Gabeira, de apoiador de Bolsonaro ao álibi da culpa coletiva, por Luis Nassif

Ou explicar as esperanças que tinha em Bolsonaro. E se teria algo a ver com negócios da privatização, com o fim da Petrobras e outras bandeiras tão caras aos EUA.

Admito que tenho implicância pessoal com o “carteiraço”, o sujeito que arrota currículo para impor conclusões pessoais sobre temas complexos, sem se dar ao trabalho de explicar as conclusões. Grande parte do meu trabalho, como jornalista econômico, foi rebatendo os “carteiraços” dos sábios da economia.

Um dos “carteiraços” mais frequentes é no jornalismo. O fato de uma análise sair publicada em veículo de grande tiragem confere autoridade moral ao autor. Os jornalistas mais superficiais se vêem à vontade para arrotar as maiores impropriedades, sem necessidade de mostrar evidências, correlações entre fatos e conclusão.

Dentre todas as formas de “carteiraço”, nenhuma me irrita mais do que o sujeito se colocar na cátedra do veículo e anunciar, solene como um personagem de Eça de Queiroz, que tal conclusão é “teoria conspiratória”. Ele não estuda  o caso, não se dá ao trabalho de pesquisar, não junta elementos para questionar conclusões “conspiratórias”. Assim como um Power Point de Deltan Dallagnol, ou o argumento de um antivacina, ele tem convicção sobre o que diz. E basta!

Não lhe peça para amparar sua conclusão em evidências, observações empíricas, estudos. Se é teoria conspiratória, ele não precisa comprovar nada. É teoria conspiratória, e ponto final, diria ele e dirá o defensor da cloroquina.

É o caso de Fernando Gabeira em sua coluna de hoje em O Globo. Nela, pretende explicar as causas da ascensão de Bolsonaro, sem a menor autocrítica sobre seu papel.

Primeiro, ironiza as chamadas teorias conspiratórias:

Alguns acham que a ascensão de Bolsonaro foi produto de um golpe, envolvendo os americanos, mercado financeiro, Faria Lima e o escambau.

Depois, diz que não quer polemizar. Como assim?

Não quero polemizar. Acho que foi uma escolha popular equivocada, resultante dos erros na democratização. 

Ótimo! E quais erros? O máximo que ele avança é que “os erros foram nossos mesmo”. Não explica nada, não interpreta nada, mas garante que:

Minha interpretação no mínimo contém mais esperança: se tudo aconteceu como fruto dos nossos erros, é possível corrigi-los e evitar uma recaída. Americanos, mercado financeiro e Faria Lima são variáveis que não podemos modificar com facilidade.

É fantástico! A “minha interpretação” não tem nada, um dado sequer a não ser o genérico “nossos erros”. Já basta para que seja muito melhor do que as análises sobre o conjunto de fatores que levou ao desastre Bolsonaro.

Quando se aponta a influência americana no golpe, o que os críticos pretendem? Modificar a geopolítica americana? É evidente que não. O que se pretende é apontar os nossos erros de não termos levado em conta a influência do mercado e do Departamento de Estado e de Justiça no golpe do impeachment.

Mas, para Gabeira, 

A derrota torna atraente a teoria da conspiração. 

Como derrota? Gabeira foi um dos vitoriosos na campanha do impeachment. Para reforçar seu argumento, recorre à malandragem dos falsos paralelismos.

Até o Iluminismo foi interpretado como um complô, assim como a Revolução Francesa, a Independência Americana. Maçons, cavaleiros templários, diferentes vilões desfilaram pela História.

Todos os estudos sobre o papel da maçonaria – inclusive na Proclamação da República – são jogados na vala dos “vilões” para ele reforçar seu não argumento e transformar todos os estudos sobre geopolítica em história da Carochinha.

Se o iluminismo foi palco de teorias conspiratórias, é óbvio que as teorias sobre o impeachment só podem ter sido palco de teorias conspiratórias. Entenderam o paralelismo? Nem eu,

Para questionar a “teoria conspiratória”, Gabeira deveria encontrar uma explicação para episódios conhecidos, invocados pelos adeptos da conspiração, em vez dessa generalização de “nossos erros”. Deveria proceder a uma autocrítica sincera.

* o jornalismo de ódio que gerou a Lava Jato e criminalizou a política;

* o golpe do impeachment, que destruiu o precário equilíbrio institucional da Constituinte;

* a subordinação clara da Lava Jato ao Departamento de Justiça dos EUA. Que tal uma boa explicação para a manchete do seu jornal?

* a imposição da Ponte para o Futuro no golpe. Seria conveniente Gabeira encontrar uma explicação para a manchete abaixo.

Poderia também, apresentar uma boa explicação para a ida de seu correligionário Aloysio Nunes aos Estados Unidos, para conversas com “autoridades governamentais” assim que se consumou o golpe do impeachment.Que autoridades? Que conversas foram essas?

Ou ainda, explicações sobre os documentos da Wikileaks, mostrando seu líder José Serra negociando com a Chevron o fim da lei da partilha. E, assim que o impeachment foi aprovado, a corrida de Serra e Eduardo Cunha para ver quem entregava primeiro o butim.

Wikileaks

Ou poderia explicar a seguinte mensagem enviada pelo Procurador Geral ao Congresso americano.

Inclusive o parágrafo final:

“Por uma questão de política e prática de longa data, o Departamento não pode fornecer informações sobre aspectos não públicos destes assuntos, nem pode o Departamento divulgar detalhes não públicos de outros assuntos”.

Se não for ocupar muito o tempo de Gabeira, sugiro assistir os 5 capítulos de “Lava Jato, Lado B”, onde explicamos didaticamente como os Estados Unidos montaram sua geopolítica com base na parceria com Judiciário e Ministério Público de países como o Brasil. Quem sabe pare de falar bobagens sobre teorias conspiratórios, ou tratar as conspirações da CIA como histórias da carochinha,

Quem foi Gabeira no golpe

Finalmente, poderia explicar as seguintes posições que tomou, ou em uma autocrítica sincera ou em uma justificativa lógica. Será a maneira de justificar o título de seu artigo.

O golpe e a demonização da política foram fatores essenciais pra a ascensão de Bolsonaro. À luz das informações atuais, o que Gabeira teria a dizer dessa sua entrevista?

Poderia explicar seu papel na polarização e no discurso de ódio que alimentaram o bolsonarismo.

Ou na imprudência de brincar de chefe das massas, crente de que, dali para frente, elas continuariam obedientes aos golpistas.

Ou explicar as esperanças que tinha em Bolsonaro. E se teria algo a ver com os negócios da privatização, com o fim da Petrobras e outras bandeiras tão caras aos EUA. É incrível o que a perda de referências provoca nas pessoas, a ponto de um ex-guerrilheiro fazer profissão de fé em um vulto dos porões.

29 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Cássio Junior Coelho

- 2022-02-08 08:24:25

Eu penso que o Gabeira tinha um certo Mefo de morrer pobre e não poder revisitar a América ! É uma lástima este senhor !!

Alda Socorro Tito

- 2022-01-13 17:55:34

Mas sabemos que esses esclarecimentos não virão. Importante que você trouxe à tona essas questões.

Alda Socorro Tito

- 2022-01-13 17:53:49

Deplorável!

Antônio Miranda

- 2022-01-12 19:57:58

Dizem que esse quinta coluna já atuava contra a esquerda desde sua época de "guerrilheiro".

José Rubens Ortega

- 2022-01-09 21:40:15

Mais uma das melhores análises sobre a politica no Brasil recente e o seu jornalismo destrutivo dos grandes conglomerados de mídia, a começar pelo veículo de comunicação que o "metamorfoseado" Fernando Gabeira se encontra hoje em dia. Fazendo a sua parte para defender a politica partidária e neo-liberalista de seus patrões. Vá se danar Gabeira.

FRANCISCO MARTINS BENVINDO

- 2022-01-09 09:52:08

Excelente. Desmascara o jogo traidor de Gabeira, que virou a Casaca desde "O QUE É ISSO COMPANHEIRO.

Orlei de Jesus Lopes

- 2022-01-08 16:07:18

Parabéns Nassif por tão elucidadora reportagem que contrapõem de forma objetiva, histórica, coerente com os fatos e principalmente, pondo os pingos nos "is" visto que não podemos nem devemos mais ficar refém de colunistas, como Gabeira que se ancoram em grandes veículos de comunicação e dele fazem seu palco, parecendo desmerecer a memória histórica dos fatos e acontecimentos que mostraram e bem de que lado Gabeira esteve o tempo todo e o orgão de imprensa que ele é colunista. Parabéns Nassif pelo serviço que presta com seu artigo num momento tão necessário para os cidadãos e cidadãs renovarem suas esperanças no Jornalismo enquanto atividade profissional que presta um grande serviço a população, pois os que não fazem isso, a história algum dia se encarregará de dizer em suas linhas, quem foi quem. Parabéns Nassif!

JOSE GERALDO VIEIRA DA COSTA

- 2022-01-07 11:33:02

Meu herois morreram de overdose...Gabeira morreu de caduquice!!!!

ze sergio/sorocabanoburaco

- 2022-01-06 20:34:23

AntiCapitalismo no bolso dos outros é refresco". Aloísio Nunes foi aos EUA entregar o Brasil, cobrando a isenção de Paulo Preto nos Processos das Cortes NorteAmericanas. "Fica de bico calado" que Beiçola garante o Arquivamento daqueles 150 anos de Condenações no Brasil. O resto a Imprensa Marron doutrinará que foi invenção de Moro e Dellagnol. É didático acompanhar estes "Pasquin's" reformando o Revisionismo Histórico tornando Párias Criminosos em Vitimas e Perseguidos. Não é mesmo Sérgio Cabral? Papai já fazia isto há décadas !!! Pobre país rico. Mas de muito fácil explicação.

ze sergio/sorocabanoburaco

- 2022-01-06 20:31:57

É cômico e surreal ler as teorias da Imprensa Esquerdopata-Fascista tentando não explicar nada para tudo ficar sem explicação. Entenderam? Nem eu !!!! Gabeira, o Terrorista Maoísta Sequestrador das Células Comunistas? Ou Aloísio Nunes, outro Terrorista Marxista? X9 que entregou o Comparsa Bandido Marighella?!! Ou José Serra, o "Menino" da UNE que sai Estudante da Moóca e volta AntiCapitalista Socialista dos Jardins?!! Mercado Livre para "Filhota Italiana"? Tudo culpa do Bolsonaro !! Precisamos impedir este Negacionista !!!!!

Sonia Nobre

- 2022-01-06 03:24:54

Excelente

Max Rangel das Neves

- 2022-01-05 22:39:36

Excelente contraponto jornalístico!

Horacio Perez

- 2022-01-05 17:45:52

Claro que Gabeira considera o golpe contra Dilma uma teoria conspiratória. Pelo elementar motivo de que ele fez parte dessa conspiração. Foi um golpe midiático/judiciário/parlamentar (nessa ordem), e ele fez parte da trama como jornalista da Lawfare.

Fabio Nin

- 2022-01-05 11:34:27

O Gabeira está naquela categoria dos que se transformam em meros fantoches de si mesmos, negando e renegando tudo aquilo em que um dia disseram acreditar. Se os meios podem e devem ser discutidos, eles parecem ter se afastado definitivamente dos fins. Um Brasil mais justo, fraterno e soberano agora parece algo “demodé” e para eles, passado, já que agora estão ombro a ombro com aqueles que disseram combater. A lista é longa, longuíssima e não para de crescer. Começando pela prima também jornalista, agora um exemplo de reacionarismo, ainda por cima mal-humorado.

Patricia Porto da Silva

- 2022-01-05 10:09:12

Concordo. Tem a ver. O Gabeira hoje é um “empregadinho” das organizações Globo, um pau mandado da corte Roberto Marinho. Muito bom o Luís Nassif, sempre coerente e inteligente. Excelente trabalho, o de reunir publicações e declarações do passado recente, inclusive mostrar a participação de Gabeira no movimento pro-impeachment, além de porta-voz do ódio indiscriminado destilado pelo jornalismo global contra a política e os políticos - na verdade, uma estratégia para manter a população manipulada por suas reportagens tendenciosas, seus estereótipos e preconceitos, sua fidelidade ao capital e seu desprezo pelos interesses da empobrecida e oprimida população brasileira.

Roberto Monteiro

- 2022-01-04 16:04:07

Aguardando sentado uma réplica do bananeira...

Rui Daher

- 2022-01-04 11:42:25

Primeiro o gesto e a feição de pensador grego. Para falar mal de Jair, primeiro, nos lembra de suas divergências com o PT. Depois, na sua concepção rasa, desconsidera que toda mudança política requer “underground “ uma conspiração de grupos organizados da sociedade. Daí cada vezmais raros os bons jornalistas em suas análises.

Vladimir

- 2022-01-04 11:02:29

Esse sujeitou não se conformou com sua saída do PT. Achou que seria notícia e sequer foi recebido pelo então ministro chefe da casa civil,José Dirceu. Ficou magoadinho e preferiu ser prostituta velha da mídia golpista. Lá,pelo menos,está entre os seus. Não vale nada,como nunca valeu.

altamiro

- 2022-01-03 23:09:54

não consigo o direito o texto escondido restando um fio de pg para le-lo....

Angelo Giordani Frizzo

- 2022-01-03 22:35:09

Já começou ! A partir de agora, 2022, a globo vai "trabalhar" junto com o resto da "imprensa que se auto proclama LIVRE" para construir um candidato da situação, CAPITALISTA , que continue esse regime de destruição da Esquerda e do SOCIALISMO(PALAVRA PROIBIDA NA NOSSA IMPRENSA) implantado com ajuda da CIA e dos interesses multinacionais americanos nos Países da América Latina e culminaram com o GOLPE de 2016. Depois dos GENOCÍDIOS que mataram milhões de Árabes nos últimos 20 anos os agentes do "norte" estão livres para usar toda sua tecnologia e experiência para acabar com Lula e o PT. Prestem atenção...

Tulio Guimarães

- 2022-01-03 19:09:34

decrepito gabeira de pseudo guerrilheiro combatendo o autoritarismo do regime militar a um pseudo comentarista politico, um fala-bosta.

Nelson Viana dos Santos

- 2022-01-03 19:09:24

Parabéns, Nassif, pelo artigo. Em 2018, recordo claramente a "entrevista" na qual essa figura e sua colega Miriam Leitão, ouviram do troglodita que está na vice-presidência que o torturador Ustra era um herói. Eles, que tiveram antigos companheiros torturados e assassinados permaneceram completamente calados. Tudo pelos milhares que recebem dos patrões. Capachos que estão disponíveis para qualquer coisa. Sempre penso que uma coisa a ascensão do fascismo trouxe de bom: desmascarou muitos canalhas, que aderiram sem um pingo de vergonha à barbárie.

EDIVALDO DIAS DE OLIVEIRA

- 2022-01-03 18:43:58

Franklin Martins já o tinha desbancado de pois de seu livro clássico, dizendo que o mesmo não passava de Office Boy da operação de que ambos participaram e que não tinha a importância que se deu no livro

Mário Latino

- 2022-01-03 17:57:40

No livro ele se coloca como líder da ação, quase o mentor intelectual do operativo, sendo que não passava de um reles colaborador.

SOLANGE PEREIRA BASTOS

- 2022-01-03 17:03:43

Muito bom. Nassif continua sendo uma luz no jornalismo. Obrigada

Octavio Lacombe

- 2022-01-03 14:16:56

Na mosca, Nassif. Quantos mais jornalistas como Gabeira ainda "passam pano" para seu próprio papel na destruição do país.

Ricardo Godinho

- 2022-01-03 13:47:03

Gabeira é uma daquelas pessoas estranhas, que começam a vida como uma coisa e terminam como o oposto. Já li depoimentos sobre ele no episódio do sequestro do embaixador americano que desmentem de cabo a rabo o relato que fez em "O Que É Isso, Companheiro?". Era um playboyzinho zona sul (sei lá se é verdade...) que calhou de estar ali porque era o único que falava algum inglês pra poder se comunicar com o diplomata. No fim das contas, ele se encontrou. Sempre foi o que é hoje, um burguês reaça, apenas, na juventude, se mantinha dentro do armário...

Tulio Muniz

- 2022-01-03 12:58:55

Gabeira, o que já foi um companheiro...

Fabricio Tavares

- 2022-01-03 12:56:12

Gabeira poderia começar explicando o seu silêncio covarde diante do general Mourão, quando este admitiu sem rodeios a possibilidade de um autogolpe durante sabatina na Globonews poucas semanas antes da vitória de Bolsonaro.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador