Ano escolar é flexibilizado, mas Bolsonaro veta apoio federal para redes de ensino

Governo segue ausente em ações voltadas à educação; escolas ficam dispensadas de cumprir calendário mínimo de dias letivos

Foto: Carolina Antunes/PR

Jornal GGN – Decreto sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro na noite desta terça-feira libera as escolas de cumprirem o calendário mínimo de aulas do ano letivo por conta da pandemia, mas a previsão de apoio federal para as redes de ensino foi vetada pelo presidente.

Segundo o jornal Folha de São Paulo, Bolsonaro também vetou artigo que permitia o uso dos recursos federais de merenda para a distribuição de dinheiro, por meio de cartões, para as famílias carentes. O veto manteve a regra de uso do dinheiro apenas para a compra de alimentos.

O governo argumentou que as despesas superam os critérios orçamentários ou adicionais, e que o Orçamento de guerra não estabeleceu valor específico para a área da educação.

A decisão confirma que o governo Bolsonaro segue ausente em tomar iniciativas que deem algum tipo de suporte à educação, enquanto Estados e municípios seguem sem receber apoio federal financeiro ou técnico.

O Ministério da Educação (MEC) não criou uma linha de financiamento para dar suporte às redes – a MP chegou a sofrer mudanças no Congresso para ter essa previsão, mas Bolsonaro vetou tais trechos. Os vetos foram publicados na edição desta quarta-feira (19/08) no Diário Oficial da União.

 

 

Leia Também
Coluna Econômica: a sofisticada cadeia econômica do narcotráfico
Cármen Lúcia ordena a Mendonça que entregue dossiê antifascista aos ministros do STF
Pesquisa expõe o grave déficit de financiamento das unidades de conservação no Brasil
Policiais antifascistas foram investigados em Natal antes de dossiê
Com cortes do governo, SUS deve perder R$ 35 bilhões em 2021

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora