Catarina e Jarirí – uma paixão sobre-humana

Adispois di pidí pá cunversá cum aquelis ispritu encantados, mestre Bódim inxergô, du otro lado du rio, duas péssoa meia transparentis, um homi i uma muié cum sorriso muitu bunito du lado do carvalho. U vento parô, maisi, istranhamente, só u carvalho centenário cuntinuô ajitado, méxenu i rémexenu seus gai enórmis. Mestre Bódim, entoncis, teve a impréssão di qui u casar di ispritos ia falá cum eile. Indaí, eile afinô os zuvido pá iscuitá bem cuando eiles cuméssassi a falá. Maisi não, eiles num tavam falanu nada, pópôrém aqueli aroma dilicioso arumentô bastanti, u qui feiz mestre Bódim achá qui eile tava du otro lado da vida, numa otra dimensão muito, maisi muito mesmo, prazerosa. Indaí, mestre Bódim tumô a iniciativa di falá cum eiles, gritanu preles iscuitá:

– Ieu to cum um póbrema pá résorvê, maisi ãinda ieu num seio qual ié a réspósta. Ucêis sabi qual ié?

Entoncis, mestre Bódim iscuitô a vóz doce da muié priguntanu prele:

– Ucê ié u Bódim? U cuidadô das onça?

– Sim. Sô ieu mesmu.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora