Catarina e Jarirí – uma paixão sobre-humana

I eiles foru avuanu i plananu inté chégá na marjem da mata du lado da ciudadi. 

– Uóia, Jarirí! Nósis num cansamu nada, a natureza cuidô di tudo pá nósis.

– Sim, i nósis vinhemu dipréssa, cheguemo na hóra cajienti tinha di chegá. I ieu só num seio cumu ixpricá uilsso qui acunteceu. Didadondi inveio eisse vento qui nos trochi inté aqui. Contanu, ninguém acriditará, a num sê a nuóssa jienti. As gata tão tudo ouriçadas, éilas gostaru di avuá. Ieu vo falá cum éilas:

– Ucêis já pódi vortá pá casa du mestre, preles sabê qui nósis cheguemo bem.

Éilas ficaru oianu pá Jarirí, cumu si quisésem priguntá arguma cousa. Adispóis déru meia-vórta i cumessaru a andá bem divagá. Eiles ficaru oianu éilas entranu nu mei da iscuridão. Indispois, sô Jair falô:

– Tem arguém naquéla rua ali, paréci qui ié um dos nóssos. 

– Ié verdadi. Pela brancura da péssoa, paréce sê Zeca Albino. Vamo nos aprochimá bem divagá.

Cuandu eiles foru chéganu maisi pérto, Jarirí gritô:

– IÉ UCÊ, ZECA ALBINO?

– IÉ IEU MEMO, SE ACHEGUEM.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora