A Covid leva meu amigo João Macacão, o seresteiro de São Paulo

Juntos navegamos pelos bares de São Paulo, vi seus filhos crescerem e ele acompanhou o crescimento das minhas quatro filhas. Tocamos em São Paulo, em Guaratinguetá, em Poços de Caldas, tocamos pelos bares de Sampa. Nos saraus de casa, era sempre o primeiro a aparecer, com uma pontualidade inigualável.

João Macacão se foi, duas paradas cardíacas em cima de um organismo debilitado pelo coronavirus.

João foi companheiro de rodas de choro desde meus primeiros anos em São Paulo. Conheci-o no Bar do Alemão. E João já era uma lenda, com seu violão de 7 cordas acompanhando Silvio Caldas. Manteve-se com Silvio até sua morte. Antes de morrer, Silvio recomendou-o a Paulo Vanzolini, como quem entrega o filho para um preceptor.

Junto com João, rodamos todas as rodas de choro de São Paulo. Lembro-me de uma noite inesquecível nos anos 70, em que haveria uma rodada em uma república de jornalistas e artistas em Santo Amaro. Do lado dos jornalistas, Dirceu Brizola, acho que o Roberto Muller também. Do lado das artistas, as iniciantes Sônia Braga e Bruna Lombardi. A república era da melhor tradição das vilas hippies da década de 60. A festa rolou solta e, admito, nós, do choro, éramos os únicos quadrados da história – os mais velhos entenderão o termo.

No meio da festa uma moça se encantou com João. E, do nada, apareceu a namorada da moça ameaçando dar pernada na gente. Resolvemos bater em retirada. Durante anos João contava a história e a surpresa de ter entrado em um ambiente tão exótico quanto aquele.

A amizade perdurou por décadas. Quando comprei um apartamento, em fins dos anos 80, o João é que acertou o encanamento. Até então, tinha a dupla profissão de encanador e músico. Com o tempo, tornou-se bastante popular para viver apenas da música. Principalmente quando resolveu cantar, desenvolvendo um estilo semelhante ao do padrinho Silvio Caldas.

Leia também:  Coronavírus: Europa tenta conter segunda onda sem quarentenas

Músico da noite, sim, mas severo nos hábitos, costumava enquadrar a rapaziada que se soltava muito com a bebida. Tornou-se um orientador de todo jovem músico que o cercava. Ao mesmo tempo, formou uma família linda com a esposa Marilene, uma arquiteta judia branquíssima, que o acompanhava no pandeiro. Juntos, tiveram um casal de filhos lindos.

São Paulo tem grandes 7 cordas. Mas João sempre foi o 7 cordas com quem melhor me dava. Tinha um violão seguro, com a baixaria controlada, marcando o tempo sem se perder em firulas. E com enorme domínio das passagens das músicas.

Juntos navegamos pelos bares de São Paulo, vi seus filhos crescerem e ele acompanhou o crescimento das minhas quatro filhas. Tocamos em São Paulo, em Guaratinguetá, em Poços de Caldas, tocamos pelos bares de Sampa. Nos saraus de casa, era sempre o primeiro a aparecer, com uma pontualidade inigualável.

Lembro-me da noite mais emocionante que passamos juntos. Na missa de 7o dia do grande Paulo Vanzolini, os músicos correrem em grupo com seus instrumentos, para homenageá-lo. A família não permitiu.

Lá perto das 10 da noite, João chegou no Alemão, desenxavido com a homenagem que não foi prestada. Mas sacou seu violão e, juntos com os outros boêmios, homenagearam Vanzolini tocando seu repertório.

João Macacão acreditava em Bolsonaro. Por esse motivo, menosprezava os riscos da doença e passeava pelo bairro sem máscaras.

Aqui um sarau com João Macacão em 1989, ainda sem o João cantor.

Aqui, cantando uma de suas músicas favoritas, Perfil de São Paulo, de Bezerra de Menezes

Leia também:  Coronavírus: Cientistas alertam para crescimento da taxa de mortalidade no Reino Unido

Aqui, no melhor estilo seresteiro, sendo acompanhado pelo Alexandre Penezzi

Outra seresta do seu repertório.

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

10 comentários

  1. Como essa doença vai nos encurralando, nos encurralando … vai nos apertando feito limões, tirando de nós sensações que cultivávamos, deixávamos amadurecer num cantinho reservado aos sentimentos mais profundos. Esse momento é o PIOR MOMENTO DO PAÍS. Sinto muito, mas não tenho mais o que dizer.

    • Parabéns pela BEla e merecida homenagem, a este que foi um dos baluartes da música paulistana! Com muita tristeza e inconformados nos despedimos deste querido e generoso amigo , que tinha um coração de mãe ! Um homem ainda forte e jovem , levado por este trágico acidente da humanidade!

  2. A Covid-19, com o apoio desse desgoverno, leva o João Macacão.
    A seresta, o samba, o choros e todos nós ficaremos mais pobres.

  3. Caro Nassif, todos sentimos no coração a perda do nosso querido João Macacão, devemos muito à ele, e somos gratos por termos o conhecido em vida.

    Por favor, não politizar a morte de um amigo, isso não se faz, é muito feio.

    obrigado

    1
    2
  4. Tivemos o privilégio de ouvi-lo inúmeras vezes e, uma delas, especialmente no aniversário do meu marido de 60 anos.
    Que triste ! Mais um que se vai e alguns ainda acham que é uma gripezinha .
    Nossos sentimentos aos amigos e família 😔

  5. João era primo da minha mãe, uma pessoa maravilhosa,lembrando a infância, as artes,era contagiante,ele trouxe o 1 cd escutamos mas pedimos pra ele cantar ele tocou cantando Conceição , era uma voz que nunca mais irei me esquecer,minha filha tentou acompanhá lo com o sax,daí ele disse que mandaria as letras pra ela,ele era muito doce e família,a última vez que o vi foi quando minha mãe morreu,ele não conseguiria chegar a tempo mesmo assim ele veio com meu tio,Deus conforte a familia os abençoe grandemente, porque ele está nos braços do Pai.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome