Os motivos por trás da guerra de Veja contra o PT, por Kotscho

 
Jornal GGN – Neste final de semana, o jornalista Ricardo Kotscho em sua coluna criticou a última capa da revista Veja com a chamada ” EXCLUSIVO – O NÚCLEO ATÔMICO DA DELAÇÃO _ Paulo Roberto Costa diz à Polícia Federal que em 2010 a campanha de Dilma Rousseff pediu dinheiro ao esquema de corrupção da Petrobras”. 
 
“Parece coisa de boletim de grêmio estudantil”, ironizou Kotcho que lembrou de uma história que ouviu de Eduardo Campos, em 2012. Disse-lhe o ex-presidenciável que ficou perplexo ao ouvir de Roberto Civita:  “Você está vendo estas capas aqui? Esta é a única oposição de verdade que ainda existe ao PT no Brasil. O resto é bobagem. Só nós podemos acabar com esta gente e vamos até o fim”.
 
Segundo Kotscho a causa da “bronca” da Veja contra o PT ocorreu no início do primeiro governo Lula, quando o governo resolveu redistribuir verbas publicitárias, reservadas antes apenas à grande mídia. 
 
 
 
 
Uma das histórias mais tristes e patéticas da história da imprensa brasileira está sendo protagonizada neste momento pela revista semanal “Veja”, carro-chefe da  Editora Abril, que já foi uma das maiores publicações semanais do mundo.
 
Criada e comandada nos primeiros dos seus 47 anos de vida, pelo grande jornalista Mino Carta, hoje ela agoniza nas mãos de dois herdeiros de Victor Civita, que não são do ramo, e de um banqueiro incompetente, que vão acabar quebrando a “Veja” e a Editora Abril inteira do alto de sua onipotência, que é do tamanho de sua incompetência.
 
Para se ter uma ideia da política editorial que levou a esta derrocada, vou contar uma história que ouvi de Eduardo Campos, em 2012, quando ele foi convidado por Roberto Civita, então dono da Abril, para conhecer a editora.
 
Os dois nunca tinham se visto. Ao entrar no monumental gabinete de Civita no prédio idem da Marginal Pinheiros, Eduardo ficou perplexo com o que ouviu dele. “Você está vendo estas capas aqui? Esta é a única oposição de verdade que ainda existe ao PT no Brasil. O resto é bobagem. Só nós podemos acabar com esta gente e vamos até o fim”.
 
É bem provável que a Abril acabe antes de se realizar a profecia de Roberto Civita. O certo é que a editora, que já foi a maior e mais importante do país, conseguiu produzir uma “Veja” muito pior e mais irresponsável depois da morte dele, o que parecia impossível.
 
A edição 2.393 da revista, que foi às bancas neste sábado, é uma prova do que estou dizendo. Sem coragem de dedicar a capa inteira à “bala de prata” que vinham preparando para acabar com a candidatura de Dilma Rousseff, a uma semana das eleições presidenciais, os herdeiros Civita, que não têm nome nem história próprios, e o banqueiro Barbosa, deram no alto apenas uma chamada: ” EXCLUSIVO – O NÚCLEO ATÔMICO DA DELAÇÃO _ Paulo Roberto Costa diz à Polícia Federal que em 2010 a campanha de Dilma Rousseff pediu dinheiro ao esquema de corrupção da Petrobras”. Parece coisa de boletim de grêmio estudantil.
 
O pedido teria sido feito pelo ex-ministro Antonio Palocci, um dos coordenadores da campanha da então candidata Dilma Rousseff, ao ex-diretor da Petrobras, para negociar uma ajuda de R$ 2 milhões junto a um doleiro que intermediaria negócios de empreiteiras fornecedoras da empresa.
 
A reportagem não informa se há provas deste pedido e se a verba foi ou não entregue à campanha de Dilma, mas isso não tem a menor importância para a revista, como se o ex-todo poderoso ministro de Lula e de Dilma precisasse de intermediários para pedir contribuições de grandes empresas. Faz tempo que o negócio da “Veja” não é informar, mas apenas jogar suspeitas contra os líderes e os governos do PT, os grandes inimigos da família.
 
E se os leitores quiserem saber a causa desta bronca, posso contar, porque fui testemunha: no início do primeiro governo Lula, o presidente resolveu redistribuir verbas de publicidade, antes apenas reservadas a meia dúzia de famílias da grande mídia, e a compra de livros didáticos comprados pelo governo federal para destinar a esc0las públicas.
 
Ambas as medidas abalaram os cofres da Editora Abril, de tal forma que Roberto Civita saiu dos seus cuidados de grande homem da imprensa para pedir uma audiência ao presidente Lula. Por razões que desconheço,  o presidente se recusava a recebe-lo.
 
Depois do dono da Abril percorrer os mais altos escalões do poder, em busca de ajuda, certa vez, quando era Secretário de Imprensa e Divulgação da Presidência da República, encontrei Roberto Civita e outros donos da mídia na ante-sala do gabinete de Lula, no terceiro andar do Palácio do Planalto.”
 
“Agora vem até você me encher o saco por causa deste cara?”, reagiu o presidente, quando lhe transmiti o pedido de Civita para um encontro, que acabou acontecendo, num jantar privado dos dois no Palácio da Alvorada, mesmo contra a vontade de Lula.
 
No dia seguinte, na reunião das nove, o presidente queria me matar, junto com os outros ministros que tinham lhe feito o mesmo pedido para conversar com Civita. “Pô, o cara ficou o tempo todo me falando que o Brasil estava melhorando. Quando perguntei pra ele porque a “Veja” sempre dizia exatamente o contrário, esculhambando com tudo, ele me falou: `Não sei, presidente, vou ver com os meninos da redação o que está acontecendo´. É muita cara de pau. Nunca mais me peçam pra falar com este cara”.
 
A partir deste momento, como Roberto Civita contou a Eduardo Campos, a Abril passou a liderar a oposição midiática reunida no Instituto Millenium, que ele ajudou a criar junto com outros donos da imprensa familiar que controla os meios de comunicação do país.
 
Resolvi escrever este texto, no meio da minha folga de final de semana, sem consultar ninguém, nem a minha mulher, depois de ler um texto absolutamente asqueroso publicado na página 38 da revista que recebi neste final de semana, sob o título “Em busca do templo perdido”. Insatisfeitos com o trabalho dos seus pistoleiros de aluguel, os herdeiros e o banqueiro da “Veja” resolveram entregar a encomenda a um pseudônimo nominado “Agamenon Mendes Pedreira”.
 
Como os caros leitores sabem, trabalho faz mais de três anos aqui no portal R7 e no canal de notícias Record News, empresas do grupo Record. Nunca me pediram para escrever nem me proibiram de escrever nada. Tenho aqui plena autonomia editorial, garantida em contrato, e respeitada pelos acionistas da empresa.
 
Escrevi hoje apenas porque acho que os leitores, internautas e telespectadores, que formam o eleitorado brasileiro, têm o direito de saber neste momento com quem estão lidando quando acessam nossos meios de comunicação.

88 comentários

  1. E a capa daquele panfleto com

    E a capa daquele panfleto com a entrevista da marina e um monte de frases emporcalhando a capa por que sabem que quase ninguem gasta comprando inutilidades diz muita coisa; o problema não é a midia destacar os malfeitos com o dinheiro publico, nisso a midia tem razão, a irresponsabilidade é esconder o malfeito de muitos e ainda por cima turbinar tapiocas, aí a midia flerta com o banditismo. 

  2. Nassif
    Zé Dirceu esta preso

    Nassif

    Zé Dirceu esta preso por causa desses caras: ele balbuciou duas pérolas mágicas.

    Massificação da informação e computador de $100.

    Acabaram com ele…..

  3. A delação premiada no tempo

    A delação premiada no tempo

    – Na inquisição, o acusado denunciava a vizinha como bruxa

    – No nazismo, o preso denunciava o vizinho de ter ajudado um judeu fugir

    – No Brasil atual, o doleiro Youssef preso em razão do caso Banestado (que envolveu a remessa ilegal 28 bilhões de dólares ao exterior-governo de FHC), faz denúncia contra políticos, suspende andamento do processo e fica em liberdade. Dez (10) depois processo prossegue e, na semana passada (17Set14), Juiz o condena a  4 anos e 4 meses de prisão por corrupção. 

    • Premiar Delação é Reflexo de Sistema Moral Degradado

      Caro Nilo, você tem razão. Delação é a pior baixeza em que se pode incorrer, mormente quando se delata companheiro. Costuma ser estimulada em regimes ditatoriais e imorais como o nazista e o que prevaleceu durante a inquisição, como você bem lembrou. Quando eu era criança, e lá se vão muitos anos, nas escolas se ensinava que delatar é ato vergonhoso, desonroso, covarde, indigno. Também nas escolas militares e nos quartéis a delação não era tolerada, mesmo quando a tropa era pressionada para que surgisse um delator. O delator, se ensinava, era desprezado pelos que delatava e pelos que se aproveitavam de sua delação. Delator é pessoa vil indigna de confiança. Hoje, premia-se delação, e delator vira herói! E a imprensa canalha endeusa o traidor, o quinta-coluna. Essa tal de delação premiada, pelo exemplo que dá, faz muito mais mal, do que bem à Sociedade. Estamos criando uma sociedade de traidores, de covardes e de irresponsáveis (cometo o crime, e, se for pego, saio delatando todo mundo e me safo). Você tem razão, Nilo.

  4. Não sou do ramo, mas imagino

    Não sou do ramo, mas imagino que tb haja razões de ordem mais econômicas. Se pensarmos nos grandes jornais e revistas da atualidade internacional, o jogo da Veja é bem diferente. Deve ser bem mais barato manter uma redação monotemática, sem muitos custos de investigação a não ser pagar algum jantar ou presentinho para quem soltar o vazamento de alguma operação policial ou investigação judiciária. No lado da qualidade do texto tb deve ter um drive análogo. Fica mais barato manter um canil de viralatas que latem sem maiores problemas ou qualidades, já que o público tb não é nenhuma Brastemp. Eles não precisam ser alimentados com filét-mignon. Basta qq bofe. E o modelo de menload acaba retroalimentando a linha & pauta jornalísticas, criando essa revista cada vez mais folclórica. 

  5. A editora abril e a revista

    A editora abril e a revista veja não fazem oposição histérica somente ao PT, a coisa é mais profunda.

    Eles trabalham contra os interesses do país porque representam o sionismo na américa do sul.

  6. Os motivos por trás da guerra da Folha contra o PT

    Já publiquei aqui anos atrás, mas acho que é oportuno, sempre é oportuno refrescar a memória: 

    Livro: Do Golpe ao Planalto – Ricardo Kotscho

    Cia. Das Letras. 2006.

    Capítulo: Rumo à Vitória 2000 – 2002 – página 225

    (…)

    O único problema mais sério que tivemos no relacionamento com a imprensa ao longo da campanha aconteceu por culpa minha. Lula já havia mantido encontros e participado de almoços com os dirigentes dos principais meios de comunicação, mas resistia a atender ao convite da Folha para o tradicional almoço com os diretores, editores e repórteres especiais. Quase toda semana, “seu” Frias ou alguém a seu pedido repetia o convite, que eu voltava a levar a Lula. Este alegava que noutras ocasiões tinha ficado contrariado com a maneira pouco cortês como fora tratado no jornal. Tanto insisti, que ele acabou me autorizando a marcar o almoço. Impôs, no entanto, que o número de participantes fosse reduzido, para que pudesse conversar melhor com o “seu” Frias.

     

    Em razão de algum mal-estar ocorrido em almoços anteriores, dos quais não participei, o clima já não pareceu muito amigável desde o momento em que “seu” Frias recebeu Lula e José Alencar. Otávio Frias Filho ficou calado, enquanto Lula não parava de falar dos seus planos para o país e da importância de ter um vice como Alencar. Assim que os comensais sentaram à mesa, Frias Filho disparou a primeira pergunta: se Lula se sentia em condições de governar o país, mesmo sem ter se preparado para isso, não sabendo nem falar inglês. O candidato fez uma expressão de incredulidade, olhou prá mim como quem diz: “E eu tinha que ouvir isso?”, engoliu em seco e deu uma resposta até tranqüila diante daquela situação constrangedora.

     

    Como se tivessem sido ensaiadas, as perguntas seguiram no mesmo tom hostil ao convidado até que, já quase na hora em que seria servida a sobremesa, alguém quis saber como ele se sentia ao aceitar uma aliança com Paulo Maluf. O argumento era que, se o PL apoiava Maluf na eleição para governador de São Paulo, o candidato do PT a presidente também estaria se aliando ao político que mais combatera durante toda a história do partido. Não havia porém, nenhuma aliança em São Paulo entre o PP e o PT, que disputava a mesma eleição tendo como candidato o deputado federal José Genoíno. Foi a gota d’água. Lula não respondeu; levantou-se, dirigiu-se a “seu” Frias e comunicou: “O senhor me desculpe, mas não posso mais ficar aqui. Vou embora. Não posso aceitar isso, em nome da minha dignidade.”

     

    Ficou todo mundo paralisado. “Seu” Frias levantou-se também. Antes de sair, Lula ainda disse a Otavinho, o único que permaneceu na sala:”Eu não tenho culpa se você está nervoso porque teu candidato vai mal nas pesquisas”. Para ele, a Folha estava apoiando José Serra. Pegando no braço do candidato, “seu” Frias o acompanhou até o elevador e depois até o carro, no estacionamento, com os outros todos caminhando atrás. “Nunca tinha acontecido isso antes na nossa casa”, lamentou.

    (…)

    • Sem chance Rita, não há mais

      Sem chance Rita, não há mais retorno, a Veja se transformou num panfleto incendiário da direita e da extrema direita brasileira, o nível de ódio que eles conseguiram inocular nos seus leitores ao longo desses 12 anos, a tudo que eles vislumbram como “mazelas de uma governo autoritário e corrupto”, chegou a um ponto em que qualquer tentativa de racionalidade e debate civilizado tornou-se impossível; consumidores que acreditam na óia se comportam como autênticos zumbis, meros divulgadores de manchetes e “furos de reportagens” de factoides que a revista cria para atender ao desejo sedento do seu público.

      • Só uma pequena correção…

        João, concordo com tudo o que você disse, mas não acho que a Veja influencia a pessoas, mas que há uma influência mútua nessa relação.

        A verdade é que a Veja dá voz ao preconceito dos seus leitores.  Logo, a Veja é uma caricatura do que os seus leitores pensam.

        Assim, não é verdade que a Veja influencia seus leitores, mas ela verbaliza aquilo que eles querem falar.  Todos seus preconceitos contra baianos e aqueles que vendem seu voto por camisetas, comida e próteses dentárias, mas que inventam cursos universitários que não existem para debitar do imposto de renda.

        Então, não é uma influência da Veja nos seus leitores… é o contrário.

  7. revista veja é a imundice publicada… a serviço de marina.

    Esta podridão é o verdadeiro partido da marina: PiG!

    PSB é apenas barriga de aluguel.

     

    E mesmo com o PiG atacando e difamando Lula, Dilma e o PT 24 hrs por dia… Dilma sobe como foguete enquanto marina desaba!

    Chupa, PiG!

  8. Eles, da grande imprensa,

    Eles, da grande imprensa, podem “votar” pelo dinheiro público que eles julgam de direito desfrutar. Os operários que querem manter seus empregos e os pobres da bolsa família são “atrasados” se votam no governo que os respeita. Canalhas ordinários.

  9. A responsabilidade maior é do

    A responsabilidade maior é do PT. Teve a oportunidade de criminalizar a Veja em vários momentos.

    Durante o processo Sathiagraha a Veja capitaneou o processo de desqualificação de Protógenes e de Lacerda, então na Abin.

    Lacerda foi exonerado, Protógenes processado  e a Sathiagraha engavetada. 

    Provou-se, na sequência, que a trama fora urdida tendo Carlinhos Cachoeira como o informante, Gilmar Dantas e Demóstenes Torres como operadores e a Veja, como divulgadora.

    O PT apanha porque quer. Poderia ter fechado a Veja por formação de quadrilha e ainda ter colocado Gilmar Dantas no processo. Preferiu se omitir.

    O mínimo que se espera, num possível segundo mandato de Dilma, é a reabilitação de Lacerda e de Protógenes, além da abertura de um processo contra a Veja pela formação de quadrilha.

    Lacerda no Ministério da Justiça, Protógenes como chefe da PF e Franklyn Martins no Ministério das Comunicações , seria um bom começo.

    O resto, é choradeira!

    • O PT estava certo… a Veja se matou sozinha.

      Pessoal, ataques de “machão” não iam levar a nada.  Um processo do PT contra a Veja é tudo o que o PIG quer para eles posarem de coitadinhos que defendem a liberdade de imprensa contra um governo opressor do mal.

      Esta eleição vai mostrar o que a Veja se tornou: um nada.  Uma pária do jornalismo que não deve mais ser levada a sério.  Sem a Globo para repercurtir as páginas da Veja, essa revista não paga a tinta com a qual é impressa.

      A Globo também não tem mais o poder político de outrora, embora ainda conserve uma grande parte.  O problema da Globo é econômico, ou melhor dizendo, é de monopólio criado pelo tripé Ibope + Agências + BV.

      Para se ter uma ideia do monopólio da Globo, vocês sabem qual é o segundo maior faturamento em publicidade do país?  Se você respondeu Record ou SBT, errou feio.  O segundo maior faturamento em publicidade no Brasil é do Google!

      Quando a Ley de Medios fazer a Globo vender as concessões de rádio e jornais na mesma cidade e promover o conteúdo regional e a WPP competir com o Ibope, acabou a rede Globo como conhecemos.  E isso já é compromisso da Presidente Dilma.

      O problema é que até hoje não se tinha condições de fazer uma Ley de Medios porque ela seria atacada dia e noite pela imprensa que ainda tinha credibilidade, que agora se perdeu com o desespero do iminente quarto mandato do PT.

      Se Dilma for reeleita a despeito das capas da Veja e da ajuda da Globo à oposição, isso vai mostrar que o país está pronto para discutir a Ley de Medios sem a imprensa confundir o povo dizendo que é um ataque à liberdade de imprensa.  Se Dilma não for reeleita, isso só mostra que atacar a Veja seria perda de tempo, porque o povo é burro mesmo e iria cair no golpe do PIG.

      O ponto fora da curva é São Paulo.  Aqui o conservadorismo e o preconceito está no sangue que, dizem com muito orgulho, vem direto da Itália.  Antes fosse só contra o PT…

      • Ah, eles precisavam tomar um

        Ah, eles precisavam tomar um processo pela fuça sim.  Com direito de resposta e uma pesada indenização por danos morais. Essa mídia sórdida  têm que sentir prejuízo no bolso. Nada melhor que perder um processo de danos morais para derrubar o restinho de credibilidade perante uma certa opinião pública que eles ainda  tem. Vai ser a pá no caixão.

  10. Dilma deixe esse panfleto morrer
    Não sei porque o governo ainda faz propaganda nas páginas imundas desse panfleto. Se a veja não receber verbas publicitárias do governo, ela fecha de uma vez.

  11. Feudo
    Para essa gente imprensa brasileira é só Veja, Globo, Folha e Estadão.Como pode um pais com dimensões continentais aceitar esse tipo de monopólio da informação e da fala. O ódio de classe contra o PT já era latente, mas a bomba explodiu quando Zé Dirceu quebrou o cercadinho do mercado publicitário, até então restrito a poucas familias midiáticas em forma de feudo. Até hoje essas gente que perdeu parte da mamata morre de ódio de Dirceu, sendo este o real motivo da sua condenação num Tribunal de Exceção instalado pelo pig(http://www.lexometro.blogspot.com.br/2014/04/coletanea-mensalao.html)

    • O Pais aceitar esse

      O Pais aceitar esse monopolio? Que monopolio? Tem Veja, Epoca, Isto È, Carta Capital, nos EUA tem menos revistas semanais que no Brasil, quem quiser pode abrir uma revista, não é proibido, onde está o monopolio?  Revista é uma concessão? Deixe de falar besteira.

      É um PESSIMO negocio, porisso ninguem abre.

      • Nesse seu espelho chamado EUA não não existe propriedade cruzada

        Não aceite que o Estado desista de vetar a propriedade cruzada nos meios de comunicação, será que dá pra implantar isso aqui no Brasil ou nessas horas o seu espelho fica embaçado, heim

        Autor: Eduardo Guimarães, no Blog da Cidadania

        Quem realmente entende o fato de que um país em que a comunicação é um feudo não pode ir para frente, tem que parar tudo e prestar atenção nisto: cresce a suspeita de que existe um acordo tácito sendo firmado entre os poderes constituídos da República para enterrar iniciativas legais contra a propriedade cruzada de meios de comunicação no Brasil.

        Em nenhum país civilizado é aceitável que uma única família controle mais da metade dos espaços e das verbas públicas e privadas destinadas ao setor de comunicação. Essa é uma situação abusiva e contraria princípios consolidados em todo o mundo livre, sobretudo no Ocidente, nas nações mais desenvolvidas.

        Enquanto a grande mídia nacional vende como tentativa oficial de censura a proposta de se criar uma agência reguladora de comunicação nos moldes da Federal Communications Commission (FCC) –  que, em português, significa Comissão Federal de Comunicações –,  nos EUA é proibido, por exemplo, ter uma emissora de televisão e um jornal na mesma cidade.

        Em países desenvolvidos e democráticos como Estados Unidos, França ou Inglaterra, um grupo empresarial ou uma família controlarem televisões, jornais, rádios, revistas e portais de internet, tudo ao mesmo tempo, é visto como propriedade “cruzada” de meios de comunição, como ilegalidade, porque dá àquele grupo restrito de cidadãos ou àquela família o poder de esmagar opiniões sobre questões de interesse público que forem contrárias à sua.

        Nos EUA, a lei foi levemente flexibilizada em 2007. O índice de audiência das emissoras e o número de meios de comunicação independentes presentes em uma cidade foram objeto da mudança. Mas só vale para os vinte maiores mercados dos EUA, que têm 210 grandes mercados. E só quando o canal de TV não está entre os 4 canais de maior audiência e se ali existirem 8 meios de comunicação de outros donos.

        Há décadas que, em todos os países que atingiram estágios avançados de civilização, não se aceita que só alguns poucos tenham voz nas grandes mídias, com destaque para a televisão. E para que não se analise só quem diz o que, porque esse debate permite deturpações dos fatos, proíbe-se que existam mega conglomerados de comunicação como as Organizações Globo.

        Atenção: um quase monopólio como o da Globo seria ilegal nos Estados Unidos.

        Estamos em um momento histórico em que o Brasil acredita que irá se tornar potência e até entrar para o mundo dito desenvolvido. Todavia, a organização legal e social dos meios de difusão brasileiros, é medieval. Não é apenas atrasada, é medieval. Predominam feudos, dos quais a Globo é a expressão mais absurda pelo tamanho descomunal com que afronta o país.

        O que os irmãos Marinho, donos das Globos dizem, pensam e determinam, vira lei. Devido à concentração de meios de comunicação que detêm, conseguem impor as suas posições políticas, econômicas, culturais e o que mais se pensar sobre toda a sociedade. E esse poder decisório de uma Globo está nas mãos de dois homens em um país de quase 200 milhões de habitantes.

        No início do ano, o Estadão publicou matéria que denunciava o que vai ficando claro que vai acontecer. Dizia que o governo iria abandonar o debate sobre a proibição da propriedade cruzada nos meios de comunicação por estar convencido de que o desenvolvimento tecnológico teria tornado a discussão “obsoleta”.

        Naquele dia (26 de janeiro), enviei mensagem pelo Twitter ao ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, perguntando se a reportagem tinha procedência. Ele respondeu. Segundo disse, não havia nada decidido, ou seja, não confirmou e não negou.

        Faz tempo, porém, que, em todos os fóruns de discussão dos quais tenho participado, já se diz, abertamente, que “todos sabiam” que a propriedade cruzada não entraria mais na pauta de discussões neste governo. Todos sabiam, é? Quem sabia? Eu não sabia. Participei, em 2009, da Conferência Nacional de Comunicação e, ali, o que se dizia é que esse era o principal foco.

        A bem da verdade, eu sabia, sim. Aqui e ali, fui ouvindo, cada vez mais, uma história de que não haveria “clima político” para vetar a propriedade cruzada de meios de comunicação no Brasil. Ou seja: o governo não tem força para aprovar uma lei dessas.

        Esse argumento de que os avanços tecnológicos tornarão a propriedade cruzada obsoleta, é absurdo. Ainda hoje, só cerca de 40% dos brasileiros estão digitalmente incluídos plenamente, com acesso a banda larga. E, como se sabe, a internet é o que dizem que tornará obsoleta a propriedade cruzada.

        A convivência com o oligopólio de meios de comunicação de massa ainda durará, na melhor das hipóteses, uma década. Não se imagina que deixemos de ter televisões, rádios, jornais, revistas e tevês antes disso. Quantos interesses de um grupelho de cidadãos prevalecerão durante esse período em que esse milagre via internet não ocorrer?

        Como nos tornaremos um país desenvolvido e realmente democrático com uma família chegando, por vários meios de comunicação, a 90% do Brasil, tendo revista, jornal, televisão, rádio e portal de internet para martelar sua opinião em milhares e milhares de cidades?

        Falar em “democratizar a comunicação” sem acabar com a propriedade cruzada, é conversa fiada. Não haverá comunicação democrática no Brasil enquanto viger esse absurdo jurídico que permite, neste país, o que nenhuma nação democrática e desenvolvida permite, que quatro famílias imponham suas opiniões sobre 190 milhões de brasileiros.

        Há que iniciar um movimento nacional pelo fim da propriedade cruzada. Não sei como, não sei por onde, mas estou pronto a me engajar nessa luta. Não há nada mais importante para quem luta pela democratização da comunicação. E engajar-se de verdade nessa luta significa não aceitar, de forma alguma, que passemos mais quatro anos sem mudar a lei.

        http://www.blogdacidadania.com.br/2011/06/nao-aceite-que-o-estado-desista-de-vetar-a-propriedade-cruzada-2/

         

         

      • “Tem Veja, Epoca, Isto

        “Tem Veja, Epoca, Isto È,”

        Mais do mesmo.

         

        E a Carta Capital, a única  ideologicamente diferente, é chamada de “panfleto  chapa-branca do PT”. As outras são “jornalismo independente, isento e imparcial”. Sei…

        • Carta Capital é escondida em bancas de revistas

          Ontem,resumo:numa grande banca de revista,sábado,Veja a única semanal c/q freguês ou potencial comprador dá de ca- ra ao entrar naquela banca.CC quase escondida(a banca é no formato de um salão no centro do qual fica enorme prate- leira em forma de retângulo 1001 publicações,ficando CC na quina traseira do retângulo).Perguntei ao dono se não era mais lógico serem postas lado a lado as revistas semanais concorrentes.No final do diálogo,noutras palavras,alegou q tinha fregueses fixos q conheciam a banca.Pergunto mais e ele responde (sob a mesma alegação:clientes fixos),noutras pala- vras,respondeu q decidia assim e ponto.Noutra banca(mesmo perfil de classe),CC nem ficava na prateleira,só se alguém perguntasse p/ela).

          • Boicote

            Ou seja: Carta Capital é BOICOTADA pelos donos de bancas de revista, do mesmo modo que o livro A privataria tucana foi boicotado por algumas livrarias.

  12.  E Dilma sabendo de tudo

     E Dilma sabendo de tudo isso, ainda sim foi tentar dialogar com esses caras no inicio do mandato…

  13.  E Dilma sabendo de tudo

     E Dilma sabendo de tudo isso, ainda sim foi tentar dialogar com esses caras no inicio do mandato…

    • Dilma não sabia, por um motivo simples

      Kotscho inventou essas visitas. Pelo menos as tais visitas de Roberto Civita carecem de provas no post acima (citar o testemunho de Lula é patético, totalmente suspeito de testemunhar, por motivos óbvios), exatamente como as matérias que ele acusa da Veja. A Veja não pode fazer acusações sem exibir provas, mas Kotscho acha que pode. Piada pronta.

      Como disse antes, parece que Kotscho quer ter o direito exclusivo de ser “pistoleiro de aluguel”. Pelo visto, somente ele pode fazer acusações e denúncias sem exibir provas.

       

  14. “Pô, o cara ficou o tempo

    “Pô, o cara ficou o tempo todo me falando que o Brasil estava melhorando. Quando perguntei pra ele porque a “Veja” sempre dizia exatamente o contrário, esculhambando com tudo, ele me falou: `Não sei, presidente, vou ver com os meninos da redação o que está acontecendo´. É muita cara de pau. Nunca mais me peçam pra falar com este cara”.

     

    Rindo alto aqui.

  15. Brizola já dizia que essa

    Brizola já dizia que essa família saiu corrida da Argentina e foram proibidos de entrar nos EUA… Essas desgraça vieram para cá! 

  16. “Veja” deveria virar nome de

    “Veja” deveria virar nome de papel-higiênico. Talvez, enfim, teria alguma serventia.

  17. Um dos nomes cogitados para o

    Um dos nomes cogitados para o Ministerio da Fazenda no novo Governo Dilma de 2015 é Fabio Barbosa, presidente da Editora Abril, como ficamos?

    • Papelão…

      SE isso se confirmar, aí veremos como ficamos.

      Até lá esse seu comentário é igualzinho as matérias da Veja: “ouviram falar que alguém teria insinuado que talvez tenha sido cogitado”…

      Que palhaçada Sr. Araujo!!!!

      Quer dizer que os catorze anos em que e estamos vendo os ataques e mentiras da Veja não valem mais do essa sua insinuação, que por sinal é bastante inverossímil????!!!!

      O Sr. está fazendo o mesmo papel de palhaço que essa publicação execrável faz, tentando brigar com os fatos.

      • Eu confundindo? Sem chance.

        Eu confundindo? Sem chance. Fabio Coletti Barbosa é pessoa de confiança da Presidente Dilma, que o indicou para o Conselho da PETROBRAS, não só isso, ele está no Conselho de varias outras subsidiarias da Petrobras, inclusive na Petrobras Americas, que tem a refinaria de Pasadena, da BR Distribuidora, pessoa de confiança do Planalto. Seu nome foi citado ontem como potencial Ministro da Fazenda pela Cristiana Lobo no Programa Fatos e Versões da Globonews. Hoje é presidente da Editora Abril, sem ser jornalista ou do ramo.

        Eu particularmente acho uma PESSIMA escolha, ele é um “”mil e uma utilidades” roda por varias portas, especialista em tudo, não me parece o nome para uma economia complexa e em crise.

  18. O que me deixa estupefado não

    O que me deixa estupefado não é tanto a calhordice da VEJA(da Editora Abril), mas existir pessoas que dão fé a ela. A que ponto o ódio ao PT tornou, torna, as pessoas idiotizadas. 

    • É muita gente, JB

      E te garanto, JB: é muita gente!

      Aqui em Floripa, em qualquer roda que você esteja, qualquer encontro, festa, jantar frequentado pelos “formadores de opinião”, pelos “bem postos”, pela classe média – não precisa ser a alta, não – o que mais se ouve é: você viu a última daquela corja do PT? Não?!? Você não viu a Veja desta semana?

      Ontem, sábado, foi um dos assuntos mais comentados nas rodas sociais da capital catarinense.

      Tenho repetido incansavelmente há muito tempo: não adianta dizer que a grande mídia está falida, que não tem mais o domínio da opinião pública. A Globo e a Veja, essas duas principalmente – aqui em SC a RBS manda – ainda fazem a cabeça de muita gente, ainda pautam a vida de muitíssimos.

      Aqui em Floripa – e em SC também – a Presidenta Dilma não ganha nem pro cafezinho, nam pra bedel de turma. O PT e os petistas por essas bandas são tratados como cachorro sarnento, à ponta-pés.

      Eu já desisti: não se consegue o mínimo papo inteligente, não se consegue argumentar coisa alguma. Gente que dá crédito irrestrito às bobagens da Veja, aos factoides da Globo – e hoje é dia do Fantástico. Se não “deu” no JN é porque não aconteceu, é mentira.

      Não se enganem: o poder dessa gente em nada foi diminuído.

      Ah, mas então como é que o PT não perde?

      Aqui no sul perde sim, e no sudeste também! A vitória é conseguida no norte/nordeste – aqui não vai quaisquer preconceitos, pelo amor de Deus! É só uma constatação – onde os eleitores não lêem Veja, Estadão, Folha, e só assistem as novelas na Globo. No momento em que essa dita “nova classe média” acessar essas publicações, passar a consumir o que eles publicam… adeus PT!

      Isso é mais certo do que andar pra frente!

  19. herdeiros movidos por 3 elementos conformadores…

    canalhice, vingança e fortuna sem precisar competir

    se não se conformaram até agora, é sinal de que querem tomar o poder apenas para que tudo volte a ser como era antigamente

      • Um dos maiores jornalistas deste país? Hahahaha

        Que piada. Ele não é citado em canto nenhum como “um dos maiores jornalistas deste país”. Eu sou eu, o cara que está dizendo com todas as letras que ele quer ter o direito exclusivo de ser “pistoleiro de aluguel”.

        E se eu tivesse o espaço que ele tem, eu faria o trabalho mil vezes melhor do que ele, sem “alugar” os meus serviços de “pistolagem”.

         

        • Ele não precisa ser citado,

          Ele não precisa ser citado, não é verbete de enciclopédia. Conheço seu trabalho desde os tempos da resistência contra a ditadura quando era colaborador do jornal Movimento, onde fazia denúncias contra o regime militar.

        • Não diz besteira, ô “faria

          Não diz besteira, ô “faria mil vezes melhor”!

          Além de um babaca pretencioso, ficar posando de polêmico, de “direitista com conteúdo” – um Paulo Francis de araque – já cansou; não desconfia não?!

          • Analfa tentando defender seu ídolos

            Quando o sujeito escreve “pretencioso”, a gente já sabe com quem está lidando.

            Kotscho é apenas um puxa-saco. Essa é a sua notoriedade hoje. E você é um puxa-saco de puxa-saco. Terceiro escalão.

          • Tem certeza…

            Tem certeza que você nunca grafou um vocábulo incorreto, aqui mesmo, nesse espaço?

            Deixa de se boçal, sujeito, pois, você já o fez!

            E emitiu uma desculpa risível quando alguém o corrigiu.

          • Só mais uma…

            Foi só mais uma da série ‘não votar no PT indica inteligência’. 

            E como é fraquinho esse Argolo…

        • Ser o que você pensa…

          Ser o que você é, realmente, não tem valor ou importância alguma. Entretanto, ser tudo o que você pensa que é, só o transforma num mero boçal.

          Só a quintessência!

          Entendeu? 

      • Quem é ele?

        xará, pela resposta que o sujeito deu para voce é facil saber “O que” ele é: Maluco..

        Quem ele é não importa..rsrs 

      • Quem é ele?

        xará, pela resposta que o sujeito deu para voce é facil saber “O que” ele é: Maluco..

        Quem ele é não importa..rsrs 

    • Se vc considera o Kotscho

      Se vc considera o Kotscho “pistoleiro de aluguel” Como classifica o setor de telejornalismo da Globo (só vou falar da globo, nem vou citar Veja, Folha, etc) Um exercito inteiro de mercenários? Desses que vem armados com bazucas, metralhadoras, granadas??? Só pode né?

      • Pensei ter sido claro diante de um post sem provas…

        Mas parece que terei que ser expresso.

        Kotscho inventou as visitas a que se reporta. Pelo menos as tais visitas de Roberto Civita carecem de provas no post acima (citar o testemunho de Lula é patético, totalmente suspeito de testemunhar, por motivos óbvios), exatamente como as matérias que ele acusa da Veja. A Veja não pode fazer acusações sem exibir provas, mas Kotscho acha que pode. Piada pronta.

        Se ele acha as matérias da Veja falsas, eu estou autorizado a achar que as afirmações que ele faz neste post, a respeito das visitas de Roberto Civita a Lula, são igualmente falsas.

        Ou ela acha que só ele tem o direito de atacar os outros sem exibir provas?

        Como disse acima, parece que Kotscho quer ter o direito exclusivo de ser “pistoleiro de aluguel”.

        • Quanta coerência…

          Afinal, o arquétipo da “coerência” não passa de um camaleão, E não me refiro àquela acepção da Zoologia. É na figurativa, a mais depreciativa.

          Leiam só, o que ele escreve no post que traz a capa, exposta, da cretina Veja, ou da Veja dos cretinos!

          “Eu li a reportagem. Absurda realmente. Não exibiu qualquer prova. Jornalismo sem qualquer indício de credibilidade. Tem que bater pesado. O PT deveria fazer isso mais vezes. Fazer isso apenas em tempo de eleição é errado. A Veja faz isso em outras reportagens, não só em época de eleição. É certo que nem sempre ela deixa de se referir a fatos que se encontram comprovados. O problema é que muitas vezes se apoia em fontes não indicadas de forma clara na matéria. E aí abre espaço para se dizer o que quiser, já que ninguém terá como checar a fonte da informação.”

          É uma no cravo, outra na ferradura!

           

          • Não há incoerência nenhuma, Zé Lima

            O que eu exijo de Veja, eu exijo de Kotscho, é claro. Ele também é obrigado a apresentar provas do que afirma. E ele não fez isso, logo, o critico do mesmo jeito que ciritico Veja. Não tenho nenhum motivo para tratar Kotscho de forma diferente. Não farei isso nunca. Nem ele nem ninguém, frise-se.

  20. Quem me garante, pelos

    Quem me garante, pelos precedentes, que a Veja não esteja recebendo dinheiro da CIA e de outros grupos empresariais mafiosos de olho gordo no pré-sal e em outras riquezas brasileiras? Temos todo o direito de suspeitar disso. E por que deveríamos nos preocupar com provas se a revista nos dá o pior exemplo, de acusar sem prova alguma e nada acontece com seus proprietários, editores e jornalistas?

    Dilma deveria fazer um programa de TV denunciando o modus operandi da mídia brasileira em véspera de eleição, reunindo Veja, Globo, Band, Folha e associados regionais. É fácil mostrar as capas das revistas nos últimos 10 anos, e como as denúncias contra os políticos do DEM e do PSDB – e são muitas, inclusive com fartura de provas – são simplesmente esquecidas, jamais viraram capa de revista ou matéria de destaque na Globo, Band, etc.

    Até quando o povo brasileiro vai aceitar esta canalhice?

    • injustiça com o governo

      Pra que assinar revistas impressas se a gente pode passar o dia se divertindo aqui na internet.

      O pessoal ligado ao governo vive metendo o pau na Marina dizendo que  ela adota um discurso de vitima, qual a choradeira aqui?

      Pobre PT vitimizado pela midia tupiniquim, como se os marqueteiros ptistas não usassem dos mesmos expedientes…

  21. A direita ainda não sabe se vai de Aécio ou de Marina

    Se bem que os dois candidatos são iguais: Um é o genérico e o outro o similar, sabe aquela duvida de balcão de farmacia,..———-

    EXTRA: PT JÁ SE PREPARA PARA SEGUNDO TURNO COM AÉCIO

     

    Lideranças do Partido dos Trabalhadores receberam números que mostram queda acentuada de Marina Silva, especialmente em São Paulo e nas cidades grandes e médias do País; com isso, a situação entre ela e Aécio Neves, do PSDB, já seria de empate técnico na briga pelo segundo lugar; dados do recebidos pela campanha indicam percentuais próximos a 38% para Dilma, 23% para Marina e 19% para Aécio; neste domingo, dirigentes do PT avaliaram o novo cenário; petistas acreditam que tucano irá ultrapassar a candidata socialista e não consideram isso uma boa notícia, pois Marina seria derrotada com mais facilidade

     

    28 DE SETEMBRO DE 2014 ÀS 15:25

     

     

    247 – A sucessão presidencial pode estar reservando mais uma surpresa para a última semana: um segundo turno entre a presidente Dilma Rousseff e o senador Aécio Neves (PSDB-MG), retomando o quadro inicial de polarização entre PT e PSDB.

    Neste domingo, dirigentes do PT se reuniram para discutir esse novo cenário. A reunião foi provocada pelos dados que chegaram à campanha petista.

    De acordo com levantamentos diários de um instituto de pesquisa nacional, Marina caiu drasticamente em São Paulo, nas cidades grandes e médias do País.

    Com os números, a presidente Dilma teria 38%, contra 23% de Marina e 19% de Aécio. Essa distância, de apenas quatro pontos, configuraria uma situação de empate técnico entre o tucano e a candidata socialista.

    Outro dado relevante foi a simulação de segundo turno. Dilma venceria Marina Silva por 45% a 40%. E a distância para Aécio seria praticamente a mesma: 46% a 39%.

    Isso mostra que deu certo a estratégia tucana de enfatizar, nos programas eleitorais, que Aécio seria o “voto útil para derrotar o PT”.

    Até então, Marina vinha se beneficiando de uma debandada de eleitores tucanos que enxergavam nela a possibilidade mais concreta de derrotar o PT. Eleitores que preferiam Aécio, mas a viam como uma espécie de “plano B”, com maiores perspectivas de vitória.

    Com os novos dados, que devem ser confirmados já nas próximas pesquisas, Aécio deverá partir para o embate direto com Marina, para, assim, passar para o segundo turno.

    No PT, no entanto, a sensação não é exatamente de alívio. Dirigentes do partido consideram que, no quadro atual, Marina seria uma adversária mais fácil de ser batida, pois está em queda livre e fragilizada por suas próprias contradições.

    Um Aécio renascido das cinzas, e com fôlego renovado por novas denúncias de corrupção, pode vir a ser um adversário mais perigoso, na avaliação do PT.

     

     

    • Essa hipótese (quase certeza) fora levantada p/outro blog

      Só tô repetindo o que já postei por aqui umas 2 semanas atrás: Essa hipótese (pra não dizer certeza) fora levantada bem antes por um cara que acho franco-atirador de esquerda (do lado esquerdo). Um iconoclasta que aqui não cabe repetir o nome, o endereço eletrônico. Pode chocar nalguns de seus pontos-de-vista.

  22. A revista Veja tem que acabar.

    O povo brasileiro não merece ter semanalmente uma revista espúria, mentirosa, antidemocrática, pessimista é parcial como este folhetim Veja.

    Isto tem que acabar, eles criam, mentem e fica por isto mesmo?

  23. “Vou falar com os meninos da redação”.

    Revitalizei uns vintes anos de risadas. Que coisa super engraçada.

    Não creio que seja verdade um absurdo desses.

  24. Tem muita gente que ainda lê
    Diminuiu muito a importância dessa imprensa partidária.
    Mas ainda é grande o número de pessoas que ainda consomem esse tipo de “jornalismo”
    A classe média paulista, que se acha mais próxima dos Setubal, do que dos garis que recolhem esses lixos impressos, está para reeleger alckmin.
    SP é um dos três Estados em que Dilma está perdendo.
    No banco onde trabalho, me assusto com o número de pessoas que lêem veja.

    Para ilustrar, algumas pérolas que tenho ouvido, todas vindas de membros da classe média desse estado:

    “O PT quebrou a Petrobrás. A Petrobras está falida.”

    “No tempo do fhc o desemprego não tava tão alto.”

    “Você acha sinceramente que a veja ou a folha mentiriam para prejudicar o PT ?”

    “Por culpa do Lula, hoje o Brasil é um país comunista. Só existem 3 países comunistas: o Brasil, a China, a Coreia do Norte, e Cuba. E a Venezuela.”

    “É muita roubalheira. Na época do fhc, a gente não ouvia falar em corrupção.”

    “Eu li na veja”

  25. essas revelações do kotscho

    essas revelações do kotscho me

    fizeram entender melhor a

    raiva da grande mídia ao pt.

    acho quase um milagre o partido

    sobreviver doze anos na

    presidencia com esse ódio

    cruento que lhe dedica a grande mídia.

  26. Sobre a briga Veja X Governo

    Mas Ricardo Kotscho, você não falou toda a história. Esqueceu de mencionar que esse amor pelo PSDB está relacionado com a TVA que foi apoiada pelo PSDB para que a editora ganhasse a concessão de uso dessa empresa. É verdade, essa questão do jantar é mínima e tanto é que os maiores anúncios na revista Veja são do governo.

  27. Como alguém espirituoso disse

    Como alguém espirituoso disse há tempos, na época em que os semanários VISÃO e VEJA dominavam: A VISÃO NÃO VÊ NADA E A VEJA NÃO TEM VISÃO. Parece que nem com a falência da VISÂO (coisa que a VEJA nunca teve) essa porcaria de revista melhorou. Na verdade, só é possível melhorar o que é bom, pois o que não presta deve ser jogado fora e substituído por alguma coisa real. 

  28. Como alguém espirituoso disse

    Como alguém espirituoso disse há tempos, na época em que os semanários VISÃO e VEJA dominavam: A VISÃO NÃO VÊ NADA E A VEJA NÃO TEM VISÃO. Parece que nem com a falência da VISÂO (coisa que a VEJA nunca teve) essa porcaria de revista melhorou. Na verdade, só é possível melhorar o que é bom, pois o que não presta deve ser jogado fora e substituído por alguma coisa real. 

  29. HAHAHAHAHA…. Esse petismo

    HAHAHAHAHA…. Esse petismo só me faz dar risadas! É muita cara de pau do Lula e dos petistas reclamarem dessa situação! Antes a família Civita tinha verdadeiras diarréias de dinheiro, hoje apenas defecam notas de dólares e euros… O PT tirou muita verba publicitária que ia para essa família para criar uma mídia que só falava bem do governo petista, ou seja, o PT quis aparelhar a mídia no Brasil tirando $$ da “grande mídia”, e depois fica pagando de vítima??? O que que o Lula e o PT esperavam??? Um abraço caloroso e um beijo no rosto dos empresários prejudicados?? É MUITA CARA DE PAU… aliás, é muito CINISMO MESMO por parte do PT!!! 

    • Para de gritar um pouco e responde

      onde mesmo está toda esta mídia aparelhada a favor do PT ?

      Para entender o que é mídia aparelhada você só precisa olhar e ouvir os jornais tVs e rádios do Estado de São Paulo e sua proteção ao Alkmin.

       

      Para ter uma idéia do que é mídia aparelhada, basta ver como até a Rádio Cultura e a Rádio USP são usadas para só divulgar notícias negativas ao Governo Federal enquanto fazem propaganda dos feitos do Alkmin. Até o Alexandre Machado destrói sua  credibilidade fazendo  parte do esquema (e ainda sendo preterido pelo Schvartzman  – que vergonha).

       

      Mas é inútil sugerir isto a você que tanto grita e insiste nessa teoria fudada propagada por quem perdeu parte da boquinha.

       

       

    • Cara, em que país tu vive? Se

      Cara, em que país tu vive? Se não enxerga isso é uma pena. Vais sofrer muito nessa vida.  Quem sabe com o tempo aprende o que é manipulação.

  30. O grande Kotscho

    Nassif, acompanho os textos de Ricardo Kotscho desde os tempos da Folha de São Paulo. Esse está tão bom, por revelações exclusivas, que você poderia pedir aos programadores do blog a possibilidade de a gente encaminhar esses posts por e-mail. Facilitaria muito a vida da gente, em vez do trabalhão de cortar/colar do Windows.

    • Envio por e-mail

      Caro Alvaro,

      Este recurso já está existe e está em funcionamento. Fica logo abaixo do post, ao lado das opções de compartilhamento em redes sociais.

      Abraços!

       

  31. É impressionante, todo mundo

    É impressionante, todo mundo que tem uma opinião diferente da das famílias marinho e Civita é taxado de petista. Só pra lembrar, tratam-se de DUAS famílias fazendo jornalismo de exceção e que visam, claramente, interesse próprio e não aos da nação. A primeira apoiou a ditadura e a segunda trabalha em conjunto com o crime organizado.

    O termo antipetista (e seus aderentes) é cria desta “mídia” manipuladora, de reputação inidônea e ainda há pessoas que a defendem. Jornalismo deve ser imparcial (como é este blog), analisar a verdade (verdadeira) dos fatos, as propostas de governo e criticar quando for necessário.

    Pra vc (fantoche) que só assiste à rede globo, só lê a veja, eu pergunto:

    Se vc é o Juiz que condena o réu considerando apenas o que a acusação impõe, sem ouvir/dar oportunidade à defesa (ao contraditório), que espécie de JuiS é vc?

  32. REVISTA VEJA

    Parabens a RECORD, e a voçê KOTSCHO, porque infelizmente a impressa não informa o povo, somente o controla, por isso que sou um

    telespectador assiduo do JORNAL RECORD NEWS com HERÓDO BARBEIRO, e sei que a informação que você passa ali são verdadeiras.

    Obrigado e mais uma vez Parabens.

  33. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome