Brasil parece morto diante da balbúrdia, diz Jânio de Freitas

Para jornalista, a forma como a questão da vacina tem sido conduzida é fator suficiente para justificar impeachment de Jair Bolsonaro

O jornalista Jânio de Freitas. Foto: Reprodução

Jornal GGN – É impossível saber o que falta para que vidas sejam salvas do presidente Jair Bolsonaro, mas como aponta o jornalista Jânio de Freitas, não é preciso imaginar a combinação entre políticos e a chamada “elite” para ver quem ou o que concede a liberdade de ação em troca de ganhos e vantagens.

“A conduta da Presidência e de seus auxiliares na Saúde, na balbúrdia da vacina, basta para justificar o processo de interdição ou de impeachment, sem precisar dos anteriores crimes de responsabilidade e outros cometidos por Bolsonaro e pelo relapso general Eduardo Pazuello”, afirma Freitas, em sua coluna no jornal Folha de São Paulo. “Nem se sabe mais o número de requerimentos para processo de impeachment apresentados à Câmara. Sobre eles, Rodrigo Maia, presidente da casa, lançou uma sentença sucinta: “Não há agora exame de impeachment nem vai haver depois””.

Para Freitas, a recusa em se analisar os pedidos se configura como abuso de poder: “é dever do presidente da Câmara o exame de tais requerimentos, daí resultando o envio justificado para arquivamento ou para discussão em comissões técnicas. Rodrigo Maia jamais explicou sua atitude. Daí se deduz que não lhe convém fazê-lo, com duas hipóteses preliminares: repele a possível entrega da Presidência ao vice Mourão ou considera a iniciativa inconveniente a eventual candidatura sua a presidente em 2022”.

Segundo o jornalista, as camadas sociais que permanecem tranquilas com o que está acontecendo no país são aquelas que podem manipular os ânimos, e que tem mais noção do que se passa – sem que isso atenue sua visão pelas camadas inferiores. “Diante de todos os desastres que o corroem, o Brasil parece morto”.

 

Leia Também
Especialistas ‘não têm qualquer poder de decisão’, segundo Ministério da Saúde
O crescente desgaste entre Bolsonaro e Mourão
Randolfe Rodrigues convida Flávio Bolsonaro a falar sobre caso Abin
Casal paranaense é o rosto por trás do Sleeping Giants Brasil

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

3 comentários

  1. A mentalidade padrão de boa parte da elite brasileira, em especial a que se encantou com a possibilidade de um ministro “liberal”, atrelado a um presidente tosco/conservador, ladeado por militares foi embasada no sonho ideal, ainda mais com a ilusão de que os militares cavalgariam a tosqueira do presidente, sempre que se revelasse. Independente da pandemia, pouca coisa deu certo e a pandemia contribuiu apenas para se ver que os militares de Bolsonaro só fazem mesmo é a balbúrdia piorar. E os substitutos dos que se vão, se mostram em nível decrescente. Quem sai, faz guerra, fuxico e quer ver desvencilhado seu CV do governo indecente.
    A coisa caiu tanto que nem tweets de generais que no passado recente, mereceram a citação (combinada) do JN para pressionar o STF, hoje só tem o Heleno, que nem se segura mais em pé e tem de andar arrastando o sapato. Decadência de metade de mandato, com o país em crise. Mas Bolsonaro, elite, militares, mídia corporativa se merecem e são canos que saem separados, mas a origem é a mesma caixa de esgoto.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome