Bolívia tem suas primeiras eleições após renúncia de Evo Morales

Candidato do MAS é apontado como favorito, mas com margem apertada; saída de ex-presidente ainda é vista como controversa

Candidato apoiado pelo ex-presidente Evo Morales lidera pesquisas na Bolívia. Foto: Reprodução

Jornal GGN – Os bolivianos vão às urnas para decidir quem será o primeiro presidente do país após 14 anos de mandato de Evo Morales e o mandato interino de Jeanine Áñez.

Morales chegou a vencer a última disputa, mas foi destituído em 10 de novembro em meio a uma mobilização social somada ao motim dos policiais e ao pedido feito pelas Forças Armadas do país.

Pesquisas de opinião colocam o candidato do Movimento pelo Socialismo (MAS), Luis Arce Catacora, como favorito para vencer a disputa, mas o cenário é diferente do visto em anos anteriores. Em segundo lugar, aparece Carlos Mesa, ex-presidente que, desde 2019, se tornou o maior adversário do MAS.

Na terceira posição aparece Luis Fernando Camacho, e um dos líderes da revolta que contribuiu para a queda de Morales. Jeanine Áñez chegou a decidir disputar a eleição, mas acabou renunciando diante de seu fraco desempenho nas pesquisas.

Segundo reportagem da BBC News, as eleições bolivianas deveriam ter ocorrido no início de maio, mas a pandemia do coronavírus levou a disputa a ser adiada para agosto e, agora, para este domingo.

Além do impacto econômico, as responsabilidades sanitárias decorrentes da covid-19 foram abordadas na disputa: enquanto apoiadores de Morales dizem que o governo Áñez tem sido incompetente no enfrentamento da crise econômica e do sistema de saúde, os atuais mandatários dizem que o ex-presidente deixou uma herança de poucos investimentos.

 

Leia Também
Quem é Luis Arce, favorito para as eleições presidenciais na Bolívia?
Crise na Bolívia: missão da OEA não comprova fraude eleitoral e atua politicamente, diz CEPR em relatório
Bolívia: a renúncia foi a melhor saída?, por Gilberto Maringoni

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Porque o conselho de Mike Pompeo não será seguido pelo Brasil, por Luis Nassif

4 comentários

  1. 90 dias longos, esses…
    De que planeta terá sido?
    Afinal, desmontar e (re)aparelhar toma tempo!
    No braZil, corremos o rico de termos 1460 a 2920 dias…
    Como diz aquela musiquinha:
    Depeendee de nóós!

  2. Por favor, falar em termos de renúncia de Evo é totalmente errado! O que ocorreu foi a deposição forçada com ameaças e tentativa contra a vida de Evo e demais lideranças do MAS. FOI UM GOLPE DE ESTADO, POR FAVOR! Não pode-se naturalizar os Golpes!

  3. Por favor, falar em termos de renúncia de Evo é totalmente errado! O que ocorreu foi a deposição forçada com ameaças e tentativa contra a vida de Evo e demais lideranças do MAS. FOI UM GOLPE DE ESTADO, POR FAVOR! Não pode-se naturalizar os Golpes!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome