Israel e o nazijornalismo ocidental, por Fábio de Oliveira Ribeiro

Durante sua devastadora campanha aérea contra a Sérvia, a OTAN e os EUA bombardearam estações de TV e de rádio que existiam no país. A justificativa dada para atacar alvos civis foi absoltamente singela: as empresas de comunicação ajudavam a sustentar o regime infame de Radovan Karadžić que estava movendo uma guerra de conquista territorial mediante limpeza étnica.

Gaza tem sido diariamente bombardeada por Israel. Mais de mil de civis foram mortos, centenas de crianças inocentes tiveram suas vidas ceifadas em virtude de terem cometido apenas um crime: nascer em Gaza de pais palestinos. A Reuters e outras fábricas de consenso que ajudam a formatar a opinião global sobre o conflito geralmente justificam o “ponto de vista” israelense.

Quando não minimizam as baixas entre civis palestinos dizendo que os mortos e mutilados são “danos colaterais”, os jornalistas culpam o Hamas por ter atacado Israel autorizando o país a contra-atacar. Os dois lados são tratados como se fossem iguais, muito embora Israel tenha centenas de aviões e tanques de guerra e Gaza não tenha nem mesmo armamentos para repelir os sofisticados e devastadores ataques mecanizados israelenses.

Apenas para exemplificar o modo de operar dos jornalistas brasileiras em favor de Israel citarei o caso do Jornal da Gazeta. Hoje o telejornal informou que bombas de israelenses caíram numa usina de energia elétrica de Gaza deixando os palestinos sem eletricidade. Disse também que o Hamas disparou mísseis contra alvos em Israel. O foco da matéria em relação aos palestinos foi a intenção do Hamas (chamado de grupo terrorista) de atingir alvos israelenses, mas a intenção de Israel de deixar quase toda população de Gaza sem eletricidade é disfarçada pelo discurso jornalístico. Ao dizer que “bombas israelenses caíram” na usina de energia o Jornal da Gazeta sugeriu ao  respeitável público que isto pode ter ocorrido por acidente (o que evidentemente é um absurdo, pois Israel está usando armamentos precisos e sofisticados made in USA).

O jornalismo sérvio foi considerado culpado por ter ajudado Radovan Karadžić . Quem culpará o jornalismo ocidental por ajudar Israel a produzir um genocídio infantil em Gaza? Esta pergunta nem mesmo é feita. Nada do que os jornalistas ocidentais façam pode ser considerado crime. Eles ajudaram os EUA a invadir o Iraque repercutindo as mentiras contadas pelos habitantes da Casa Branca e do Pentágono sobre as “armas de destruição em massa” de Saddan Hussein. E não foram responsabilizados por terem tocado os tambores de guerra para justificar a injusta agressão militar norte-americana.

Fomos enganados, disseram alguns jornalistas depois que ficou provado que o Iraque havia desmantelado completamente seus programas de “armas de destruição em massa” 4 ou 5 anos antes da invasão comandada por George W. Bush Jr. e sua quadrilha de assessores igualmente mentirosos. Centenas de milhares de iraquianos foram mortos e mutilados desde 2003. A tortura se tornou uma realidade fotográfica compartilhada na internet pelos próprios torturadores. Os jornalistas norte-americanos fizeram um acanhado mea culpa e foram receber seus cheques gordos no final do mês como se não tivessem cometido qualquer crime.

Neste exato momento os jornalistas europeus, norte-americanos e alguns de seus colegas brasileiros estão ajudando Israel a transformar Gaza em um monte de entulhos e corpos despedaçados. Eles estão lavando as mãos, sim. Mas fazem isto em bacias cheias de sangue infantil. E nem sentem vergonha quando, nos telejornais diários, culpam os palestinos por serem vítimas de crimes de guerra. Os jornalistas sérvios fizeram o mesmo e pagaram caro. Antes deles, os jornalistas nazistas fizeram algo parecido e também foram impiedosamente bombardeados. O nazijornalismo ocidental, contudo, parece determinado a seguir em frente, fomentando guerras não autorizadas pelo Conselho de Segurança da ONU como se isto fosse algo bom, belo e justo.

Hoje a Reuters anunciou no seu Twitter uma reportagem especial sobre a origem das armas utilizadas pelos rebeldes russos na Ucrânica. Nada dirá sobre a origem das armas que Israel utiliza para despedaçar crianças em Gaza? Esta omissão me parece deliberada, pois os F-16 e as bombas e mísseis que eles despejam sobre civis palestinos são made in USA. Os tanques de guerra israelenses que disparam constantemente contra as casas dos palestinos em Gaza também não são fabricados na Rússia.

 

Leia também:  As políticas de desinformação da Globo, por Alfredo Machado

Quando não estão ajudando Israel a destruir Gaza, os nazijornalistas europeus, norte-americanos e brasileiros acusam a Rússia de ter derrubado um avião de passageiro na Ucrânia. Eles fazem isto para desviar a atenção do respeitável público do único fato relevante: eles mesmos estão com as mãos ensangüentadas porque ajudam os israelenses a cometer crimes de guerra. 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

22 comentários

  1. bela matéria que comprova a

    bela matéria que comprova a existência do consórcio mídia estadunidense-ocidental-pentágono com o pig brasileiro e as meias verdades que são ditas e a que somos expostos cotidianamente.

    defendem um lado  e  o destino manifesto de matar e invadir apíses etc e tal e criminalizam o outro lado, como ocorre no breasil  – defendem tudo o que tem a ver com o neoliberalismo que só cria crises principalmente na europa e eua e criminalizam o governo federall e os movimentos sociais que defendem coisas tão óbvias como o pleno emprego etc e tal.

  2. Carrascos coadjuvantes, nada mais…..

    É Fábio, sua matéria realmente coloca  o dedo na ferida, mas o que fazer quando mercenários trocam sua honra, honestidade moral pelos míseros trocados no fim do mês!!

    Escrupulos há muito esta classe já perdeu, pois como os chamou muito bem o ex-chede de Pessoal do NYT John Swinton: ” …Somos simples ferramentas nas mãos dos homens ricos que atuam por trás dos bastidores. Somos marionetes. Eles movem os cordéis, nós dançamos. Nossos talentos, nossas possibilidades e nossas vidas  são propriedades desses homens. SOMOS PROSTITUTAS INTELECTUAIS” (grifo meu).

    Assim meu caro, obrigado por expor sua indignação, que tenho certeza é de uma grande maioria, mas como sbemos,todas as agência de noticias estão nas mãos deles, e sendo assim, fazem o que querem.

    Cabe a nós, os que não se deixam instrumentalizar, fazer com que, na medida do possivel façamos o contraponto a esta criminosa ação!!!

  3. Perdendo a fé.

    Nunca acreditei que Israel fosse uma terra sagrada, nem mesmo que os EUA fosse o elo da verdade, da liberdade  e da justiça entre as nações; sempre vi o sofrimento e a morte como prova de fé em Deus; espero que a nova ordem mundial que se inicia, que nosso Brasil tem papel importante, realmente coloque fim em todas essas mentiras religiosas e capitalistas para sempre.

  4. Pergunta

    A posição estadunidense é sempre a mesma. Sanções contra a Rússia se justificam pelo suposto apoio a rebeldes dentro do território ucraniano. Entretanto, seu parceiro covarde chamado Israel, invade uma região fortemente armado, mata quem quiser e está tudo bem. Aos apoiadores do ganhador do “Premio Nobel da Paz de 2009”, pergunto: Israel não deveria sofrer sanções fortes pelo absurdo que está promovendo?

    • Se o que estamos assistindo

      Se o que estamos assistindo não for apenas um pesadelo descabido, tudo indica que os Estados Unidos decidiram fazer uma guerra de grandes proporções contra a Rússia. Se isto for verdade, todos na terra estarão em perigo. Eles estão cercando a Rússia por todos os lados e a guerra econômica e de informação, que precede os confrontos militares, já está em escalada de espiral vertiginosa. Neste contexto, não existem mais notícias verdadeiras, tudo o que cheire a informação é inventado, distorcido e manipulado para virar propaganda. A guerra de informação contra a Rússia toma proporções globais e sufocantes por parte dos americanos e seus aliados. Assim, o que se publica em certos órgãos de imprensa brasileiros também segue este comando de guerra. Em breve, vai Interessar muito ao lado americano demonizar o mais possível o líder do país inimigo, ou seja, Putin. Em breve ele ocupará o centro dos piores ataques desmoralizantes, centro esse que no Brasil está agora ocupado, nas redes sociais, pelos ataques a Lula e a sua família. Já há intensos movimentos e muitos blogs na Europa que estão apelando de todos os modos para que se procure parar a engrenagem da guerra antes que ela passe a girar descontroladamente. Mas estes movimentos são abafados ou perseguidos. Todos os amantes da paz deverão em breve  procurar fazer um exame profundo de consciência e buscar a união de inimagináveis esforços para deter a monstruosidade que está a caminho.  

      • Concordo. E o único país com

        Concordo. E o único país com poder econômico e diplomático suficiente para desarmar o clima de guerra global que está sendo metodicamente criado pelas bestas feras norte-americanas é a Alemanha. Os alemães provocaram duas guerras mundiais e podem estar predestinados a salvar o mundo da ultima guerra mundial. Fico esperançoso quando vejo os sinais de uma aproximação maior entre Rússia e Alemanha. 

  5. Fábio é exatamente isso!
    Eu

    Fábio é exatamente isso!

    Eu não consigo ouvir a BBC world service. Eles estão manipulando tudo. Quase ninguém tem coragem de falar dos crimes de Israel. Quando falam é visível o mal estar epor estar dando desculpas esfarrapadas. O mais interessante é que muita gente cai nessa ao acreditar que Israel quer “apenas se defender”. É como o caso de espancar ladrão de biscoito e amarrar no poste: “eles só queriam fazer justição na omissão do Estado e blá blá blá. Enquanto isso gente continua morrendo. Gente que nem completou meia década. Haja covardia é a FDputisse de alguns que defendem isso.

    • Os nazistas e os fascistas

      Os nazistas e os fascistas tambem tinham argumentos racionais para justificar seu rearmamento e agressividade.

      Invocavam tambem o direitos de se defender, de buscar seu espaço vital, etc.Qualquer grupo agressor se cobre com alegações e justificativas para invadir, matar, bombardear, destruir. As alegações de Israel são cada vez mais surradas, gastas e repetitivas. Os alemães quando fuzilavam 30 refens para cada alemão morto, tinham  explicações melhores.

  6. Determinados

    Perfeito.

    Destaco o trecho “O nazijornalismo ocidental, contudo, parece determinado a seguir em frente, fomentando guerras não autorizadas pelo Conselho de Segurança da ONU como se isto fosse algo bom, belo e justo.”

    Eles sabem muito bem o que estão fazendo. Sabem que já passaram do ponto de retorno há muito, muito tempo.

    Como foi dito: não há “geração espontânea” nesse tipo de “jornalismo”; se alistaram e estão cumprindo a missão que lhes foi dada. Acreditam mesmo que estão do lado do bem combatendo o mal. Vale tudo pra eles.

  7. Ótimo texto, que toca na

    Ótimo texto, que toca na ferida em relação à manipulação midiática de que somos vítimas diariamente. Nós, brasileiros, e o mundo, já que existe de fato um consenso dominado por gangsteres associados a grupos de rapina que dominam a indústria bélica altamente lucrativa e seus parceiros no aparato estatal, sobretudo nos EUA e nos países ricos da Europa. Qual o nome podemos dar a esta formação global de quadrilha, que envolve estados, bancos, mídia e indústria da morte numa mesma escalada voltada para o genocídio? Os palestinos estão sendo vítimas tanto quanto foram as tribos indígenas aqui nas Américas, ou os povos africanos, desde a expansão européia. Para atingir seus objetos geopolíticos e lucrativos este criminoso sistema não tem qualquer compromisso ético com os valores humanitários. Por isso é preciso denunciar isto, como tão bem faz o post em análise. Não podemos nos calar e aceitar como coisa natural o genocídio real contra os palestinos – especialmente crianças, mulheres e idosos -, e a manipulação midiática que procura camuflar tal massacre.

  8. Se diz por aí que

    dificilmente países ditos democráticos costumam guerrear entre si.

    Formalmente (repito: formalmente) ambos os lados possuem governos eleitos democraticamente – tanto o Nem Tão Nyahoo e os Ramais assumiram o governo depois de eleições. Se foram eleições representativas ou não, é outro capítulo.

    Claro, em ambos os lados, existem os falcões especializados em carniça, que, eu suponho, é que jogam a gasolina na fogueira cada vez que a chama diminui e que não entendem nadica de democracia. Quem sabe, pondo esses falcões atrás das grades, ambos os lados poderiam começar a perceber que, conversando, se obtém melhores resultados do que atirando.

    Depois de a paz baixar naquelas bandas, um mercado de uns 200 milhões de cidadãos que rezam às sextas-feiras vai se abrir para a turma que reza no sábado. Interessante é que a turma da sexta-feira tem uns problemas (mas tem bufunfa) que a turma do sábado já resolveu: ou seja, tem uma montanha de dinheiro pronta para pagar por essa solução de problemas. E isso já foi apresentado pelos líderes da turma da sexta-feira para a turma do sábado. 

    É inacreditável que ainda exista gente por lá que insiste em ignorar um mercadão desses. O Obama deveria mandar para lá como negociador um diretor de vendas da Coca-Cola, pois este é que vai mostrar o tamanhão do mercado ao léu, ao invés de mandar uns galos velhos.

    A História também nos ensina que durante alguns anos os Estados Unidos insistiam em reconhecer como China a ditadura sustentada por eles em Taiwan. Até que um dia talvez um doador de campanhas eleitorais mostrou para os candidatos que a China continental era imensamente maior do que Taiwan. O político que entendeu isso foi o Nixon.

    Ou seja, erro repetido agora. 

     

     

  9. Nazijornalismo e’ exatamente o nome que isso merece

    Excelente postagem. Trata-se de uma grande maquina de propaganda, nada mais, nada menos.

    Cantam em unissono, todos lendo uma mesma partitura: Globo, Folha, Estadao, Veja, New York Times, Washington Post, Fox News, The Guardian, The Independent, BBC, Murdoch System, Deutsche Welle, etc, etc, etc..

    E’ o PIG internacional, cada vez mais monolitico.

  10. EXCELENTE ARTIGO, FÁBIO. PARABÉNS!

    EXCELENTE ARTIGO, FÁBIO. PARABÉNS!!

    JornaZismo e JornaZistas são minhas sugestões de denominação para esta depravação da imprensa, que Você identifica e descreve tão bem.

  11. nós temos nossa versão deste

    nós temos nossa versão deste jornalismo.

    Ele costuma também botar em pé de igualdade duas forças completamente desiguais, geralmente escrevem: “manifestantes entram em confronto com a polícia”, e os pobres marmanjos com coldre cintilante na cintura não tem opção que não se defender.

  12. Aquele “jornalista” da Record

    Aquele “jornalista” da Record faz parte dessa turma. Hoje numa “reportagem”  ele falava sobre os tuneis do Hamas, só esqueceu de dizer os reais motivos porque os palestinos faziam aqueles tuneis. Ver aquele cara e o da Globo, me dao nojo!

  13. Inacreditável.

    Este apoio do jornalismo quase global a um crime tão explicito e horroroso é uma das coisas que definitivamente não dá para entender. O joguinho plítico razo do pig nacional é nada comparado com o apoio que dão aos que matam crianças como se mata mosquitos.

    Acho que xingá-los de nazijornalistas já é pouco. Não há adjetivos. E porque são tantos? Como chegaram neste abismo?

    E as “escolas” de jornalismo????

  14. nazijornalismo

    Pois é “nazijornalismo” ou “babacajornalista”  a mais nova doença deste País. Ô País pra ter filósofo e intelectual,

    hem? Esse povo quando sai da faculdade completamente analfabeto logo se transforma em jornalista esportivo

    ou jornalista político. Um novo FEBEAPA. Eles escrevem e falam sobre tudo, desde unha encravada até física

    quântica com a arrogência dos grandes idiotas. Seu Joaquim, estivador do cais santista, já dizia:  “O Brasil nunca

    vai dar certo, pois tem mais filósofo e intelectual do que vagabundo”

  15. PROJETO: PEDIDO DO CRISTO PELA PAZ
    PROJETO: O PEDIDO DO CRISTO PELA PAZ Caros amigos (as) é muito triste o que está ocorrendo no Oriente Médio com a guerra entre Israel e a Palestina. Pesando nisso, gostaria de sugerir um projeto: O PEDIDO DO CRISTO PELA PAZ, onde o Cristo Redentor no RJ, seria iluminado com a cor da esperança o verde, todo  mundo deve unir forças, para que essa guerra acabe logo e que o mundo viva em paz. Graças a Deus no  Brasil o povo israelense e palestino vivem na maior harmonia, um bom exemplo para todo o mundo. Atenciosamente:
    Cláudio José, um amigo do povo e da paz.  

     

  16. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome