Lavajatista irreparável, Estadão reescreve a lei ao falar em “suposta inocência” de Lula

Jornal usa do "código penal do inimigo" ao imputar a Lula uma culpa que não existe em nenhuma sentença condenatória. Escrever "suposta inocência" é negar os fatos

Foto: Ricardo Stuckert

Jornal GGN – Em editorial publicado nesta segunda-feira (20), o jornal Estado de S. Paulo mostra que não tem o menor pudor em reescrever as leis quando o objetivo é atacar a imagem de Lula. Em mais uma inovação retórica que subestima a inteligência dos leitores, o diário usa a expressão “suposta inocência” para se referir ao ex-presidente. O texto, recheado de ataques, é divulgado na esteira da pesquisa Datafolha que confirma o favoritismo de Lula na disputa presidencial de 2022.

Entusiasta da terceira via, Estadão ainda não digeriu a derrota imposta à Lava Jato pela Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal, que declarou Sergio Moro parcial no caso triplex e, em outra frente, confirmou a decisão do ministro Edson Fachin, que retirou todos os processos fabricados contra Lula das mãos da força-tarefa de Curitiba, determinando sua redistribuição para as varas competentes. Resultado: todos os processos forma arquivados por falta de provas e justa causa, com exceção de um que ainda está em andamento.

Mas sem nenhuma condenação contra si, Lula é inocente. A Declaração Universal dos Direitos Humanos da ONU (1948) garante que toda pessoa é inocente até que se prove o contrário. O artigo 5º da Constituição de 1988 fala em “presunção de inocência”, não em “suposta inocência”. O Estadão, lavajatista irreparável, assina mais uma vez embaixo do “código penal do inimigo” ao querer imputar a Lula uma culpa que não existe mais em nenhuma sentença condenatória. Escrever “suposta inocência” é negar os fatos.

:: APOIE O JORNALISO CRÍTICO E INDEPENDENTE. ASSINE O GGN CLICANCO AQUI ::

E como todo negacionista, Estadão omite informações em seu editorial. Quando atribui a revisão do caso Lula às “falhas da Justiça”, argumentando que a defesa “contestou os vícios dos processos, não o seu mérito”, e afirmando que “nunca houve explicações convincentes para casos como os do sítio ou do triplex”, o jornal marginaliza dois pontos fundamentais.

Primeiro, que a Vaza Jato – simplesmente ignorada pelo editorial – provou ao País com as mensagens de Telegram que os processos contra Lula foram forjados no lawfare. Segundo, a defesa do petista apresentou incontáveis provas de que o ex-presidente não é dono de nenhum dos imóveis. Não fossem as delações premiadas – que todos sabemos como foram obtidas – e a miopia de setores da grande mídia, a operação não teria o alcance que teve.

Ainda assim, o Estadão insiste que a Suprema Corte pode até ter limpado a ficha eleitoral de Lula, “mas sua ficha moral segue suja.” A sentença só mostra novamente que, para o jornal, Lula sempre foi e será corrupto. O veículo pintou o alvo de depois atirou a flecha, como fez a força-tarefa de Curitiba, que primeiro se convenceu de que havia crime e, depois, correu atrás de qualquer elemento que provasse sua convicção aos olhos do agora suspeito Moro.

Autor do famigerado e inesquecível editorial “Uma escolha muito difícil”, em que, sem honestidade intelectual alguma, faz um falso paralelo entre Jair Bolsonaro (um parlamentar com quase 30 anos de vida pública e nenhum feito marcante) e Fernando Haddad (ex-prefeito de São Paulo premiado internacionalmente e ex-ministro da Educação com heranças como o Prouni), Estadão agora compara o desastre da gestão da pandemia com os resultados econômicos dos governos petistas.

“O negacionismo bolsonarista das ciências médicas não é menos acintoso que o negacionismo lulopetista das ciências econômicas”, adverte o jornal. O diário vai ainda mais longe: diz que Lula só parece um “moderado” porque a comparação é com um “delinquente político como Bolsonaro”.

Para finalizar, o veículo prega que Lula, se eleito, vai “repetir milimetricamente o que os governos lulopetistas já fizeram e que pavimentou o caminho para o desastre econômico, político e moral no qual o País está metido.”

A candidatura do ex-presidente já tem um rival declarado – não que fosse preciso um novo atestado.

Leia também:

1 – É o começo do fim para Bolsonaro?

2 – A incrível incapacidade de construir a terceira via, por Luis Nassif

3 – Tebet, Pacheco e Leite têm mais chances como “terceira via” do que Ciro, Doria e Mandetta

RECOMENDADO:

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

4 comentários

  1. Não caberia um processo por injúria?
    Isso é liberdade de imprensa, acusar um inocente de bandido, apesar de provas judiciais em sentido contrário?
    Vai prá cima Lula, se deixar barato isso nunca vai ter fim.

  2. Quero primeiro comentar o penúltimo parágrafo. Ameaça ‘sub-entendida’: se o governo “lulopetista” (esses caras inventam cada idiotice!) fizer o mesmo, isto é, gerar empregos e crescimento, vai ser derrubado outra vez, porque é isso que eles afirmam ao dizer que vai nos conduzir novamente ao caos em que estamos por conta do golpe contra Dilma. As vezes sinto ganas de concordar com os Bolsonaros: enquanto não correr sangue de verdade, milhares de mortos em guerra civil, essa nossa elite não tomará vergonha na cara. Mas aí fico pensando nos exemplos da história, guerra civil americana, II GM, e vejo que a direita não tem jeito, eles perdem, sangram, rasgam os países e semeiam corpos por todo lado, mas não arredam um milímetro.
    E agora quero opinar sobre o que fazer. Não adianta Lula ir pra cima, processar, ou o que seja. Primeiro porque a Justiça é deles, se não fosse não teria acontecido o que aconteceu. Segundo porque na hora mesma em que ele fizer isso, o estardalhaço que vão fazer não vai ajudar em nada a Lula ou ao PT. As esquerdas não precisam desses toscos buzinando desde agora comparações alucinadas com Venezuela, Cuba, China, o diabo a quatro. Vamos guardar o folego e os argumentos para mais perto das eleições, porque vamos precisar, e muito.
    Minha aposta pessoal, ACHISMO, é de que Bolsonaro vai ser impichado entre março e abril. É o tempo perfeito pra tentar fazer decolar um nome da direita, ou algum velho camarada dela, como o Ciro. Sem Bolsonaro, o quadro muda muito, e pode ser até que Lula seja derrotado, em uma campanha sórdida diuturna, nas mídias e na internet. É até capaz de eles apoiarem um general que não seja o Mourão – e até ele, se for necessário – pra atraírem uma parte dos votos bolsonaristas.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome