Catarina e Jarirí – uma paixão sobre-humana

Entoncis, tudos eiles ficaru muitu félizes com acuéla visita inesperada. Vardí i sô Jair foru abraçados pur todos i se sentaru pá cumessá a cunvérsá.

– Qui bãos ventos os trazem aqui?

– Bão, mestre, nósis viemos fazê visita, maisi tumém falá sobri um acuntecimento. Algo qui ié priciso qui ucêis saibam, pá tumá arguma próvidência. Maisi, in antis, a jienti quiria tumá um gólo d’água, a viaji foi muito difícir.

– Mi adiscurpi, Vardí. Ieu já divia tê próvidenciadu uilsso. Ucêis qué cumê arguma cousa tumém? Tem pexe frito qui tá muitu bão, arroiz, salada i féjão.

– Água i pexe frito tá bão demais.

Indaí, Nicanor córreu pá trazê o pidido. Cuando vortô, troxe água i pexe frito pá tudos eiles. I Vardí cumessô a falá aquilo qui veio pá falá.

– Acuntéci qui Minérva, a amiga di Catarina, veio trazê um récadu pá nósis passá procêis. Éila iscuitô uma cunvérsa na casa du pai di Catarina. U pai déla tava cunversanu cum otros marvados cuando falô qui tava achanu uma cousa muito isquisita. Andanu pela ciudadi, eile pércebeu qui u puóvo parô di baxá a cabeça pra eile. U puóvo sempre baxava a cabeça cuandu eile passava, maisi agóra não mais. Eiles andam cum a cabeça in pé cumu si fossem os dono du mundo. I falô qui eile tava achanu uilsso muitu isquisito. Será qui tem arguém tá fazenu a cabeça du puóvo? Eile acha qui sim.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora