As falsas propostas e a letargia messiânica da sociedade, comentário de Rafael Viera

A certeza é que essa estratégia discursiva do presidente causará mais mortes e prejudicará o desempenho econômico. A dúvida é saber quanto tempo a sociedade brasileira irá levar para acordar dessa letargia imposta por discurso messiânico do “bem” contra o “mal”

Por Rafael Vier
comentário no post Xadrez do fator Celso de Mello no enquadramento do governo Bolsonaro, por Luis Nassif

O articulista André Araújo do GGN costuma dizer que o acaso é quem constrói a história.

Pensando nisso, lembrei-me da avaliação de muitos analistas políticos, segundo a qual a facada foi responsável pela eleição do atual presidente.

Continuando nas contingências, talvez uma pandemia seja responsável por sua queda.

Enfim, dois eventos aleatórios podem ser determinantes para o início e o fim da atual tragédia em que o Brasil se encontra.

E aqui, cabe um parêntese. Pois, numa perspectiva histórica mais ampla, creio que a posse do atual presidente seja fruto da profecia, segundo a qual a história se repete como farsa. Pois, nessa perspectiva histórica mais ampla, o atual presidente é filho do “mensalão do PT”, da “república de Curitiba” e do “golpimpeachment” em Dilma. Assim como os militares de 64 são fruto do “mar de lama” de Getúlio e da “república do Galeão” e das várias tentativas impedir as posses de JK e Jango. Aí, muitos alegarão e com razão. Ah, mas a gestão dos governos militares não se compara com a do atual governo. Sim. Daí a farsa. Fecha o parêntese.

Retomando. A relação entre a pandemia e a possível queda do atual governo está na estratégia discursiva do presidente, regida sempre pelo conflito.

Assim, quando o mundo e o Brasil se depararam com uma pandemia e todos lançam mão do discurso: temos que salvar vidas. Ao presidente, que sempre opta pelo conflito, resta o discurso: temos que salvar a economia.
E qual é o problema dessa estratégia discursiva?

Leia também:  18 agentes ainda fazem a segurança de Sergio Moro, diz Carla Zambelli

É que a retórica “salvar vida” significa maior isolamento social, menor propagação e maior controle da doença e, consequentemente, volta mais rápida à normalidade. A ponto de alguns países que adotaram fortemente essa estratégia já estarem comemorando a marca de nenhum caso novo.

Por outro lado, a retórica “salvar a economia” significa voltar imediatamente à normalidade. E isso gera maior interação humana, explosão da pandemia, caos social e sanitário e uma retomada econômica mais lenta.

Mas, se isso acontece, porque o discurso do presidente tem tanta força, ao menos no curto prazo?

Isso ocorre por dois motivos.

Primeiro, porque seu governo, estrategicamente, retarda todas as medidas econômicas para o enfrentamento da doença, forçando a sociedade a voltar à normalidade. Segundo, porque quanto maior o isolamento social, no curto prazo, menor será a propagação da doença e o número de infectados e, assim, mais as pessoas acreditarão que o isolamento não é necessário e que a doença não é perigosa.

Logo, no curto prazo, as medidas de isolamento social, contraditoriamente, ao trazerem resultados positivos acabam reforçando o discurso oposto, de que o isolamento social é dispensável e que o mais importante é o retorno à normalidade para recuperar a economia.

Porém, conforme já exposto, voltar à normalidade antes do controle da pandemia faz com que o vírus volte a se propagar com força. E, assim, maior será o tempo necessário de isolamento social e, consequentemente, pior será o desempenho econômico.

Perceberam o problema que uma pandemia imponderável cria numa estratégia discursiva de uma nota só, de quem sempre opta pelo conflito?

Leia também:  Fora de Pauta

Em suma, o discurso do presidente é duplamente equivocado. Pois, o discurso contrário, de “salvar vidas” (manter o isolamento social) além de ser socialmente mais aceitável, ao reduzir as vítimas, também é economicamente mais eficaz. Enquanto que o discurso “salvar a econômica” (voltar logo ao trabalho), antes do controle da doença, produz mais vitimas e prejudica o desempenho econômico.

E aqui, não custa alertar os “economistas” incapazes de resolver uma equação que leva em conta a realidade empírica e tem mais de uma variável. Pois, a equação crescimento econômico, que depende da variável “trabalho”, não existe na realidade sensível sem a variável “coronavirus”. Ou seja, só é possível resolver a equação “crescimento econômico” levando em conta as duas variáveis (trabalho e doença) simultaneamente.

Posto isso, há uma certeza e uma dúvida.

A certeza é que essa estratégia discursiva do presidente causará mais mortes e prejudicará o desempenho econômico. A dúvida é saber quanto tempo a sociedade brasileira irá levar para acordar dessa letargia imposta por discurso messiânico do “bem” contra o “mal”, feito por um presidente sádico que atenta contra os interesses de sobrevivência e desenvolvimento da própria sociedade?

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Não querem salvar vidas porque detestam o povo pobre brasileiro…
    como maioria do povo pobre brasileiro nunca se deixou controlar militarmente, encontraram uma maneira de mantê-lo sob controle negando-lhe o que mais precisam atualmente para se manterem protegidos, dinheiro

    investiguem as condições de vida das pessoas que estão conseguindo sacar facilmente o auxílio emergencial

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome