Todo tempo quanto houver pra mim é pouco…

por Luciano Hortencio

Quinteto Violado – NUMA SALA DE REBOCO – Luiz Gonzaga e José Marcolino.

Álbum: Quinteto Violado – Pilogamia do Baião.

Ano de 1979.

Coisas que o tempo levou.

 

“É a primeira do disco “Pilogamia do Baião”, do Quinteto Violado, de 1979.

Na minha opinião é o melhor disco desse conjunto musical primoroso, único no Brasil nesse estilo regional nordestino! Conta também com lindas canções como “Um Sonho”, “Do Pilar”, “Kalu”, “Martelo Agalopado”, e “Gíria do Norte”! O trabalho mais desgarrado, psicodélico do Quinteto Violado, e o mais rural de todos eles! Pena que esse disco foi relegado ao esquecimento, e figure como um “disco menor” desse Quinteto imortal!

PRA SENTIR NA VEIA A PISADA DE “NUMA SALA DE REBOCO”, O CABRA TEM QUE SER NORDESTINO!!! EU TENHO ORGULHO DE SÊ-LO, E PODER SENTIR TUDO ISSO À FLOR DA PELE!!! E ESSA É A MELHOR VERSÃO DESSA MÚSICA ATÉ HOJE!!! QUINTETO VIOLADO SEMPRE INOVADOR E SEMPRE À FRENTE DOS VERDADEIROS COMPOSITORES DAS CANÇÕES QUE ELES INTERPRETAM!!! QUINTETO VIOLADO, PURO REGIONAL NORDESTINO SEMPRE NA VANGUARDA, E MAIS MODERNO QUE O REGIONAL NORDESTINO QUE SE VÊ HOJE EM QUALQUER SETOR DA MÍDIA!!!

FERNANDO FILIZOLA, MARCELO MELO E TOINHO ALVES, GRANDES MÚSICOS IMORTAIS, POPULARES E ERUDITOS AO MESMO TEMPO!!! O QUINTETO SEMPRE FOI APLAUDIDO DE PÉ EM TODOS OS LUGARES QUE FEZ TURNÊ, ATÉ MESMO NO EXTERIOR, TAMANHA A QUALIDADE DO SOM QUE ESSES CABRAS DA PESTE FAZEM!” Justiceiro837.

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora