Catarina e Jarirí – uma paixão sobre-humana

Entoncis, dérrépenti, u casar di ispritos apáréceu instantaneamenti ao lado di mestre Bódim, qui lévô um susto, purqui num tava ispéranu cousa tão impréssionanti.

– Cumu ié cocêis cunségui fazê uilsso? Ieu acho qui prucêis num ixisti tempo nem ispaço. Tô cérto?

– Ucê acertô, meu bom homem, a jienti vévi in otra dimensão adondi num ixisti uilsso cocê falô.

– Entoncis todos os qui mórrem vão pra eisse lugá in qui ucêis vévi?

– Nem todos, só os qui mérécem.

– Ah sim! I adondi vão us marvadus? Vão pro mei do inférno?

– A jienti num tem autórização pá révélá uilsso. Só pósso dizê qui eiles num vão pá bão lugar.

– A pois. Ié uilsso memo qui ieu sempre imaginei. Mudanu di assunto. ucêis sabi a réspósta qui ieu tô prócuranu?

– Sim. Aquelis cum os quais ucêis fizéru os primero contatu, eiles dévem falá cum aquelis qui pur último entraru, purque, quase sempre, péssoas boas são atraídas pur péssoas boas, i péssoas marvadas são atraídas pur péssoas marvadas. Deisse módo, ucêis vão fazê crescê u núméro di péssoas nu grupo ducêis.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome