A fantástica família Ernest Dias, por Luis Nassif

Foi inesquecível conhecer Jorginho do Pandeiro, Jonas do Cavaco e, especialmente dona Odete. Que figura! Contava do flautista belga Mathieu-André Reichert, o primeiro a trazer o instrumento para o Brasil. Depois, discorria sobre seus seguidores.

Recebo de Carlos Ernest Dias o link de uma página do Instituto Moreira Salles, no qual a família apresenta o show Um Choro Para Waldir.

É um documento precioso. E me surpreendi vendo a matriarca dona Odete firme na flauta e nos conselhos para isolamento social.

Conheci dona Odete no início dos anos 80, quando Armando Aflalo trouxe parte do conjunto Época de Ouro, mais um pessoal de Brasilia, para gravar um dos LPs inesquecíveis do Selo Eldorado.

OP bandolinista era o Reco, principal responsável pelo monumental Clube do Choro, de Brasilia. Ele precisou voltar antes para Brasilia e alguém, acho que o próprio Aflalo, me pediu para encontrar o grupo no estúdio Eldorado, para sairmos à noite para um sarau.

Foi inesquecível conhecer Jorginho do Pandeiro, Jonas do Cavaco e, especialmente dona Odete. Que figura! Contava do flautista belga Mathieu-André Reichert, o primeiro a trazer o instrumento para o Brasil. Depois, discorria sobre seus seguidores.

Era sábado. Terminada a gravação de estúdio, o técnico de som nos convidou para ir a um clube, no Jabaquara, fazer uma apresentação. Chegamos e o clube estava em pleno Carnaval do Hawai. Ponderei que não ia dar certo. Mas o rapaz disse que fazia parte da diretoria. Parou, então, o baile, colocou uma mesa de cadeiras no meio da quadra e lá fomos nós tocar. Terminada a primeira música, percebemos que se começássemos a segunda, ia haver linchamento. Por isso, prudentemente batemos em retirada.

Nem sei como é que fomos parar na casa da mãe da Maria Rita Khell, ali perto da praça Panamericana. Só sei que, chegando lá, enchemos a cara. Lá estava a Tutu, amiga nossa, pandeirista loura, mais o Clóvis Azevedo e outros amigos. Uma das cenas mais engraçadas foi Jonas, bêbado que nem um peru, tentando convencer Jorginho que “aquela loura do pandeiro” tinha atração por bandeiristas.

Ficamos até determinada hora e rumamos para o Alemão. Fui guiando, com Jonas do meu lado puxando conversa.

– Viu o que fiz com aquele jornalista metido a besta que estava na festa? Acabei com ele.

Concordei plenamente, porque o jornalista em questão era eu mesmo.

Depois Jonas contou o dia em que foi pegar a barcaça para Niterói, bêbado até o último. Conseguiu chegar, sentou no banco e dormiu. Aí ouviu um apito da barca saindo. Pensou que a barca já estivesse voltando de Niterói, pulou o muro e caiu no cais… para descobrir que ainda não tinha saído do Rio.

Foi uma noite divertida.

Aqui, a página do IMS com a família Ernest Dias.

A flautista Odette Ernest Dias (Paris, 1929) chegou ao Brasil em 1952 para integrar a Orquestra Sinfônica Brasileira, e aqui ficou. Para interpretar Um choro pro Waldir, de Cristóvão Bastos e Paulinho da Viola, reuniram-se neste vídeo – tocando no Rio, em Brasília, Belo Horizonte e Toulouse, na França – Odette e quatro de seus seis filhos: Andrea e Claudia (flautistas), Carlos (oboísta) e Jaime (violonista). E ainda as netas Clarice Nicioli (flautista), Bebel e Joana Nicioli (clarinetistas), o genro Raimundo Nicioli (violonista), as noras Liliana Gayoso e Luiza Volpini (violinistas), e os netos Miguel Dias (baixista e autor do arranjo) e Lourenço Vasconcellos (percussionista), com sua companheira Renata Neves (violinista).

 

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora