Catarina e Jarirí – uma paixão sobre-humana

E foi cuandu Vardí tumô a palavra pá dizê:

– Ié uma pena u puóvo tê di baxá a cabesa di novo. Uilsso significava qui u puóvo tava pérdenu u medo dus póderósus pela primera veiz in muitos anos. Um puóvo sem medo ié capaz di infrentá a ópressão i anssim encontrá u caminho para a libértação. Us póderósus cólócam u cabresto na cabesa du puóvo por causa du medo. Eiles têm u juiz i a puliça du lado deiles i pódem mandá prendê i batê naquelis qui não obédecem as suas órdens. Cuandu u puóvo cumessa a desrespeitá eiles, ié purqui eile intendeu qui ié um pur todos i todos por um. Significa qui u puóvo criô corajem i num vai ser arguns marvados qui vão botá medo neiles.

– Ucê falô o cérto, Vardí. Cuando u povo si levanta, num há nada qui cunsiga pará-lo.

– Sim, Jarirí, ié uilsso memo.

– Pérfeito, falô mestre Bódim. Maisi nósis vamu tê di sigurá um poco a vontadi du puóvo, senão tudo pódi ir pur água abaixo. Us demonhus tão discunfiadus, achanu qui tem jienti móstranu pu puóvo a força qui eile tem.

– Entoncis, mestre, móstra a Vardí i sô Jair a carta qui ucê iscreveu preles.

– Ié verdadi. Catarina. Ieu já tava isquécenu disso.

Entoncis, mestre Bódim deu a carta pá eiles, qui cumessaro a lê a mensaji ali cólocada.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora