Catarina e Jarirí – uma paixão sobre-humana

Entoncis, mestre Bódim, iscuitanu os passarim, u rio i o som du vento nas arves, inscosto a cabeça pá trás i durmiu. Lógo cumessô a sonhá cum um mundo novo, cum um país inquí todos éiram félizes, inquí num ixistiria crianças pidinu ismóla nas rua, inquí tudas éilas istavam nua boa iscóla,  inquí num haviria brasileiros amuntuados in favélas, inquí ninguém passaria maisi fome, inquí tudo funcionaria pra u bem di todos i inquí num haviria ninguém sérvino di massa di manóbra pá us poderosus, qui sequer existiriam.  Seu sonho, indaí, foi pá infânsia deile. Eile tinha tido sórti di num tê passadu fomi, via seu paí trabaianu di marcineru i iscultor, um homi bão i sempre disposto a ajudá as péssoa nicissitada, fazedô i intendendô di muitas cousas. Maisi eile acordô dé repenti, um otro vento fórti i géladu tinha passadu pur eile i o fêz dispértá assustadu. Éira uma légião grandi di ispritus du mal. Às veiz, dá inté pena deiles, pensô mestre Bódim. Eiles vive num emaranhado só di spritus marvadus, pérdidos i vaganu nu mundo. Indaí bateu um vento mui gostoso, cum cheiro di arve, di raízes i di fuloris, muito leve i prazeroso. Eisses tão indo prum bão lugá, falô mestre Bódim. Ucêis pódi cunversá cumigo?

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora