Veja revela testemunhas que Moro sugeriu à força-tarefa da Lava Jato no processo contra Lula

Reconhecimento de que a força-tarefa não apenas ouvia, mas seguia as orientações do então juiz pode levar à suspeição de Moro e, com isso, a anulação dos processos da Lava Jato

Ex-juiz Sérgio Moro e procurador que coordena Lava Jato, Deltan Dallagnol atuavam juntos, mostram mensagens reveladas pelo The Intercept Brasil. Foto: José Cruz/Agência Brasil

Jornal GGN – A revista Veja publicou nesta sexta-feira (28) uma matéria com o nome das duas “testemunhas” ocultas indicadas em um dos diálogos mais comprometedores trocados entre o então juiz Sergio Moro e o procurador Deltan Dallagnol, o chefe da força-tarefa da Lava-Jato.

Na conversa, que ocorreu no dia 7 de dezembro de 2015, Moro sugeriu uma testemunha para a força-tarefa interrogar e que poderia incriminar o ex-presidente Lula. O procurador Dallagnol respondeu, alguns minutos após a sugestão de Moro, que a testemunha “arriou”, não estaria interessada em falar, e propôs fazer uma intimação com base em notícia falsa. Moro concordou.

Confira abaixo a conversa:

Moro – 17:42:56 – Entao. Seguinte. Fonte me informou que a pessoa do contato estaria incomodado por ter sidoa ela solicitada a lavratura de minutas de escrituras para transferências de propriedade de um dos filhos do ex Presidente. Aparentemente a pessoa estaria disposta a prestar a informação. Estou entao repassando. A fonte é seria.
Deltan – 17:44:00 – Obrigado!! Faremos contato
Moro – 17:45:00 – E seriam dezenas de imóveis
Deltan – 18:08:08 – Liguei e ele arriou. Disse que não tem nada a falar etc… quando dei uma pressionada, desligou na minha cara… Estou pensando em fazer uma intimação oficial até, com base em notícia apócrifa
Moro – 18:09:38 – Estranho pois ele é quem teria alertado as pessoas que me comunicaram. Melhor formalizar entao.
Moro – 18:15:04 – Supostamente teria comentado com que por sua vez repassou a informação até chegar aqui.
Deltan – 18:16:29 – Posso indicar a fonte intermediária?
Moro – 18:59:39 – Agora ja estou na duvida.
Moro – 19:00:22 – Talvez seja melhor vcs falarem com este SUPRIMIDO primeiro
Deltan – 20:03:00 – Ok
Deltan – 20:03:32 – Ok, obrigado, vou ligar

A Veja afirma que localizou os dois personagens ocultos da história: o técnico em contabilidade Nilton Aparecido Alves, de 57 anos, e o empresário Mário César Neves, dono de um posto de gasolina. Os dois vivem em Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul.

Leia também:  OAS assina leniência e paga multa bilionária para voltar aos contratos públicos

O primeiro, é dono de um escritório onde é conhecido por trabalhar em negócios relacionados a terras, nem sempre lícitos. A revista conta que, em agosto do ano passado, agentes do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) em Mato Grosso do Sul fizeram uma operação de busca e apreensão na casa de Nilton e recolheram escrituras, agendas, extratos bancários e pen drives.

A ação não tinha relação com a força-tarefa da Lava Jato em Curitiba. O Gaeco cumpria mandado de uma ação onde Nilton é investigado por corrupção por negociar pagamento de propina com uma organização criminosa especializada em fraudar impostos que desfalcou o Estado em 44 milhões de reais entre 2015 e 2018.

A reportagem da Veja chegou a falar com Nilton, nesta quarta-feira (26), mas o técnico de contabilidade não quis conversar. “Não sei por que meu nome está nessa história. Alguém deve ter falado alguma coisa errada”.

A revista lembra que durante os governos de Lula, viralizaram na internet boatos sobre supostos negócios imobiliários envolvendo seus filhos.

O segundo personagem oculto envolvido no diálogo entre Moro e Dallagnol, o empresário Mário César Neves, diferente do primeiro, aceitou conversar com a reportagem da Veja na quarta. Ele confirmou que foi procurado, em dezembro de 2015, por um representante do Ministério Público Federal que lhe pediu informações sobre Nilton Aparecido.

“O pessoal do Ministério Público me ligou, não sei mais o nome da pessoa, mas ela queria saber quem era o Nilton, que serviços ele prestava e como poderia encontrá-lo”, contou o empresário.

Leia também:  Para aliados de Aras, decisão de Toffoli é benéfica para PGR

Perguntando se ouviu também que o técnico de contabilidade teria feito algum negócio com um dos filhos do ex-presidente, Mário disse desconhecer o assunto. “Eu soube que o Nilton foi chamado para prestar depoimento logo depois dessa ligação para mim”, disse confirmando, porém, que repassou para os procuradores o endereço e telefone de Nilton.

Ainda segundo a Veja, o empresário acrescentou que soube do boato envolvendo a família Lula por meio de funcionários do escritório de Nilton.

A comprovação de que Moro instruiu diretamente um dos lados da ação – nesse caso o órgão acusador, Ministério Público Federal – confirma que o então juiz abandonou a posição de imparcialidade, agindo diretamente contra o Código de Processo Penal. O reconhecimento de que a força-tarefa da Lava Jato não apenas ouvia, mas seguia as orientações do juiz pode levar à suspeição de Moro e, com isso, a anulação dos processos.

O cenário, entretanto, depende do Supremo Tribunal Federal que deve retomar o julgamento dos recursos da defesa de Lula em agosto. Para ler a matéria da Veja na íntegra, clique aqui.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

9 comentários

  1. Esse semianalfabeto que se passava por juiz acreditava nas fake news para acusar o presidente Lula!!! Não me admirarei se aparecerem evidências de que esse semovente de primeira instância mandou investigar a compra da Havan pela filha da presidente Dilma e da Friboi pelo “Lulinha”.

    11
    • Luis Nassif
      Não tem como não rir. Explico:
      Fui assistir a TV GGN do dia 27 pela minha tv smart via youtube e a propaganda de inicio era da Havan, e a palavra chave da tal propaganda era fake news.

      1
      1
  2. O Gringo de Ouro anunciou para hoje a tarde mais um petardo contra Moro & Cia.Não se sabe se em direção a nuca,meio da testa ou no meio do músculo cardíaco .O melô do pisca pisca está tocando sem parar nas redações moristas.Tem um site oficial da turma que cogita trocar o nome para ” O Pregista”.Vão ter que buscar os serviços de um Urologista para aguentar tanta trolha.

  3. Como neste caso devem constar nos depoimentos da ‘Farsa a Jato’ inúmeros falsos testemunhos, desde que fossem para incriminar o ex-Presidente Lula. Num país onde o sistema judicial fosse sério, haveria necessidade de se atestar a idoneidade de todas as testemunhas que depuseram para o MP contra Lula. Mais uma prova de que, no caso das acusações inventadas contra o ex-Presidente, teria que ser tudo anulado e, pela evidente suspeição do ex-juizeco e dos “procuradores”, questionada por quase todos os advogados dos acusados, a ‘Farsa a Jato’ deveria ser sumariamente extinta por estar evidente que foi um dos principais atores de uma Conspiração Política para depor ilegalmente a Presidenta Dilma e encarcerar, mais ilegalmente ainda, o Presidente Lula.

  4. Lula não vai ser solto por motivo algum. A prisão dele já foi delineada há muito tempo. E os motivos não importam e nunca importaram!!!

  5. Esse juiz Moro é muito cara de pau. Ele sim é um ENGANADOR, devia ser ator, o tempo todo fingindo ser Justo e imparcial; como pode ele julgar a outros com essa conduta! como pode ele falar que Lula enganou todo um país. ELE FEZ O MESMO! “herói” só se for da DESFASATEZ.

  6. Seria melhor, para a instituição do judiciário, que todos se rendessem imediatamente. Assim poderiam ter a pena reduzida e ainda diminuiria o vexame que o tamanho da vergonhosa mancha deixaria, caso insistam na absurda, arrogante e insistente tese de alegação da inocência.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome