A expansão repentina dos negócios da família Dallagnol

Não há evidências dessa operação. Mas há informações oficiais de sobra de uma grande abertura de empresas de roupas por familiares de Deltan, todas tendo sido abertas no mesmo dia 07/06/2021 e tendo como sócia principal sua irmã Edelis Martinazzo Dallagnol, o pai Agenor Dallagnol e a mãe Vilse Salete Martinazzo Dallagnol.

No dia 7 de novembro passado, o procurador Deltan Dallagnol pediu demissão do Ministério Público Federal. Houve duas especulações sobre a saída repentina. A primeira – desmentida por ele – é que sairia candidato a algum cargo eletivo. A segunda – repetida à boca pequena por adversários – é que teria dificuldades em explicar o aumento patrimonial ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).

De fato, em setembro de 2018 – em pleno apogeu da Lava Jato – Deltan comprou um apartamento em um prédio de luxo de Curitiba, um por andar, pelo valor de R $1,8 milhão, pago em duas parcelas. O apartamento tem 393 metros quadrados, mais 4 vagas na garagem, totalizando quase 600 metros quadrados.

Dois anos depois, segundo levantou Joaquim de Carvalho no Brasil 247, um imóvel no mesmo condomínio estava sendo vendido por R$ 3,1 milhões.

No dia 12 de julho passado, a esposa de Dallagnol arrematou um segundo apartamento no mesmo edifício Plymouth Hills. Pagou R $2,1 milhões em um leilão judicial.

Especulava-se como iria bancar suas despesas, já que apenas com condomínios dos dois apartamentos chega-se a um valor superior a R$ 10 mil mensais.

Boatos que correram em Curitiba davam conta que ele teria adquirido quatro franquias da Hering para sua esposa. Os boatos podem ter nascido das atividades de sua irmã, Édelis Martinazzo Dallagnol.

Em seu perfil no Linkedin, Édelis se apresenta como especialista “Gestão Comercial e de Marketing, Gestão Financeira; Contratos; Desenvolvimento de Negócios Internacionais; ESG; EHS; Desenvolvimento e Gerenciamento de Projetos (Sociais e de Meio Ambiente)”. No Escavador, é apresentada como formada em Direito e em Veterinária e Zootecnia, sua formação principal, de acordo com o currículo Lattes.

Mas a atividade principal, em período integral, é a de gestora do Hering Kids de Curitiba. Na página da empresa, fica-se sabendo que se trata de uma “extensão infantil da renomada Hering, voltada ao publico de 0 a 16 anos, a Hering Kids Curitiba apresenta uma rede independente de lojas. A marca é reconhecida pelas suas roupas de qualidade e extremo conforto, com produtos para que a criança viva na prática uma infância plena e saudável”. É uma rede com – coincidentemente – quatro lojas em shoppings da cidade.

Segundo o perfil de Élida, seu trabalho por lá começou em julho deste ano.

No mês anterior exatamente no dia 7 de junho de 2021, foram abertas várias empresas, todas em nome de Élida, do pai Agenor Dallagnol e a mãe Vilse Salete Martinazzo Dallagnol.

No mesmo dia foram abertas as seguintes empresas:

  • Breakout Comércio de Confecções Eireli, de propriedade de Edelis.
  • Chelsea Comércio de Confecções Ltda, com capital social de R $250.000,00 tendo Edelis e Sofia Ribeiro Dallagnol como sócias.
  • Sunray Comércio de Confecções Ltda, tendo como sócios Vilse e Agenor e capital social de R$ 350 mil.
  • Cherish Comércio de Confecções Eirelli, de Édelis e Vilse, com capital social de R $ 450 mil.
  • Sunray Comércio de Confecções Ltda, de Édelis e Vilse.

Alguns dias depois, em 29.06.2021 Fernanda Mourão Ribeiro Dallagnol – esposa, com quem Deltan é casado em regime de comunhão parcial de bens – abriu a empresa Delight Consultoria Gerencial e Empresarial Eirelli, com capital social de R$ 110.000,00. E poucos dias depois, adquiriu em leilão da Caixa Econômica Federal um imóvel de escritório, no Edifício Vega Business Center pelo valor de R$ 143 mil. Todos esses negócios realizados em um mesmo curto espaço de tempo.

Fernanda é sócia, desde 2010, da empresa Sanegraph Serviços de Informática, uma pequena empresa que desenvolve softwares na área de saneamento e tem como cliente preferencial prefeituras do Paraná e também a Fundação Nacional de Saúde.

Antes mesmo dessa maratona de novas empresas, em 13.12.2018 foi aberta a empresa Breakout Comércio, Importação e Exportação de Artigos Esportivos e de Saúde Ltda., de propriedade de Édelis e Vilse Dallagnol. Pouco antes, de acordo com mensagens captadas pela Vaza Jato, Deltan teria comentado com a colega Thamea Daleon as boas relações que tinha com a Unimed, que o contratou para várias palestras bem remuneradas.

Segundo reportagem da Folha,

“Em julho de 2016, Deltan trocou mensagens com a procuradora da República em São Paulo Thaméa Danelon sobre uma operação que ela estava coordenando contra o superfaturamento na aquisição de equipamentos para implante em doentes com mal de Parkinson.

Após comentar sobre a melhor forma de divulgar a operação, Deltan sugeriu que a procuradora aproveitasse o tema de fraude na área da saúde para montar uma palestra para a empresa de planos de saúde Unimed, uma das que mais contratou o procurador nos últimos anos”.

É possível que parte dos investimentos tenha sido bancado pelos pais de Deltan, que se envolveram em indenizações vultosas e polêmicas junto ao Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária). É possível que não.

Segundo o portal “De olho nos ruralistas”, em 2016 foram efetuadas desapropriações de terras na Amazônia, já no governo Temer. Segundo o portal, o INCRA teria identificado irregularidades nas desapropriações e abriu processo para recuperar o dinheiro. Dos R $41 milhões liberados. pelo menos R $36,9 milhões foram para a família Dallagnol. em um total de 14 pessoas, incluindo eu pai Agenor

 O processo do INCRA contra Agenor começou em 5 de maio de 2020, no Tribunal Regional Federal da 1a Região e está pronto para decisão.

No material divulgado pela Vaza Jato. Deltan antecipava seus planos de montar novos negócios em nome de terceiros, para não despertar críticas. Ele e o colega Roberto Pozzobon montaram um grupo de WhatsApp exclusivamente para discutir os novos negócios. Nas discussões planejam uma empresa de eventos, mas colocado em nome das esposas.

15 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Zenzica

- 2021-11-29 12:27:11

Seria importante ouvirmos o que o Tacla Duran teria a dizer....

Rosimar Gonçalves

- 2021-11-29 11:29:19

Adoro as investigações feitas pelo senhor!!

Gervásio

- 2021-11-29 08:13:13

Deltan já tem um Powerpoint pra chamar de seu! Eita família empreendedora! É um laranjal que não resiste a uma lufada de minuano.

Magnus

- 2021-11-28 23:20:15

Vai em cima deles Nassif!

Mauro Jose Cavaletti

- 2021-11-28 20:12:31

Pobre de nós que clamamos por justiça, quando ela própria possui algozes que, bradando contrários à corrupção, encontram apoio da grande mídia para a parcialidade que vemos ao levantar o tapete. Quem nos salvará da (in)justiça? Poderes corrompidos entre si.

Nao interessa

- 2021-11-28 20:11:26

Esse é mais um ladrao. Hipocrita. Se for mais longe, ele é e o canalha Moro, sao os maiores ladroes do pais. E ainda existem idiotas que idolatram esses criminosos. Mas, como faz parte da cultura, isso nao dara em nada mesmo se é certo que tem muito roubo por tras disso tudo. Quem faz o que fez com Lula é capaz de fazer até o que o diabo duvida. Alias, o demonio, porque o diabo é ele mesmo.

Arlindo henning

- 2021-11-28 20:04:18

Me fez lembrar da família metralha do gibi do tio patinhas,

AMN

- 2021-11-28 18:26:39

Muito boa a matéria e o trabalho investigativo ... Só uma sugestão, porque não instalam o Disqus no site pra os comentários, seria ótimo e aumentaria inclusive a participação e consequentemente a frequência! https://disqus.com/

AMBAR

- 2021-11-28 15:43:00

Todo o servo de deus prospera. Dalanhol, além procurador também era (é?)pastor. Sob a proteção divina conquistou seu galardão. Só falta registrar a "Orange Trust" nas ilhas Cayman. Se há uma coisa que o dalanhol conhece, ensina, (e agora pode praticar) é como se desvia, se lava e se ganha dinheiro, evitando os incômodos impostos. Nosso país é fecundo em desenvolver parasitas.

abelardo

- 2021-11-28 14:28:30

Parece que a raiz da delinquência não está no nome, mas deixa sinais terríveis de que está no sobrenome, que é a marca familiar. Vejo uma família junta e misturada, em nome ganância, da ambição, de crimes, da delinquência e, talvez, praticando muito mais sujeiras do que possamos imaginar.

Rafael ramos

- 2021-11-28 14:20:32

Delta, Robito, Tamis… todos filhos do Januário… todos muito estranhos, mas há quem diga que tudo foi para combater a corrupção

Antônio Uchoa Neto

- 2021-11-28 13:29:44

Aquele que ainda não entendeu do que se trata, peça emprestada ao Moro um pouquinho de cognição sumária

RENATA

- 2021-11-28 12:30:04

Gente perigosa... Na matéria do Joaquim de Carvalho citada pelo GGN sobre o mesmo assunto, o apto que a mulher do Deltan arrematou no condomínio de luxo pertenceu a um político condenado por corrupção - envolvendo o Youssef - e que foi assassinado (encontrado no porta-malas de um carro numa estrada rural de Maringá). Um advogado tinha sido denunciado no mesmo caso - no escritório do qual Moro foi estagiário. Moro depôs a favor dele e o advogado não sofreu nada. Já observaram que há décadas, desde o Banestado, onde há Moro há Youssef e onde há Youssef há Moro?

Vladimir

- 2021-11-28 11:32:47

Isso é perseguição para esconder ogrande crime do barquinho de lata.

Edivaldo Dias de Oliveira

- 2021-11-28 10:31:45

Quadrilhão de Curitiba desovando os ganhos.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador