Bolsonaro recua, e Sergio Moro segue no Ministério da Justiça

Nova tentativa de troca do comando da Polícia Federal levou ministro a dar um ultimato no presidente; Maurício Valeixo é braço-direito de Moro

Foto: Lula Marques / AGPT

Jornal GGN – Por ora, o presidente Jair Bolsonaro recuou e adiou a demissão do delegado Maurício Valeixo da diretoria-geral da Polícia Federal (PF) – após um ultimato do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro.

Em reunião realizada nesta quarta-feira (22/04), Moro deixou claro que se demitiria da pasta caso Valeixo – seu braço-direito na PF – fosse exonerado.

Segundo informações do jornal Valor Econômico, Valeixo foi mantido no cargo depois que ministros palacianos convenceram Bolsonaro. Pelo menos três generais entraram em contato com Moro, que também recebeu várias mensagens de parlamentares bolsonaristas pedindo para que continuasse no posto.

Agora, existe o entendimento de que Valeixo deve sair do posto nos próximos meses, mas Moro quer ter poder na nomeação do sucessor. Existe o temor de que um delegado de perfil político assuma o comando da PF e dê prosseguimento ao esvaziamento estrutural iniciado no governo Bolsonaro e que tinha sido fortalecido por conta dos resultados obtidos com a Operação Lava-Jato.

O nome preferido de Bolsonaro para assumir a chefia da PF é o do Anderson Gustavo Torres, secretário de Segurança Pública do Distrito Federal que, além de ter o apoio do governador Ibaneis Rocha e do MDB, é amigo do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

 

Leia Também
TV GGN: O jogo político por trás da fritura de Sérgio Moro
Bolsonaro esvazia antigas estrelas da Esplanada
Ministério da Justiça “não confirma”, mas não nega pedido de demissão de Moro
Para entender os movimentos de Jair Bolsonaro com a Polícia Federal

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora