George Soros, megainvestidor, faz sua fezinha com ações da Petrobras

Jornal GGN – Enquanto a oposição tenta fazer com que a Petrobras seja privatizada por excesso de ‘corrupção’, tenta grudar na presidente eleita, Dilma Rousseff todos os podres cometidos por uns e outros, George Soros, o megainvestidor, vai fazendo sua fezinha na Petrobras. Sim, é isso mesmo, ele está comprando rapidamente tudo de Petrobras que cai em suas mãos. E a oposição continua depreciando nosso maior bem e a direita raivosa não se informa e ele feliz e contente com as aquisições. Leia a matéria do Estadão.

do Estadão

Megainvestidor George Soros compra mais ações da Petrobrás

ALTAMIRO SILVA JÚNIOR – CORRESPONDENTE DA AGÊNCIA ESTADO

Bilionário vai na direção contrária de grandes fundos dos Estados Unidos e aumenta aposta na estatal

Enquanto grandes fundos dos Estados Unidos reduziram nos últimos meses as apostas em papéis da Petrobrás, um grande investidor está indo na direção contrária, o bilionário George Soros. Desde o começo do ano ele vem aumentando as compras de ações da empresa brasileira e no último trimestre dobrou a quantidade de papéis em suas carteiras.

Soros fechou o terceiro trimestre com 5,1 milhões de ações e opções de compras da Petrobrás. No período anterior, ele tinha 2,4 milhões de papéis, também acima dos 2 milhões do primeiro trimestre, de acordo com dados enviados pela Soros Fund Management, que administra cerca de US$ 28 bilhões, para a Securities and Exchange Commission (SEC, que regula o mercado de capitais norte-americano). Pelas regras dos Estados Unidos, os fundos precisam informar à SEC a cada trimestre como estão suas carteiras no fechamento do período, com a quantidade de ações e as empresas em que investem.

Já outros grandes fundos dos EUA têm vendido ações da Petrobrás. A Millennium Management, que administra cerca de US$ 22 bilhões, reduziu sua exposição em 86% no terceiro trimestre comparado com o segundo período de 2014. A Discovery Capital, que faz a gestão de US$ 15 bilhões, cortou em 28%, e a D.E. Shaw, com recursos de US$ 34 bilhões, em 9%.

Leia também:  Previdência: as entranhas expostas do bolsonarismo, por Antonio Martins

Outros fundos foram ainda mais radicais. A AlphaBet Management, que agora se chama Saiers Capital e administra US$ 2 bilhões, zerou a posição. A Arrowstreet Capital, que faz a gestão de US$ 25 bilhões, também se desfez dos 1,1 milhões papéis da petroleira, segundo os dados da SEC compilados pelo site especializado em fundos de hedge InsiderMonkey.

Os American Depositary Receipts (ADRs), recibos que representam ações da Petrobrás e são negociados na Bolsa de Valores de Nova York (Nyse, na sigla em inglês) acumulam queda de 50% este ano. Uma série de notícias negativas nos últimos meses tem ajudado a provocar estas perdas. Entre elas, as denúncias de corrupção na empresa, prisão de executivos da companhia e de prestadoras de serviços, falta de divulgação do balanço do terceiro trimestre, alto endividamento e a queda do preço internacional do petróleo.

Na avaliação dos analistas de petróleo do Credit Suisse, Andre Sobreira e Vinicius Canheu, a Petrobrás já quebrou uma série de promessas feitas aos investidores e é crucial, para restaurar a confiança, que a empresa apresente números e metas confiáveis e que as investigações das denúncias tenham resultados concretos, escrevem em um relatório a investidores.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

36 comentários

  1. Enquanto Soros vai se

    Enquanto Soros vai se entupindo de ações da Petrobras, brasileiros deitados em berço esplêndido, como se tivesse todo o tempo do mundo, ficam discutindo se é bom negócio ou não comprar as ações daquela empresa.

    • Eu, que não estou deitado em
      Eu, que não estou deitado em berço esplêndido, fico pasmo como se chegou a roubar ( este o termo?) sem que ninguém visse nada. Em tempo, conheço um tanto de gente(classe média) que só não vende as ações porque a perda será gigantesca.

    • Não está se entupindo, 2,4

      Não está se entupindo, 2,4 milhões de ações em 13 bilhões, investimento que não chega a 10 milhões de dolares, Soros tem 27 bilhões de dolares de fortuna pessoal, essa compra equivale a um café com creme.

  2. Acho o maximo os

    Acho o maximo os analistas

    Quando sobe, eles explicam. Quando cai eles explicam

    Só não explicam antes

    Então digam qual a meta que julgam correta ( em numeros). E não falas genericase vazias

  3. Nassif, pela notícia não dá

    Nassif, pela notícia não dá para saber se o George Soros continua comprando ações neste quarto trimestre ou se desfez delas

    • Soros é apenas gestor de

      Soros é apenas gestor de fundos, não é do ramo de privatizações. Hoje aos 82 anos ele está mais preocupado com sua namoradinha de 40 do que com a Petrobras.

  4. Wanderlley Guilherme dos Santos”momento antropofágico do brasil”

    O momento antropofágico do Brasil  em Revista Carta Capital – 15/12/2014

    Uma grave crise funcional do Estado eleva seus custos de maneira intolerável(Se não foi publicado por aqui GGN, segue) , Por WANDERLEY GUILHERME DOS SANTOS

    O governo só não cai por falta de colo hospitaleiro. Ainda bem, pois escasseiam robustas lideranças democráticas capazes de desmantelar, por simples presença, arranjos contra a legalidade. O Legislativo distrai-se em conquistas predatórias ao apagar das luzes do atual mandato. Os movimentos sociais organizados, outrora valentes escudeiros de valores universais, empalideceram e a multidão de siglas que desfilam em conclamações lembra os “blocos do eu sozinho”. Em São Paulo, estado volta e meia em conflito com o resto do País, a direita brega patrocina intervenções surrealistas sem acordo prévio sobre o propósito da perturbação do trânsito. Augustos integrantes da judicatura disputam o horário televisivo com escaramuças entre bandos de traficantes. Há um esbanjamento de despudor, ausência de autocrítica, intermináveis confabulações pré-ministeriais, além da conhecida opacidade do governo. Tudo a deixar a leve impressão de que os verdadeiros espetáculos em um só ato, ou vários, estão em exibição alhures. A rotina pós-eleitoral, que deveria ser pacífica, está em ebulição à revelia das autoridades recém-eleitas.

    A insaciável antropofagia brasileira converteu o “impedimento”, mecanismo de destituição de autoridades públicas, em alavanca para a nomeação de ministros. Está aí o surpreendente novo ministro da Fazenda que não me deixa mentir, embora condenado a ser, ele próprio, deglutido: pelos conservadores, por ser Joaquim Levy de menos, pela esquerda, por sê-lo de mais. Em qualquer caso, é improvável que reconquiste a identidade pretérita. Ele e os demais figurantes em processo de escolha governamental estão sujeitos a ampla rejeição ao simples anúncio de que estão cogitados para escalação. A fonte escaladora não transfere segurança, mas doses da mesma controvérsia de que padece no momento. Ninguém pode prenunciar qual a face do governo em, digamos, seis meses.

    A antropofagia continua na transformação do saudável pluralismo organizacional democrático em máfias de concorrência coordenada, com regras e procedimentos estabelecidos. E adulto de anos o entrelaçamento entre competidores privados e nichos da burocracia pública e ainda ignorada a extensão do sistema extrativista assentado em extorsão e suborno. Hoje é a Polícia Federal que determina a pauta relevante da política, precisamente pela elevada taxa de imprevisibilidade quanto aos danos políticos e econômicos gerados pelas investigações. A partidarização pretendida pela oposição, na torcida pela declaração oficial de que o Partido dos Trabalhadores está contaminado em estágio terminal pelo vírus da corrupção, não prevalecerá. Já investigações paralelas começam a revelar alguns dos escândalos a macular o longo predomínio tucano no estado de São Paulo, e sabe-se que a era Aécio Neves, em Minas Gerais, não foi um primor de lisura. Governo, oposição, Legislativo, Judiciário, grupos de pressão eficazes (OAB, CNBB, jornalismo crítico sensato) terão de lidar, por bom tempo, com um problema nada miúdo.

    Não se trata de advogar uma anistia generalizada pela comprovação da universalidade do delito. A oportunidade é singular demais para exaurir-se na contabilidade de malfeitos partidários. Já uma grave crise funcional do Estado brasileiro que eleva de maneira intolerável os custos do governo e do crescimento econômico. Consequentemente, aqui se joga com a continuidade ou interrupção da distribuição iníqua dos sacrifícios inerentes à trajetória de países emergentes. Os custos excessivos, o sobrefaturamento, as propinas e mimos distribuídos não são, nem apenas nem principalmente, uma agressão a acionistas e fideístas dos bons propósitos de empresas gigantes, grandes ou médias.

    Os recursos ilegalmente extraídos do Tesouro Nacional, por empresários ou servidores públicos, apontam para uma das habilidades antropofágicas de transformar o progresso material em miséria social. Sim, os brasileiros poderiam usufruir um nível de bem-estar superior se o Estado não fosse balcanizado entre grupos de burocratas e máfias empresariais de concorrência controlada.

    Se existissem países sem solução, o Brasil pertenceria, talvez, ao grupo. Derrotados eleitorais tentam tornar sem efeito a derrota. Poucos os ouvem, mas outros, com relativo poder causai, ameaçam colocar sob suspeição o mandato dos vencedores. Esses escolhem ignorar a possibilidade de que, segundo a lei vigente e as conclusões da Polícia Federal, venha a ser impossível governar. Isso, óbvio, se as conclusões forem aceitas tal e qual pelo Ministério Público. Bem verdade ser praticamente impossível que o País pare de funcionar e que a fantástica quantidade de obras em andamento, das quais depende o futuro da população brasileira, seja interditada. Mas há que resolver qual o destino dos implicados nos ilícitos. Livres é que não poderão ficar.

    Igualmente improvável que as eleições de 2014 sejam anuladas. Seria indigesto mesmo para alguns bons antropófagos. Mas é certo também que o País não será governado segundo o plano original e o Estado não obrará como dantes. Pois governar não se resume a nomear ministros. Tampouco a exigir que prazos sejam cumpridos. Mais do que a misteriosa reforma política, urge uma revisão estrutural no modo de operação do Estado brasileiro, em seus órgãos de controle não só a posteriori, mas de acompanhamento. E se o governo paira, sem liderança política para além da administrativa, seria cautelar ser informado de que ninguém está livre da antropofagia.

  5. oposição levada ao extremo só para tumultuar…

    uma irresponsabilidade que gerou um prejuízo incalculável para o Brasil e os brasileiros

    megainvestidores como Soros é que dão preço ao PSDB, desde FHC, Gilmar e Dantas

  6. .

    George Soros é na verdade  um megaespeculador e é desta forma que deve ser visto e analisado seu comportamento.  Com certeza não é positivo vê-lo comprando ações da Petrobrás como tem feito, pois o lucro ele buscará depois, sem consideração dos prejuizos que poderá causar à companhia.

  7. O último prágrafo é

    O último prágrafo é mordaz!

    Mas eu destaco também o “máfias empresariais de concorrência controlada”: controlada… Ou seja o vetusto conluio entre empresas e burocratas…

  8. Oh, agora tao explicadas as

    Oh, agora tao explicadas as sabotagens com o stock da Petrobras.

    So podia ser Soros mesmo.

  9. Millenium and Arrow, Discovery

       Leiam a noticia direito:

       Quem informou: O InsiderMoney ( mão tem nenhum macaco – monkey – de operador ), um site especializado em hedge ( proteção ), que monitora “fundos de pensão” em suas operações day. Portanto, é o seguinte:

        Papéis de petroleiras, todos em tendencia de baixa, de acordo com as regras de carteira, estabelecidas em contrato, caso tenham elevada baixa constante, devem ser “trocados” – é parte de um derivativo, a parte real, que deve ser substituida, vende-se o papel, capitaliza-se “cash”, e troca-se de posição, reestabelecendo-se a média do fundo, ou no caso, da “carteira”, administradores de fundos como estes, alem de terem que respeitar os parametros de solvencia futura da SEC, tem que pagar dividendos mensais a seus participantes, portanto fez “cash hedge” com a PBR/Chevron etc.., recompondo a margem, e continuando a pagar as aposentadorias das velhinhas do Colorado, ou elas mandam a famigerada ordem de venda, e o fundo “vai para o saco”.

         Já especuladores e Bancões, santos que dão liquidez ao mercado, com a PBR por volta de US$ 3,25, saem comprando, sem forçar para a cotação não subir – manter o preço do ADR flutuando na margem de compra -, entesouram o papel, e ficam esperando – mesmo com marcação diaria, o papel está “baixo” em relação ao PR ou ao EBIDTA, comprou – pagou – segurou ( as vezes dá para fazer uma aposta em um futuro contra entrega do papel – se dá certo, alavanca o fundo ).

          Imaginem a cena, a qual espero que não ocorra: Comprei PBR4 a US$ 4,00 de média, coloquei no estoque do fundo derivativo, o papel baixou a US$ 3,00 ( perdi 25%), coloco “margem” segurando o meu papel, com os outros do mesmo fundo, aí o governo resolve privatizar a PBR, toda ou parte, na oferta de US$ 10,00, pode chegar a US$ 11,00, dá “tag alog” ( estende a oferta a todos os minoritários ): Tô Rico, tanto a vista, realizando o papel fisico, e no futuro, comprei a US$ 4,00, e outra ponta (compradora ) irá me pagar US$ 11,00 por papel

        

    • Ótima explicação

      Juntando uma coisa aqui, outra ali, imagino que bolsa de valores é algo paralelo ao que poderíamos chamar de economia. Na hiperfinanceirização do capitalismo, ficou para trás o tempo onde o investidor deveria estudar com lupa balanços de empresas. Informação privilegiada virou moeda forte e para poucos. Agora, não apenas. Fundamental é fabricar a informação. E toma derivativos de todos os tipos onde se ganha com ações subindo, descendo, na margem etc. Basta pegar um setor e trabalhar com quadros que inventem o que pode parecer crível. Há mídia para isso, devem ter suas tabelas de preços pelo serviço.

      Minha dúvida é sobre quando a polícia, ou jornalistas independentes, irão seguir um princípio básico da investigação: follow th money! Se feito, vão aparecer muitos esqueletos escondidos. Não faltarão sensacionais surpresas.  

    • A verdade é que os petistas

      A verdade é que os petistas estão tão perdidos que até notícia do megainvestidor Soros especulando com ações da Petrbráes eles aplaudem.

      Enquanto isso a Petrobrás vai afundando e caminhando para a insolvência.

      Nenhum grande banco internacional vai rolar as dívidas da Petrobrás. Nosso orgulho nacional vai cair nas mãos dos chineses.

       

       

  10. resta saber se isso ajudará a

    resta saber se isso ajudará a petrorás a se recuperar desse

    baque nos preços internacionais do petróleo.

  11. Ah bom!

    Que susto! Pensei que a culpa da gestão da Petrobrás fosse de quem está sentado na cadeira de direção da empresa….

  12. Se o povo brasileiro tomar

    Se o povo brasileiro tomar consciência do que está ocorrendo à Petrobrás, e quiser ajudar a Empresa, compra ações. Eu já decidi que serei uma acionista. Seja você também.

    • Se Soros é bastante podre?

      É!

      Em 1997, ele e seu moleque de recados, o Armínio Fraga, trituraram a Tailândia, provocando um efeito cascata que acabou chegando no Brasil. Não seria pra mim, absolutamente nenhuma novidade se se descobrisse que Armínio Fraga e George Soros manipulam pra quebrar a Petrobrás e se apossar de tudo quanto puder… o palanque da Globo está cada vez mais venenoso. Daqui a pouco vão colocar extras de seu nojento noticiário só pra falar mal da Petrobrás. Isso não é de graça: tem gente pagando, e muito por isso.

      • Concordo com você

        Eu também não ficaria nada surpresa se descobrirem que por trás de todas essas notícias que visam destruir a Petrobrás tem as digitais dessa dupla George Soros-Armínio Fraga. Só pode.

  13. Os comentarios deste post

    Os comentarios deste post entram no “Primeiro Capeonato de Tolices em Blogs” , é muita bobagem junta.

    • Motta Araújo,

      vai um comentário “inteligente” em sua homenagem. Georginho S “achou” que o Aécio iria ganhar a eleição para presidente e, então, “pensou”: com o Armínio, meu “chegado”, no comando da economia, vou lavar a burra! Resultado: deixou de comprar um café do “Mac Donalds”, como diz você, e comprou um café da Petrobrás, que passaria para Petrobrax!

      Certo?

      Gostaste da homenagem?

      P.S.: Sabes que entendo tudo do assunto!

       

      • Absolutamente NADA A VER. O

        Absolutamente NADA A VER. O velinho comprou as ações da Petrobras DEPOIS DAS ELEIÇÕES, não tem nada a ver com Aecio ou Arminio, Soros é um ideologo da esquerda americana através de sua OPEN SOCIETY FOUNDATION, é o inimigo numero um nos EUA do Partido Republicano,  como Lord Keynes em seu tempo, Soros tem multiplos interesses, não é só dinheiro. Mentes complexas estão em outro patamar intelectual e não se movem apenas por micro interesses.

        Uma vez Lord Keynes deu uma entrevista sobre o ballet russo “Suite Quebra Nozes” que estava se exibindo no Convent Garden Theatre. Ao fim da entrevista o jornalista perguntou “Mas é curioso o senhor, um grande economista, ter interesse por ballet” o que Keynes respondeu “Tenho interesse por muitas coisas, a economia é uma delas e é o que menos me interessa”.

        Imagine se Soros, que tem 30 bilhões de dolares, vai ele mesmo se envolver com uma transação de 10 milhões de dolares.

        Obviamente quem comrpou foi um gerente de fundos de sua administradora, ele está afastado desse dia a dia.

  14. Recompra

    E o governo, que poderia recomprar grande parte das ações criminosamente entregues, a preço de banana, a especuladores estrangeiros, na Bolsa de Nova Iorque, no  “impoluto” governo do inimputável FHC, nada faz. 

    • 1.Para recomprar todas as

      1.Para recomprar todas as ações em mão de investidores privados precisa ter cash R$60 bilhões, que o Governo não tem e se tivesse não teria logica economica e legal para despender esse dinheiro para isso, considerando que quem precisa e muito de dinheiro é a propria PETROBRAS.

      2.As ações não foram vendidas a preço de banana, foram vendidas a valor de mercado, que não é de banana e nem de laranja, é o preço que valia.

      3.Quem comprou ações da Petrobras não foram “”especuladores estrangeiros””, foram fundos de investimento no exterior e pequenos acionistas no Brasil, usando o FGTS. Sem o “especulador” nunca teria existido pelo mundo afora um MERCADO DE CAPITAIS, é o especulador que faz o mercado ter liquidez.

  15. Eu também compraria…

    Gente,

     

    O preço das ações está batendo no fundo do poço. O judeuzão sabe muito bem que ajustando a administração, a Petrobras continuará a ser uma das maiores empresas do mundo, dona de uma das maiores reservas de petróleo do mundo. Quer negócio melhor? Ele sabe que passada a tempestade, vem a bonança. Se ele tá caindo dentro, o negócio é maravilhoso. Se eu tivesse disponibilidades, pisaria na sombra dele.

  16. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome