Catarina e Jarirí – uma paixão sobre-humana

– Entoncis, Jarirí, ieu conteio tudinho pucêis. Pelo menus, ié um assassino a menus pá pérseguí a jienti. Otro dia, eiles cumessaru a tirá u sarro di mim, pur ieu sê albino, maisi branco du qui pulvilho. Um deiles mi priguntô se eu já tinha visto largatixa transparente. Mi deu vontadi didá uma réspósta inviezada prele, dizê qui ieu já tinha visto a mãe deile, maisi ieu sigureio as palavra qui ficaru intalada na mia garganta. Um otro deu rizada i mi priguntô si ieu já tinha visto fióti di urubú, qui é branquinhu, ieu, maisi uma veiz, ingulí seco. Deuso mi livre didá réspósta preles. 

– Ucê pricisa tumá cuidado, Zeca. Ié mélhór ucê colocá otro pá ispioná eiles, ucê num tem travas na língua. Agóra, a jiente tem di ir incontrá os nuóssos cumpanheiros. 

– Sim, Jarirí. Vamu pra casa di Zé Roxo. Berto, Cacique, Maurinho i Pelé já tão lá isperanu ucêis chegá.

– Vamu lógo, in antis qui chova. Nós temos muito u qui cunversá cum eiles.

– Vamu virá a premera isquina à isquerda, pá jienti num passá pérto du bar.

– Avante, jienti!

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora