TRF-4 manda destruir grampo na defesa de Lula, mas livra Moro de responder por ilegalidade

 
Foto: Lula Marques
 
Jornal GGN – O desembargador do Tribunal Regional Federal da 4ª Região João Gebran Neto acolheu um mandado de segurança apresentado pela defesa de Lula e mandou destruir os grampos que violaram a comunicação do escritório que trabalha para o ex-presidente na Lava Jato.
 
Embora tenha reconhecido que o material autorizado por Sergio Moro é imprestável, Gebran livrou o juiz de piso de Curitiba de responder por ter violado o sigilo entre cliente e advogado, além de ter descumprido ordem do Supremo Tribunal Federal, que já havia ordenado o descarte dos áudios captados.
 
Segundo reportagem do Estadão de quarta (14), o desembargador apontou que “não houve ilegalidade na decisão que determinou a produção dessa prova, visto que o número grampeado foi fornecido pela empresa do ex-presidente LILS Palestra, Eventos e Publicações como pertencente a esta em dados cadastrais informados à Receita Federal. Gebran ressaltou que apenas depois de deferida e implementada a interceptação verificou-se que a linha pertencia ao escritório Teixeira, Martins e Advogados.”
 
“Já quanto à validade dos grampos como prova, o desembargador afirmou que, sendo o telefone de titularidade de terceiro, ou seja, de nenhuma das partes envolvidas na investigação, esta é imprestável, devendo ser excluída dos autos e inutilizada”, acrescentou o Estadão.
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  TRF-4 rejeita suspeição de desembargadores que julgaram Lula

7 comentários

  1. Um diálogo imaginado!

    MPF: Olha, vou pedir para colocar uns telefones para grampear. Tudo bem?

    Juiz: Claro! Todos relativos aos envolvidos no inquérito, certo?

    MPF: Sim, errr, tem alguns com ligações mais remotas.

    Juiz: Não tem problema. Se der problema, depois falo que não tive tempo de averiguar tudo…  Tô esperando o pedido.

    MPF: Ok, já mando o pedido…

    Juiz: Qualquer coisa eu peço desculpas: “Foi mal, gente!”. Rrrsss

     

     

     

  2. SERGIO MORO, a bem do serviço

    SERGIO MORO, a bem do serviço público e da moralidade, do RESTO que ainda pode ser salvo deste Poder Político IMPRESTÀVEL, nababesco e vitalício, que é o Poder Judiciário brasileiro, precisa ser afastado, demitido, processado e preso

    Conduções coercitivas, ABUSO de Poder, feitura e divulgação de gravações ilegais (até de presidente da república em exercício), tortura e confissões feitas sob chantagem e validadas em processos SEM estarem devidamente acompanhadas de PROVAS..

    .humilhação de réus, testemunhas e de advogados  ..FRAUDE processual ao forjar foro e alçada, ao desmerecer e dispensar oitiva de testemunhas e analise de material probatório  ..SUSPEITO de estar aliado a venda de sentença ..a ter entregue pra potencia estrangeira projetos e empresas, setores inteiros que atentam contra a segurança sócio econômica do páis

    ..estes são alguns dos crimes, ao meu juízo, que lhe poderiam servir  ..e enquanto isso, malgistrado, cumpadre, reconhece o delito mas dispensa da rsponsabilidade

    não da pra acreditar

     

     

  3. A criatura deve ser destruída mas o Criador deve ser preservado

    O Nazismo deve ser destruído, mas o Hitler deve ser preservado. A pedofilia deve ser combatida, mas o pedófilo não pode ser punido.

    Não era a Marielle que devia ser o destino das balas dos assassinos.

  4. Da culpa: imperícia, imprudência e negligência

    Os doutos colegas de opinião, sabem ou ao menos terão como pesquisar o quanto escrevi no assunto.

    Se virmos o conceito aplicado, não há como eximir o dr. Moro minimamente, de culpa. Mas não é difícil chegar ao dolo, pois mesmo sabendo que havia sido interceptada ligação telefônica entre o ex-presidente e a presidente então em exercício, resolveu torná-la pública, alegando conforme o noticiário, que o fazia pela necessidade de trazer um assunto de importância à opinião publica. Ou seja, sabendo que era prática delituosa, insistiu na divulgação.

    O desembargador que o julgou ou sofre de patente incompetência técnica (algo do qual suspeito) ou sofre de viés provocado pelo fato que mantém negócios e relação de amizade com o acusado.

    Os doutos juízes, devem lembrar que quando há movimentos revolucionários, nos mais civilizados, são aposentados ou banidos do serviço público. Nos mais selvagens bem, a história está repleta de exemplos.

    Triste quando estes barnabés, alçados a importante função pública, esqueçam o compromisso com o povo.

    Reforma do judiciário já, causa principal da desordem deste país, por sua inapetência ao trabalho, pela incompetência como julgadores, e pela soberba diante do povo. Inclinem-se diante do povo, antes que nos revoltemos.

    • Muito simples meu caro, Pedro

      Muito simples meu caro, Pedro Gebran filho é cúmplice, como demonstrado em muitas outras oportunidades.

      Cúmplice neste caso e co-autor em muitos outros.

  5. AGORA ESTÁ AFLORANDO A GRANDE

    AGORA ESTÁ AFLORANDO A GRANDE E VERDADEIRA CORRUÇÃO, SUBJACENTE AO VENDAVAL, PLANTADO PELA FARSA A JATO.

    Enquanto as instâncias superiores do judiciário (se mantiver apequenado e acovardado) brasileiro nada fizer para deter a sanha arbitrária desses juizecos primários de rodapé. Toda a cúpula do Poder Judiciário, estará assumido se comprometer com tais desmandos. E, persistindo navegar nesse rumo, passa a não merecer o menor respeito dos que lhes pagam e mantém vossos empregos.

    Além de comprometerem suas biografias, elameadas por esse aluvião de rejeitos contaminados. Esses péssimos servidores públicos promovem uma verdadeira esculhabação chapa-branca, avacalhando tudo onde põem a mão. Alguns desclassificados intentam transformar todo o Sistema Judiciário do País. Ai, abarcando tudo de roldão. Ou seja: Judiciário, MP, PF, e o Escambau.

    Não permitam isso. A responsabilidade histórica de Vossas Excelências é pesada. Ao menos, pensem em seus netos.

    Orlando

  6. Até onde eu sei, o juiz foi

    Até onde eu sei, o juiz foi informado pela concessionária telefonica do numero e endereço não pertendentes ao reu em questão.

    Portanto……………..

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome