Aras dá último golpe na Lava Jato em Curitiba, retirando exclusividade dos procuradores

PGR estendeu a força-tarefa até outubro de 2021. Mas determinou retorno dos procuradores aos seus domicílios de origem e acúmulo de investigações

Geraldo Bubniak/AGB

Jornal GGN – A Lava Jato em Curitiba caminha cada vez mais rápido para viver seu ocaso, depois da saída de Sergio Moro, da aposentadoria de Carlos Fernando dos Santos Lima e da saída de Deltan Dallagnol. O último golpe sofrido pela operação é o fim da exclusividade dos procuradores que ainda sobraram na força-tarefa.

Nesta semana, o procurador-geral da República, Augusto Aras, assinou uma portaria estendendo a força-tarefa em Curitiba até outubro de 2021. Mas com o fim da exclusividade, os procuradores podem ter de retornar aos seus locais de origem e acumular outras investigações.

Além disso, com a decisão de Aras, a equipe no Paraná receberá membros do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) que já acumulam outras funções.

Dessa forma, apenas 3 dos 13 procuradores da força-tarefa vão continuar se dedicando integralmente à Lava Jato. Os 3 procuradores são o coordenador da força-tarefa, Alessandro Oliveira; Roberson Pozzobon e Luciana de Miguel Bogo.

“Mesmo assim, a portaria abre espaço para que Pozzobon e Bogo também tenham que retornar às suas cidades: respectivamente, para Guarapuava e Umuarama, ambas no interior do Paraná”, anotou a Folha.

Com a medida, a Lava Jato entende que, “na prática”, “as limitações impostas pesam mais na balança, prejudicando o andamento dos trabalhos.”

A Lava Jato em Curitiba ainda tem 50 ações em curso e outras 400 apurações em aberto.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora