Catarina e Jarirí – uma paixão sobre-humana

Adispois di se abraçarem, Jarirí priguntô:

– Cumu ié qui tá as cousas, Zeca?

– Ieu tenhu uma nóvidadi nóvinha pá contá pú ceis.

– Conte lógo homi.

– Ieu tava no bar do Aselmo agórinha memo, ispionanu us assassinus cuandu si deu u acunticido. Um assassinu pur nome di Tião Malafé matô um otro assassinu di nome Bento Pandero. Eiles tavam tómanu cachaça i cumeno carni seca. Tião Malafé tava co copo di cachaça passadu a régua cuandu Bento Pandero trocô os cópo sem querê, pegô u copo di Tião nu no lugá do dele, qui tava quase acabanu. Cuandu u TIão foi pégá u copo, deu pur falta da cachaça i falô brincanu:

– Eh, Bento! Ucê robô a mia cachacinha i mi dexô u seu copo quasi vazio.

– Inheu, ciucê mi pérmite, acho qui ninguém dévil di chamá uma péssoa di ladrona nem pur brincadera. Ieu seio zélá pela mia hónéstidadi. 

– Ué, nósis semo assassinu, cousa bem piór du qui ladrão, i ucê mi invém cum éissa fréscura. Se ieu vejo qui pósso róbá, além di matá ieu tumém roubo, u qui ié um crime bem ménor du qui tirá um filho di deus di cima da térra i po eile embaixo déila a sete palmo di fundo.

– Acontece qui Ieu tenho us meus princípios. Se arguém mi chama di ladrão ieu faço a péçonha mi pidí discurpa na mema hóra. I é u qui ucê vai tê di fazê agórinha memo.

– Ieu acho qui ucê tá muito bêbado. Ieu faleio brincanu. Ucê num intendi bricadeira não? Ié burro?

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora