Banco Mundial desenvolve projeto pioneiro de monitoramento da seca no Brasil

O Banco Mundial está promovendo uma iniciativa no Brasil para a instalação do primeiro sistema nacional de monitoramento constante da seca, que deverá funcionar no Ceará, um dos estados mais secos do país.
 
O climatólogo norte-americano Donald Wilhite está à frente do projeto e afirma que os dados coletados vão ajudar na construção de políticas públicas para solucionar o problema. Por isso, as autoridades devem estar atentas às secas para promover mudanças no planejamento e na gestão de crises.
 
“Limitar-se a reagir a elas é muito custoso e tem outras consequências negativas, não só para as pessoas, mas para os vários setores econômicos”, enfatizou o climatólogo.
 
Mais de dois bilhões de pessoas sofreram com as secas no último século e 11 milhões morreram em função delas, segundo a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), que alerta para o fato de que a seca causa tantas ou mais perdas de vida e bens materiais do que qualquer outro fenômeno natural, como furacões e terremotos.
 
Para prevenir qualquer tipo de desastre natural, Wilhite afirma que a comunicação é muito importante. “Os meios de comunicação não só devem informar sobre a seca, mas sobre o processo de planejamento contra esses desastres. Diferentemente dos cientistas, os jornalistas sabem transmitir as mensagens de forma que as pessoas as entendam”, declarou.
 
O especialista destaca ainda que a prevenção é um processo longo e que esboçar um plano concreto com as autoridades brasileiras deve levar em torno de seis meses.
 
Segundo ele, “é preciso tempo para integrar tanta gente e para que todo mundo entenda o problema. E ainda mais tempo para desenvolver as ferramentas para a ação”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome