Jornal GGN – “Leio os jornais para saber o que eles estão comendo, bebendo, e fazendo. Quero viver muito para ter tempo de matar todos eles”. A frase dá mostras dos versos crus e únicos de José Rubem Fonseca, esta publicada no livro “O Cobrador”, em 1979.

A última publicação do escritor que hoje faleceu, aos 94 anos, foi “Carne Crua”, há dois anos, com 26 contos e poemas. Vinha depois de Calibre 22, de 2017, Histórias Curtas, de 2015, e Amálgama, de 2013. Nem ao completar 85 anos deixou de escrever, lançando em 2011 o seu último romance, “José”.

Além de romancista e contista, também explorava os ensaios e roteiros. Rubem Fonseca, ou Zé Rubem, como era chamado pelos mais próximos, faleceu na tarde de hoje, após sofrer um infarto em seu apartamento no Leblon. Não resistiu ao chegar ao hospital Samaritano.

Além de “O Cobrador”, suas obras são clássicos da literatura brasileira, sendo considerado um dos maiores contistas do final do século XX do país. Da ironia ao policialesco, ou narrativas de violência, não recuava no que queria dizer.

Como “rir é bom, mas pode foder a vida de uma pessoa”, no conto Belos Dentes e Bom Coração, do livro Secreções, Excreções e Desatinos, 2001, ou “a coerência é uma característica vegetal que eu felizmente não possuo”, em A Grande Arte, de 1983, ou “um ladrão é considerado um pouco mais perigoso do que um artista”, em O caso Morel, 1971, o primeiro de seus romances.

Leia também:  Benko, o João que dignificou Abadiânia (GO), por Marcelo Auler

E foi também no livro “O Cobrador” que José Rubem Fonseca versou em poema que “a História é feita de gente morta/ e o futuro de gente que vai morrer”. Ao colunista Lauro Jardim, um familiar contou que ao falecer, não sofreu, ele “simplesmente apagou, como um passarinho”.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Fantástico Rubem Fonseca. Há certo paralelo com Charles Bukowski e, ambos contemporâneos. Mas Rubem ganhou o prêmio Luis Vaz de Camões. Contista da perspectiva dos desajustados numa sociedade que tem a pretensão de ajustar a todos. O livro de contos Elas e Outras Mulheres é um libelo feminista. Um filme do Butão (https://en.wikipedia.org/wiki/The_Red_Phallus) poderia participar, com enredo também de emancipação da mulher. Eis a sincroniCIDADE dos gênios…

  2. Putz! Quase morro lendo Feliz Ano Novo …. percebi que eu tinha que respirar de vez em quando ….

    E, aos 94 do segundo tempo sacaneia todo mundo: Não morre de coronavirus …
    Os estagiários vão ter que ler uns livros dele para fazerem editoriais aahahahaha

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome