Catarina e Jarirí – uma paixão sobre-humana

p { margin-bottom: 0.1in; line-height: 120%; }

p { margin-bottom: 0.1in; line-height: 120%; }

p { margin-bottom: 0.1in; line-height: 120%; }

Entoncis, mestre Bódim falô qui eile ia dá umas vórta sózinhu pá pensá em cumu arréssorvê u póbrema di cuntinuá a somá mais jienti aos 20% qui já istavam ao lado deiles.

– Toma cuidadu, mestre. Leva umas gata cocê.

– Sim, Jarirí, éilas vão cumigo.

Indaí, eile saiu andanu in diréssão ao rio cum Jano, Jurema i Véia Dita  acumpanhanu eile. Anssim qui chegô na margem, foi descenu u rio, andanu nu mei das arves pensativo. Um bando énórme di garça cor di leite passô pur eile, qui viu éilas voanu baxo pur sobri as arves énórmes. Adispois, incontrô a pédra qui eile quiria incontrá, uma pédrona in qui a métadi déila tava submérsa nu rio. Éila éira iscavada nu mei, fórmanu um buraco qui paricia um trono. Mestre Bódim subiu néla i si sentô confortávélmente, inté apoio pros braçu éila tinha. Uma béla óbra da natureza, eile falô i imendô, num pódi ixistí nada maisi réfréscanti. Dali, eile inxérgava u rio in cuntinuação, a otra margem i um énorme carvalho qui divia tê uns duzentos ano.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora