As 15 gangs que apavoram gays e negros em São Paulo

Acessibilizo abaixo matéria de Laura Capriglione na Folha de S.Paulo de hoje (matéria dividida em duas), com um comentário prévio: se os princípios do que eu chamo Filosofia e Pedagogia do Convívio [ www.tropis.org/biblioteca ] fossem tomados como base de toda educação, esse tipo de coisa não estaria crescendo. Pena que isso precisasse ter acontecido já 20 anos atrás, quando isso ainda não estava elaborado. Mas agora mesmo, do que adianta ter a chave de uma coisa, quando se sabe que ninguém vai acreditar nisso? 🙁

25 gangues apavoram gays e negros nas ruas da cidade

Polícia Civil de São Paulo identifica 200 integrantes de grupos extremistas.
Skinheads entre 16 e 28 anos são investigados por “crimes de ódio” que deram origem a 130 inquéritos policiais.

LAURA CAPRIGLIONE
DE SÃO PAULO 

Eles são jovens, com idades entre 16 e 28 anos. Têm ensino fundamental e médio. Pertencem, em sua maioria, às classes C e D. Usam coturnos com biqueiras de aço ou tênis de cano alto, jeans e camisetas. São brancos e pardos -negros, não. Cultuam Hitler, suásticas e o número 88. A oitava letra do alfabeto é o H; HH dá “Heil, Hitler”, a saudação dos nazistas. Consomem baldes de álcool. As outras drogas têm apenas uso marginal. Ostentam tatuagens enormes em que se leem “Ódio”, “Hate”, ou “Ame odiar”. A propósito, odeiam gays e negros. São de direita. Gostam de bater, bater e bater. E de brigar.

O perfil dessa turma, auto-denominada skinheads por influência do movimento surgido na Inglaterra durante os anos 1960, quem traçou foi a Decradi (Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância), da Polícia Civil do Estado de São Paulo.

No total, a Decradi já identificou 200 membros de 25 gangues com nomes como Combate RAC (Rock Against Communism- rock contra o comunismo, em português) e Front 88 (sempre o 88).

São integrantes desses grupos que aparecem com mais frequência como agressores de negros, gays e em pancadarias entre torcidas organizadas, quando encarnam a faceta “hooligan”.

Também a exemplo do que ocorre na Europa, skinheads são especialistas em quebra-quebra entre torcedores. 

“FAIXA DE GAZA”

A delegada Margarette Correia Barreto, titular da Decradi, é quem lidera o esforço de identificação dessas gangues. Atualmente, na delegacia, há 130 inquéritos envolvendo os “crimes de ódio”- motivados por preconceito contra um grupo social.

“O alcance e a repercussão desses ataques, entretanto, é muito maior do que em um crime comum. Se um homossexual é atingido, todo o grupo sente-se atingido”, exemplifica a delegada do Decradi. “É uma comoção.”

Pelo levantamento da polícia, o foco dos “crimes de ódio” é a região da avenida Paulista e da rua Augusta, na região central da cidade. Segundo a delegada, ali é “a nossa faixa de Gaza”.

O motivo é que a área tem a maior concentração de bares frequentados por gays e por skinheads -cada turma no seu reduto, mas todos muito perto uns dos outros. “Eles acabam se encontrando pela rua”, diz a delegada.

Ex-punk, policial monitora agressores

Investigador acompanha as ações de grupos homofóbicos em SP; torcidas organizadas também estão na mira.
Delegacia especializada também investiga os crimes contra negros, judeus e nordestinos cometidos na internet.

DE SÃO PAULO 
Um investigador de polícia, ex-punk, é quem monitora os skinheads e os punks homofóbicos na Decradi.

Outro investigador, responsável por se antecipar aos movimentos dos “hooligans” nos estádios, está em permanente contato com as torcidas organizadas.

Uma delegada-assistente é quem cuida da frente de crimes de ódio na internet.

No total, 20 policiais, incluindo a delegada Margarette Correa Barreto, 44, integram a força-tarefa paulista para cuidar dessas modalidades de ataque.

Foi assim que se conseguiu localizar, intimar, colher o depoimento e concluir o inquérito no caso da jovem que, nos dias seguintes à eleição de Dilma Rousseff, usou o seu perfil no microblog twitter para conclamar: “Nordestisto [sic] não é gente, faça um favor a Sp, mate um nordestino afogado!”.

 

“O problema é que o crime de ódio tem características de onda. Depois da repercussão daquele caso, ocorreu um tsunami de manifestações antinordestinos na internet”, afirma a delegada.

No total, 40% de todas as ocorrências atuais da Decradi já se referem a casos cibernéticos, envolvendo, pela ordem, ataques a negros, judeus e nordestinos.

Essa é apenas a pequena parte sobre a qual existem denúncias e investigações.

Um breve passeio no Orkut permite que se encontrem comunidades dedicadas a defender que “uma bomba atômica seja despejada na África”, o “estupro corretivo de lésbicas” e a destruição do Japão, entre outros ataques.

ORGULHO
Outra dificuldade particular dos crimes de ódio é que, para muitos agressores, torna-se motivo de orgulho ser pego pela polícia -é como se fosse um atestado de devoção à “causa”.

“Tivemos o caso de um skinhead que, flagrado quando ia atacar uma vítima, foi detido e trazido ao Decradi. O rapaz estava eufórico. Dizia que, enfim, conseguira se igualar ao irmão e teria um quadro no quarto com seu próprio BO por agressão”, lembra a delegada.

A terceira ordem de problemas refere-se à produção de provas dos crimes de ódio. Não basta que um homossexual seja atacado na rua para que se configure a prática de crime de ódio.

“É preciso que fique provado que o ataque teve como motivo a orientação sexual. Se foi, por exemplo, um assalto que teve a circunstância de ter uma vítima homossexual, descaracteriza-se a ação como crime de ódio.”

Por fim, os alvos do crime de ódio mudam, conforme também muda a sociedade. “Pouquíssimo se falava nos Estados Unidos a respeito de ataques à comunidade islâmica do país”, afirma.

“Mas depois da explosão das Torres Gêmeas, em 11 de setembro de 2001, houve uma avalanche de agressões -motivadas pelo puro preconceito- a mesquitas e a símbolos do Islã.”

No Brasil, a delegada aposta: a próxima onda de intolerância terá como alvo a comunidade de bolivianos, muitos deles imigrantes ilegais subempregados nas fábricas de roupas do Brás (centro de São Paulo).

“Os bolivianos são muito vulneráveis, porque não têm organizações próprias fortes e porque têm medo que, denunciando os maus-tratos que sofrem, tornem-se visados pela imigração brasileira”, diz a delegada.


(LAURA CAPRIGLIONE)

1 comentário

  1. tem até uns que fazem programa

    conheci dois que adoravam frequentar o cine república e o cine arouche. faziam programas e faziam sexo com homens que estivessem dispostos a pagar. me disseram que vez em quando eles faziam pequenos roubos e chegaram a ameaçar meu amigo. eu já fiquei com  um deles. mas tudo transcorreu sem nenhum problema.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome