo: achei ÓTIMO que o sujeito tenha sido solto. É peixe pequeno, tudo indica que só cumpria ordens e não há nada mais vil do que condenar os mais fracos enquanto os chefões gordos e faceiros escapam ilesos, como ususalmente acontece nestas plagas. Mas parece que Moro concede o mesmo tratamento a ambos, aliás é ainda mais duro com a chefia. E até agora o TRF tem lhe dado razão. Então pode colocar as barbas de molho pois teus amigos maganos endinheirados não terão a mesma sorte desse pobre coitado aí.

  11. Palavrório anti-ético do mais descarado dos membros do STF

    Parafraseando Michel Temer, precisamos de alguém que possa assumir as rédeas do poder judiciário, sem demérito para Ricardo Levandovski e demais ministros, visando se colocar um freio nos impropérios e fanfarronices deste biltre que, com a voz impostada dos canalhas, nos engana a todos ao se apresentar ostentando, de forma totalmente injusta, aquela sagrada capa preta que um dia foi envergada pelos grandes nomes que honram a galeria dos ministros do STF, onde pontificam Paulo Brossard, Nelson Hungria, Evandro Lins e Silva, Victor Nunes Leal, Carlos Veloso e Hermes Lima.

    Em continuidade, afastado este arremedo de jurista do ambiente sagrado da justiça nacional, há que se julgar o mesmo tanto pelas inúmeras vezes que agrediu a Carta Magna e o regimento do STF quanto pelas vezes em que agiu de forma indiscutivel e eminentemente política confundindo ou incluindo esta forma indevida em seus votos, sem prejuízo da investigação sobre os contratos do IDP-DF (Instituto Brasiliense de Direito Público) com órgãos públicos, sendo o mesmo Gilmar sócio proprietário.

    Há que se investigar também de que forma este senhor conseguiu vultoso empréstimo bancário para indenizar seu sócio no IDP Inocêncio Mártires Coelho.

  12. como existe rei pra tudo, direi apenas que é o rei do combate…

    todo aquele que defende seu voto vencido com o uso de sacadas tirânicas

    eterno perdedor, pois, até fora da função, como oposição

    • Governo Aecin Avião Neves e Ministro da Justiça Giumal Mendes

      Olha, eu que achava que final dos tempos havia chegado, não me passou pela cabeça esta situação, imagino eu  que este sim seria o fim do mundo, governo áecin avião das neves e giumal mendes gestapo. Que coisa terrivel, nem é bom pensar. 

  13. É, mas o novo “sorteio” vai dar quem? G.Mendes?

    Aí a avacalhação juridicolitica vira cruza de Deusmelivre com Cruzcredo!

    • Não é bem assim

      Só os que têm foro privilegiado correm este risco.

      Os demais serão redistribuidos a juízes de primeira instância.

  14. QUANTA NOTÍCIA BOA SEGUIDA

    Temos passados momentos de angústia. Truculências, maus modos, desrespeito. Pregação de violência, nudez pública,violência contra desiguais. Estava a imaginar que a Idade das (densas)  Trevas tinha retonarnado. Como é ruim imaginar que conquistas que levaram séculos poderiam ser perdidas em meses.

    Aí vem o STF e … pimba! Retira o voto, sem títulos, das pessoas jurídicas. Tudo bem que ver o rosto suado e descomposto do GM, a expressar uma constrariedade jamais vista, é um preço alto a pagar, mas, valeu cada centavo de Real desvalorizado, cada KCal perdida.

    Hoje mais notícias boas, vindo do STF e da Câmara. Cara eu vou ficar mal acostumado. 

    Sei que falta muito, mas, há uma semana faltava tudo!

    Eu vou acabar ficando fan do Lewan … vamos com calma, ainda é cedo.

    Por ora vou me contentar em me sentir um pouco aliviado.

    É uma sensação muito boa.

     

  15. é o velho truque maquiavélico

    é o velho truque maquiavélico chinês da política velhaca das intrigas:

    dividir para governar / dividir para reinar / dividir para conquistar

    rearranjado a gosto pela justiça suprema servil ao poder de des/mando:

    dividir (fatiar) para melar / dividir (fatiar) para protelar ad aeternum

    desde sempre fez-se a justiça “dos homens bons”: lava jato acabou!

     

     

     

    • Limitaram os jogos do juiz ladrão pró time do Pompeu

      Ficou tristinho, mesmo com o estrago já feito ao país e à Justiça, digo ao esporte e aos outros times do campeonato.

      Buá, buá!

  16. As decisões dos ministros dos

    As decisões dos ministros do STF tem a mesma oposição do congresso: direita, esquerda? 

    – Tem televisão própria para mostrarem lealdade de princípios.

    Duas coisas para se levar em conta: não têm partidos nem comercial dos votos. 

  17. Acho que já cairam todos os

    Acho que já cairam todos os parafusos da cabeça do Gilmar, não deve restar mais nenhum. Então quer dizer que o julgamento do mensalão do PSDB foi desmembrado para Minas somente para os réus serem beneficiados? Que novidade para nós que já sabíamos disso, né mesmo? Não se espantem se o Gilmar botar uma filial do comitê do PSDB anexo ao gabinete dele.

    • Dois pesos dois mensalões

      foi o título do genial artigo de Jânio de Freitas na ocasião, quando o STF decidiu não desmenbrar a AP 470. Depois disso ainda houve desembramento do mensalão do DEM no STJ. Então hoje o artigo seria ” dois pesos três mensalões”.

      • Trecho do artigo de Jânio de Freitas

        “Os dois mensalões também não receberam idênticas preocupações dos ministros do Supremo quanto ao risco de prescrições, por demora de julgamento. O mensalão do PSDB é o primeiro, montado já pelas mesmas peças centrais -Marcos Valério, suas agências de publicidade SMPB e DNA, o Banco Real. Só os beneficiários eram outros: o hoje deputado e ex-governador Eduardo Azeredo e o ex-vice-governador e hoje senador Clésio Andrade.

        A incoerência do Supremo Tribunal Federal, nas decisões opostas sobre o desdobramento, é apenas um dos seus aspectos comprometedores no trato do mensalão mineiro. A propósito, a precedência no julgamento do mensalão do PT, ficando para data incerta o do PSDB e seus dois parlamentares, carrega um componente político que nada e ninguém pode negar.”

        A ação penal 536 que trata do mensalão mineiro narra os fatos criminosos cometidos por Eduardo Azeredo e Clésio de Andrade (este nada menos do que sócio de Marcos Valério na SMPB) em 1996, há quase 20 anos. O processo em relação aos políticos do PSDB ainda está na primeira instância, salvo engano.

         

  18. Paráfrase

    Disse Marco Aurélio: processo não tem capa, tem conteúdo. Parafraseando, há juízes que não têm capas, têm capangas.

  19. Revelação do dia: “O ministro

    Revelação do dia: “O ministro recordou que o próprio procurador-geral da República, em junho de 2014, afirmou que não havia conexão entre esse caso com os demais, apenas porque todos envolviam o doleiro Alberto Youssef.” Então, pela voracidade da turma do Paraná, poderíamos concluir que o delator dileto e principal do Moro é um bandido completo, multimídia e onipresente. Estava em todos, com todos e para todos. E eles iam julgar tudo no Brasil, menos aqueles com bicos grandes. Até agora. Uau!

     

  20. Moro nunca teve!

    Eu não acredito que se tenha esvaziado o poder de Moro! 

    Foi colocado em seu lugar.  A investigação é a Petrobras, ponto. O que ele queria, além disso, é seu problema como show man, não de um juiz e a cada momento um novo ato e vazamento. Queria liderar a cruzada da moral e dos homens oposição do ministério publico? Não esvaziou e sim de fazer seu papel de juiz e calado, como tantos outros fazem e melhor. Muito importante esta decisão se olharmos o que aconteceu no passado recente na ap. 470, quando um ministro conduziu o julgamento para não cair o processo por tempo e levou as penas ao máximo sem se importar com a lei e outros seguiram o relator no obscuro. Sem contar o domínio de fato. Como agora se passa por palavras de delatores e que as provas sejam consistência e sem manejos. Fatos e palavras que me surpreendem ate agora nas razoes do julgamento do juizinho Moro.

    Este julgamento do Lava jato tem afronte muito grande. Era permitido e não regularizado a doação de campanha. Não necessariamente, mais o financiamento dos políticos e partidos eram normais e a distribuição de cargos entre a situação era habitual, este lobby meia boca, sempre funcionou e historicamente ate o judiciário eram financiados com e por causas, seja econômica, social e ate poder.

    Enfim este conjunto de formas politicas de eleição que serviu e agora regulamentado pelo STF como interdito, de modelo para um sistema de inflexão para políticos e partidos nas eleições tornou e foi um modelo ou padrão que se adotou. Em que há discrepância, discordantemente que contém, ate envolve no que constitui uma contradição, que os políticos e partidos pediam e aceitavam mesmo que tendo sentido contrário, a doação incoerente se aplicando em dois políticos opostos como também partidos, visando uma conveniência de interesses.  Será julgar que como o caso do Dirceu foi incorreto e do FHC honesto. O tal da quantia de dinheiro muito maior para o PSDB do que para o PT.

    O contraditório é quem dirá e terá a verdade no juízo final que a fonte do dinheiro era ilegal, legal deste ou daquele? Se ate mesmo os delatores e intermediários, como os políticos e partidos não definem exato limites destas fontes de dinheiro. 

  21. STF ESVAZIA O PODER DE MORO

    MEU DEUS DO CÉU , SERÁ QUE ESTÃO QUERENDO QUE O BRASIL VIRE CHACOTA PERANTE O MUNDO , COMO QUE PODE UM CIDADÃO FEITO ESSE GILMAR MENDES , CUNHA  E O MORO TER TODO ESSE PODER , E NINGUÉM FAZ  NADA , DA A IMPRESSÃO QUE ELES TEM UMA PROTEÇÃO MUITO FORTE NOS BASTIDORES PRA CONTINUAREM COM TODAS ESSAS ARROGANCIAS , SE FOSSE NA CHINA ELES JÁ ESTARIAM MORTOS  , POIS SÃO TODOS ENVOLVIDOS NO CRIME , O CUNHA USA A IGREJA PRA LAVAR DINHEIRO E NINGUÉM FAZ NADA , ABSOLUTAMENTE NADA .

    • Você está enganado, Amarildo.

      Você está enganado, Amarildo. Auditores Fiscais da Receita Federal no Rio de Janeiro autuaram duas grandes igrejas-empresas ligadas ao Cunha, em valores superiores a R$ 60 milhões,  como noticiado na imprensa. Infelizmente, um jabuti colocado por Cunha numa MP anistiou essas punições. A Dilma não vetou porque não quis.

       

      • Por favor, Sr coxinha.
        Por favor, Sr coxinha. Explica como a Dilma vai vetar uma decisão do Ministério Público. Eu pensei que ela fosse do executivo. Vcs coxinhas estão apelando mesmo!! Hein??!!

        Na verdade quem não permitiu que a multa fosse cobrada foi o Aécio Neves. Ele consegui substituir a dívida pela milhagem que tinha no cartão de crédito do governo de Minas. Ele obteve estes créditos voando para o Rio de Janeiro centenas de vezes. É claro que é o povo Mineiro que pagará a conta do cartão, mas isto não vem ao caso.

  22. “O ministro ainda afirmou que

    “O ministro ainda afirmou que o desmembramento “ajuda no grau de confusão que se quer” pelos investigados, e que tal medida “não permitiria o contexto” do todo e buscaria “enfraquecer as provas”, o que “relevaria ao fracasso”.

    Com o cabedal de similaridade de alguns termos que transcrevo para o parágrafo abaixo, o ministro GM poderia ter sido melhor se estivesse se pronunciando como Ministro da Fazenda e arquiteto da nação.

    Em se transferindo os termos que transbordam para a economia: o ministro ainda afimou que o desmembramento do cofre do tesouro nacional do país para os banqueiros “ajuda no grau de confusão que se quer” pelos economistas, e que tal medida do dólar dos especuladores “não permitiria o contexto do todo” e buscaria enfraquecer provas,  o que “relevaria ao fracasso.

    “Isso foi muito almejado [pelos investigados]! Não podemos apresentar como uma decisão técnica, aritmética”, insistiu o ministro.”

    Parece até que o ministro estava fazendo a conexão do que se vê acontecendo na corte e a projeção da corrupção como um fracasso dos fundamentos da economia.

     “Temos vários crimes praticados pelo o que aparenta ser uma mesma organização criminosa, com os mesmos métodos”, disse.”

  23. Rs, acabou o parquinho…

    O parquinho onde foi montado este espetáculo midiático chamado “Lava-jato” foi cercado. Então, lembrando aquele velho ditado “Se cobrir, vira circo. Se cercar, vira hospício”,

    Entendemos que cercaram o hospício e se faz urgente colocar imediatamente dentro deste cercado junto aos “iluminados” do paraná, o Mendes, o Cunha, o Aócio (aquele do Leblon) e fhcc (esse fede) pois também estão enlouquecidos.

     

  24. O moro, minúsculo mesmo dado

    O moro, minúsculo mesmo dado meu respeito a ele, quis investigar a Eletronuclear e a Consist, pois, segundo ele, as delações surgiram dentro das investigações da Petrobrás. Mas e  Furnas ? A delação surgiu onde ? Respeita a inteligência de quem tem, sô juiz. Porque não mandou prender a irmã do Aécio ? Ela também tem foro privilegiado ?

    Aliás, eu duvido que o Youssef tenha sido encontrado acidentalmente em uma investigação em um posto de gasolina. Para mim, o plano foi traçado e ele passava pelo Youssef, já bem conhecido do juiz, promotores e PF de curitiba. Só precisavam encontrarem uma porta para acessá-lo, pois sabiam que daí em diante as relações do investigado no meio político serviriam de roteiro para o golpe.

     

    • A Eletronuclear e a Consist

      A Eletronuclear e a Consist foram investigadas porque as mesmas empresas que confessaram ter pago propinas a políticos do PT e partidos aliados para conseguir contratos superfaturados na Petrobras também afirmaram terem usado do mesmo esquema criminoso naquelas outras estatais. Em virtude dos agentes criminosos e do modus operandi serem os mesmos, o juiz Moro entendeu que poderia investigar aquelas estatais, mas o STF já decidiu que isso não é possível, logo o processo não está mais sob sua responsabilidade.

      A preocupação do juiz em restringir a investigação à Petrobras e aos agentes relacionados a esta empresa foi justamente a mesma razão pela qual não investigou a irmã de Aécio, posto que não havia nenhuma empreiteira diretamente envolvida ali, apenas uma empresa que fez negócios com o doleiro Youssef sem qualquer relação com a Petrobras. Mesmo sem levar a investigação adiante por não se relacionar nem com a Petrobras nem com os criminosos que nela operaram, Moro declarou publicamente que considera as evidências contra a irmã de Aécio eram suficientes para justificar a investigação:

      A Investminas Participações S/A confirmou, em petição de 21/10/2014 (evento 18) pagamento de 4.600.000,00 (R$ 4.317.100,00 líquidos) à MO Consultoria. Alegou que remunerou conta indicada por Alberto Youssef em decorrência de intermediação e serviços especializados deste na venda de suas ações na Guanhães Energia S/A para a Light Energia S/A, com intervenção a CEMIG Geração e Transmissão S/A. Juntou como prova os contratos e notas fiscais pertinentes, todos com suspeita de terem sido produzidos fraudulentamente. Alegou que Alberto Youssef seria ’empresário que, à época, detinha conhecimento do setor elétrico e reconhecida expertise na área de assessoria comercial’. Aparentemente, trata-se de negócio que, embora suspeito, não estaria relacionado aos desvios na Petrobras.

      Diante dessa declaração, qualquer procurador estadual de MG poderia solicitar investigação contra a irmã de Aécio e dificilmente o juiz local recusaria autorizá-la, posto que um juiz federal já atestou a suspeita de fraudes cometidas por ela. Então, se você quer reclamar com alguém, que ingresse com queixa na Ouvidoria do MP-MG ou na Corregedoria-Geral de Justiça do Estado de Minas Gerais. Mas pare de encher o saco de Moro. Pois, caso você não tenha entendido a reportagem acima, ele não tem competência para investigar a irmã de Aécio nem qualquer outro criminoso que não se vincule ao escândalo da Petrobras. Moro já fez até mais do que a imensa maioria dos juizes faria em seu lugar, posto que, mesmo sem autoridade para aprofundar a investigação, deixou claro que enxerga indícios de crimes que a justificam, quando poderia simplesmente ter se omitido e dito que não investigaria nada porque não lhe compete e ponto. Então se você tem mesmo interesse em que ela seja investigada, vá cobrar atitude da autoridade competente ou assuma de uma vez que está agindo de má fé só para criticar injustamente o único juiz brasileiro que teve coragem de dizer que suspeita que ela seja uma criminosa.

      • Deixa de ser otário, larga

        Deixa de ser otário, larga mão de ser coxinha. Todo processo de delação teve início com o yossef. A petrobrás não foi o ínicio de nada, foi o moro que escolheu seguir a trilha apenas da petrobrás. O depoimento do youssef serviu para iniciar as investigações contra a petrobrás,mas não serviram para iniciar a investigação contra furnas. Se for olhar por esse lado, o processo contra a petrobrás deveria ter corrido no RJ. Mas isso não vem ao caso,né ?

        Não gostou da decisão do STF ? Enfia os dedos naquele lugar e rasga.

         

         

        • Não gostou da decisão do STF

          Não gostou da decisão do STF ? Enfia os dedos naquele lugar e rasga.

          Por quê? Por acaso é isso que você faz também a cada vez que o STF decide manter a validade das prisões e dos acordos de delação premiada autorizados pelo Moro?

          Você está muito brabinho mineiro, e pela tua última frase o calor já lhe alcançou os fundilhos. Sugiro mais temperança da próxima vez, para não escancarar de vez para a turma suas taras mais obscuras.

      • Não leve a mal não, mas toda
        Não leve a mal não, mas toda a linha de investigação do Moro está pautada no doleiro, tanto é que se chama lava-jato. Em alusão ao posto de gasolina de sua propriedade que lavava dinheiro. Por isto abrange outras cidades que, naturalmente, não seriam de sua jurisdição. O seu comentário esconde os fatos. O juiz Moro não descobriu a corrupção nas empreiteiras e depois as relacionou ao doleiro. Foi ao contrário. Através dos negócios do doleiro, ele chegou as empreiteiras. Então, o marco do processo é o Youssef. Se ele investigasse somente a Petrobrás, não teria investigado outras empresas, que não tem nada a ver com a Petrobrás. Se está investigando por serem as mesmas empreiteiras, por que não está investigando Furnas, já que a pessoa jurídica (Youssef) também fez negócio com ela? Ou só investiga se for empreiteira? Perdoe-me, mas me parece que vc foi contratado para defender o Aécio.

        • Errado. Você mostra um

          Errado. Você mostra um desconhecimento abissal da lei e dos fatos. Moro não tem nem nunca teve poder nenhum para investigar toda e qualquer pessoa física ou jurídica que já teve em algum momento da história relação com Youssef, isso é uma bobagem sem tamanho. O fato de Youssef ter denunciado depois os esquemas da Petrobras jamais poderia assegurar que a investigação sobre a empresa permanecesse nas mãos de Moro, e isso foi levantado desde o primeiro dia de publicação da Lava Jato nos jornais pelos advogados dos acusados. Eles pediram HC junto ao TRF e depois ao STF baseados nisso, na incompetência de Moro para julgar seus clientes. Queriam levar o processo para o RJ onde é a sede da empresa. O único fator que assegurou a manutenção do processo em Curitiba foi a delação premiada do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, que confirmou as denúncias de Youssef e se comprometeu a devolver o dinheiro das propinas que recebeu – ou seja, apresentou prova material do roubo contra a empresa. O STF entendeu que não apenas havia motivos para continuar a investigação, como de fato só fazia sentido mantê-la no PR posto que o acordo de delação que permitira a obtenção de provas essenciais ao caso foi celebrado pelo juiz Moro e não poderia simplesmente ser transplantado para outra jurisdição. Sem Costa sequer haveria Lava Jato, o processo já teria sido engavetado. Entendo que você esteja ansioso para investigar Aécio, mas lamento dizer, nenhum diretor de Furnas apareceu ainda com uma delação premiada para pegá-lo. Mas já há elementos de sobra para a Justiça de MG tomar uma atitude, pois a competência para investigar a família de Aécio é dela. Então quem sabe se você e outros aqui usassem seu tempo útil para cobrar a Justiça de MG para fazer seu trabalho, ao invés de encher o saco do Moro por apenas cumprir a lei, teríamos mais Justiça neste país.

  25. Vou reproduzir parte de

    Vou reproduzir parte de comentário que postei em matéria sobre ‘discurso’ de GM, por ocasião da aprovação do registro do partido da ex-senadora Marina Silva no TSE, em que esse ministro do STF diz “ter admiração por Marina”. Fiz ligeiras modificações, para contextualizá-lo ao escopo deste artigo

    Gilmar Mendes deve explicar aos brasileiros, dentre outras coisas, as razões que o levaram a conceder habeas corpus ao médico estuprador Roger Abdelmassih, que depois fugiu para o Paraguai, vivendo no luxo por mais de 5 anos. Ele deve explicar aos brasileiros por que concedeu, em menos de 48h, dois HCs canguru ao banqueiro Daniel Dantas, envolvido em negociatas da privataria. GM deve explicar também como foi obtido os registro de partidos como o Solidariedade, daquele deputado que se reuniu com ele na residência funcional do presidente da Câmara, há pouco mais de um mês, para tramar o impedimento da presidente Dilma. GM deve explicar, também, por que está procurando o presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha, o qual já foi denunciado por corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas, junto à côrte em que ele, GM, é ministro. A côrte em que GM é apenas um (péssimo) ministro já decidiu pela inconstitucionalidade do financiamento de campanhas políticas e mesmo assim GM articula com o denunciado presidente da Câmara a legalização desse esquema que é a principal causa de corrupção e ‘compra’ dos poderes políticos pelo poder econômico. Então, sr. ministro: explique claramente aos brasileiros essas manobras e com qual objetivo o sr. as defende com tanto ardor.  

    GM sabe que o deputado patrono do Solidariedade tem contra si mais uma denúncia apresentada junto ao STF. Nenhum brasileiro se interessa pelas admirações políticas que GM tem, pois não foi concedido a esse cidadão nenhum mandato. Os brasileiros não estão interessados nos discursos políticos que GM profere, usando indevidamente o cargo de ministro do STF, chamando-os de ‘voto’. Se GM não faz outra coisa que não seja a mais vil e mesquinha política, deveria ele ter a mínima dignidade e hombridade, para renunciar à cadeira de ministro do STF e se lançar candidato a algum cargo político. Mas GM, além de boquirroto e autoritário é covarde; não ousa voltar à planície e se submeter ao sufrágio popular e às críticas e ataques que um candidato a cargo político está sujeito. Para quem estudou ciências jurídicas e possui títulos na área, é mais fácil usar da cadeira do STF e do poder e impunidade que esse cargo oferece para achincalhar os desafetos e adversários e articular um gope de Estado.

    • Não, ele não diz nada e nem

      Não, ele não diz nada e nem deve dizer, da mesma forma como não diz nada sobre a senadora Gleisi Hoffman. Ambos congressistas paranaenses tem foro privilegiado e sequer podem ser investigados por Moro, que dirá ter o juiz liberdade para tecer comentários sobre eles. Quem decide se eles serão ou não processados é Janot: toda e qualquer evidência colhida pela PF envolvendo um congressista ou ministro deve ser imediatamente remetida ao PGR. Então só um ignorante sobre a lei ou mal intencionado cobraria do juiz que praticasse uma ilegalidade, usurpando competência que não é sua, em nome de uma pretensa imparcialidade que sequer consegue esconder o ódio e o revanchismo.

      • Vejo que é um grande sabedor
        Vejo que é um grande sabedor de direito. Deduzo, então, que a irmã de Aécio tem foro privilegiado. Que Furnas não pertence a Petrobrás, mas a Eletronuclear pertence, apesar de ter sido uma empresa criada dentro de Furnas. Tem razão, o Moro é um juiz imparcial. E vc não é um coxinha!

        • Releia meu comentário antes

          Releia meu comentário antes de replicá-lo, para não passar por néscio ou mal intencionado, o que é muito pior do que ser “coxinha” posto que é um defeito de formação e de caráter.

          A única razão pela qual Moro decidiu investigar a Eletronuclear foi porque a usina de Angra III é construída pelas MESMAS empresas que tem contratos com a Petrobras para construir a Comperj e a refinaria Abreu e Lima, e os MESMOS delatores dessas empresas afirmaram que elas fizeram contratos lesivos ao patrimônio público que eram IGUAIS àqueles celebrados com a Petrobras.

          O caso da irmã de Aécio não envolve nenhuma dessas empresas e nenhum desses delatores, nem ela nem seus sócios em absolutamente nada que ver com a Petrobras. O único vínculo deles é com Youssef. Moro teve o bom senso de não levar adiante essa investigação no âmbito da Lava Jato porque sabia que ese vínculo era insuficiente para justificá-la. E tanto ele estava certo que nem mesmo a Eletronuclear ele pôde investigar, pois o STF não considerou a presença das mesmas empreiteiras e intermediadores como elemento suficiente para justificar essa investigação, como mostra a reportagem acima que você não leu ou não entendeu. Ao mesmo tempo em que você aplaude a decisão do STF de tirar da mão do juiz uma investigação paralela envolvendo os mesmos agentes criminosos e o mesmo modus operandi da Petrobras, você reclama porque ele não investigou uma denúncia que não teve absolutamente nada de semelhança com os escândalos da Petrobras. Ignorância ou má fé?

          Mas o pior no teu comentário não é nem isso. Você não leu sequer o despacho do juiz sobre a irmã de Aécio. Ele diz claramente: há indício de crime mas não posso investigar no âmbito da Lava Jato por ausência de elementos que façam o elo com a Petrobras. Leia, prezado. Reflita: o juiz disse que há indídio de crime! Qualquer procurador minimamente capacitado do MP-MG pode usar esse mesmo despacho para solicitar o repasse do material colhido pela Lava Jato e abertura de investigação sobre ela e é praticamente impossível que um juiz estadual irá recusar esse pedido uma vez que um juiz federal já disse que ele se justifica. Se recusar, ele terá o ônus de dizer que Moro está errado. Então, em suma, Moro deixou a Justiça de MG com a faca e o queijo na mão para investigar e processar a família de Aécio, basta vontade para fazê-lo. Até mesmo você, como cidadão de bem e mui interessado na Justiça, poderia tomar a iniciativa de cobrar do MP-MG que fizesse isso. Mas não, você prefere bater no Moro, o único juiz do Brasil que teve a coragem de dizer publicamente que viu indício de falcatrua nos negócios da família de Aécio. Se não tivesse demonstrado tanta ignorância legal e factual em seu comentário, eu seria capaz de dizer que você é um tucano.

  26. Companheiros

    Ficando com o Moro a Andrade Gutierrez, a Mendes junior , a Camargo Correia, a UTC, a OAS, a Queiroz Galvão e a Odebrecht, já está de bom tamanho.O suposto PIB de falcatruas deste querido grupo não é deste mundo.

     

  27. Mais um delator

    Está mostrando que quem decidia quais seriam os diretores da Petrobrás era o sr. Eduardo Cunha. Uai! Mas não era o José Dirceu, conforme apontou o PSDBista gilmar, o chefe geral e maquinador de toda a corrupção brasileira, o único chefe ! ou vice-chefe, como gostaria de dizer. E apesar de tudo isto, ele e afastou do PT.

    É uma miséria sem fim ! Os tucanos já devem estar correndo p/ cooptar o novo juiz e torná-lo um  Moro, assim como o Dias Tóffoli, onde não terão mt trabalho, não.

  28. A força tarefa da lava jato

    A força tarefa da lava jato investiu youseff no cargo de delator geral da república. Só O pixuleco do aécim não vem ao caso.

  29.  
    Uma cambada de covardes.

     

    Uma cambada de covardes. Dai, se aproveita o leviano tucano do STF, para perpetrar essa enxurrada de impropérios, patadas, e coices. Toda essa pouca vergonha que exsuda dessa besta, nenhuma serventia teria, não fosse o respaldo disponibilizado pelo pool midiático posto à serviço do GOLPE. Daí, recomenda-se não tocar no nome do pulha, nos BLOGS SUJOS. O puro e vestal Noblat, vê risco na Vaza a Jato, e convoca o povo pra defender o heróico juizeco Moro

    Dentre o pessoal do estabelecimento, os mais veteranos vivenciaram as versões originais, da mesma patranha ora em curso, novamente. A primeira, foi lançada em 54, e visava destruir o governo eleito Vargas. Governo de orientação trabalhista. A empreitada dos Demos (UDN na época), teve resultado pífio para eles, ai, recolheram os panos.

    Posteriormente, em 1964, coincidência (?), outro governo trabalhista no poder, o Dr. João Goulart, também eleito. O mesmo pessoal do bando golpista retorna ao ataque. Até, os chavões, slogan, refrão, e os discursos hipócritas anti-corrupção (dos outros, claro!),  foram absolutamente os mesmos, ipsis litteris. Repetem tudo, antes, e agora. quando muito remanejam alguma vírgula, ou, arrumam um iluminado demagogo da vez, pra puxar o refrão.

    Os mesmos Golpistas. Tudo igual. Ao que parece, eles, os velhacos, abandonaram o socavão escuro onde seus ossos secos repousavam, e, retornam com as antigas aleivosias e o porrete golpista em riste. Sempre alerta, para depor outro governante trabalhista. Desta feita, uma Mulher.

    Esquisita coincidência essa. Que carma desgraçado este, em? Os trastes vivem falando em democracia e não suportam eleição que tenha povo?  PQP…

    Orlando

     

     

  30. Alvo paralelo

    …. vejo de outra forma:   o alvo nao é a Petrobras  (tanto q surgiram a Eletrobras e a Nuclear, dentre outras iniciativas ocorridas, por exemplo, uma que atingiu funcionarios da fiscalizaçao de tributos)  . 

    o Doleiro Yosseff    é o ponto de partida, o pano de fundo de toda a operaçao Lavajato,  indubitavelmente.  a Petrobras é vitima.

     

    sao 753 linhas na planilha de excel com cada operaçao.

  31. Aos poucos, talvez tarde

    Aos poucos, talvez tarde demais, até, alguma serenidade e raciocínio vão se colocando ante essa campanha boçal pelo poder.

    Concurseiros ignorantes embriagados por ideologias antissociais e salários imerecidos aos poucos vão sendo lembrados de princípios civilizacionais que não estão, infelizmente, presentes em cursinhos preparatórios ou de MBA.

    Um dia talvez caia a ficha do real signifficado do sufragio universal e do que está em torno do financiamento de campanha…

    … Já se foi o tempo em que montavam palestras com “notáveis” pra difundir essa ou aquela “innterpretação” de textos legais. Hoje basta se mancomunar com um punhado de “colunistas” de uns poucos veículos de imprensa que uma manada inteira – inclusive de “profissionais” – adere.

    Chique, né?

    Ah, e quem não embarca nessa ou “defende bandido” ou é “bolivariano”!

    Mais uma vez: chique, né?

    • bingo!

      vc tocou no ponto: esses néo-nababos “se especializaram” em cursos preparatório para concursos, moldelados por não se sabe quem para aparelhar um poder que não está submetido a nenhum controle da sociedade.

      e ainda tem gente que acha natural e aceitável um juiz posicionar-se politicamente em público na defesa de certos “valores” que não foram os eleitos pelos cidadãos.

      a que ponto chegou-se, ou, definitivamente, a mediocridade perdeu o recato.

  32. O juiz Sérgio Moro está

    O juiz Sérgio Moro está perdendo uma oportunidade única de entrar para história. Ele prefere fazer “estória”.

     

    Triste Moro, a verdade vencerá a mentira. Grana pro P$DB também é propina. Heliococa era de senador e deputado.

     

    Paz na terra. 

      • Entendi. “Coxinhas

        Entendi. “Coxinhas hidrófobos” são iguais ou piores que os ladrões, assassinos, traficantes, estupradores, etc etc, que compõem o mui nobre rol de clientes desses advogados. 

        • interessante

          pelo que entendi, na sua opinião, os advogados não podem advogar para “ladrões, assassinos … patati patatá ….

          mas o juiz do “não vem ao caso” (qualquer denúncia a envolver demo-tucano) pode advogar (e o faz de fato) coxinha golpista e hidrófobo.

          muito interessante essa sua visão do estado de direito e os deveres dos magistrados.

          … interessante mas previsível.

    • Desmembramento
      O medo destes justiceiros é que, em outras varas fora de Curitiba, possam aparecer envolvimentos de políticos e pessoas (que não estejam mortos!) e partidos de oposição, principalmente o PSDB, tão protegidos e guardados a sete chaves pelos procuradores, até agora. Isso seria o fim de mais um plano para eliminar o PT da política. Se assim não fosse, por que o tempo denunciado se limitou ao tempo que o PT assumiu ao poder, tanto no poder judiciario como na CPI,  e as doações feitas ao PT são propinas e às do PSDB lícitas, ambas feitas pelo próprio delator.

       

  33. Será que agora vão investigar

    Será que agora vão investigar a denúncia do Youssef de que ele entregou R$10 Milhões para o Aécio Neves, desviado de Furnas??????? 

  34. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome