Como a CBF leiloou a seleção sem pensar nos resultados em campo

Jornal GGN – Reportagem publicada pelo Estadão Esportes neste domingo (17) mostra como a CBF, ao menos desde 2006, transformou a seleção brasileira em um negócio entre empresários internacionais e cartelos interessados em lucrar com o marketing dos jogadores, sem necessariamente se preocupar com os resultados em campo.

Segundo o jornal, durante quase uma década a CBF alimentou um esquema que passou longe, inclusive, da Receita Federal. Em 2011, “os aspectos esportivos” da seleção foram deixados completamente de lado para que “a marca” pudesse ser explorada “em todos os seus limites”. Ou seja, até os jogadores que atuavam nas partidas eram debatidos nas mesas de negociação.

Documentos mostram como a CBF vendeu a seleção brasileira

Do Estadão

A seleção brasileira virou uma mina de ouro para empresários e CBF. Contratos secretos obtidos pelo Estado revelam, de forma inédita, como a entidade leiloou a seleção em troca de milhões de dólares em comissões a agentes, cartolas, testas de ferro e empresas em paraísos fiscais, longe do controle da Receita Federal brasileira.

Pelos acordos, a lista de jogadores convocados precisa atender a critérios estabelecidos pelos parceiros comerciais e qualquer substituição precisa ser realizada em “mútuo acordo” entre CBF e empresários. O contrato deixa claro: o jogador que substituir um “titular” precisa ter o mesmo “valor de marketing” do substituído.

As condições fazem parte de minutas de contratos secretos obtidos pelo Estado e que revelam, de forma inédita, como a CBF leiloou a seleção brasileira, em troca de milhões de dólares em comissões a agentes, cartolas, testas de ferro e o envolvimento de empresas em paraísos fiscais, longe do controle da Receita Federal brasileira.

Desde 2006, a CBF mantém um contrato com a companhia ISE para a realização dos amistosos da seleção. O acordo foi mantido em total sigilo por quase dez anos. Documentos obtidos pelo Estado revelam agora que a ISE é uma empresa de fachada com sede nas Ilhas Cayman. Não tem escritório nem funcionários. É mera Caixa Postal, número 1111, na rua Harbour Drive, em Grand Cayman. A ISE é apenas uma subsidiária do grupo Dallah Al Baraka, um dos maiores conglomerados do Oriente Médio, com 38 mil funcionários pelo mundo.

Em 2011 esse contrato de 2006 foi renovado por dez anos pelo então presidente da CBF, Ricardo Teixeira, em um encontro em Doha, no dia 15 de novembro. Ele seria oficializado no dia 27 de dezembro daquele ano. Entre 2006 e 2012, a ISE sublicenciou a operação para a Kentaro, companhia que passou a implementar cada partida da seleção com base no acordo.

Em 2012, o contrato de operação passou para as mãos da Pitch International, depois de uma negociação com a ISE e a CBF que continua em vigência.

Nos primeiros acordos e emendas entre a CBF e a ISE, os termos não faziam qualquer menção às regras para a convocação de jogadores. Tudo mudaria em 2011. Os aspectos esportivos foram colocados em segundo plano. Trata-se, acima de tudo, de um esquema para explorar a marca da seleção em todos os seus limites, independentemente do resultado em campo ou do significado de uma partida para a preparação do time.

Leia também:  Procuradores de Curitiba acusam Conjur de fake news e site dá resposta demolidora

Convocados

Pelo acordo secreto, ficou estipulado que a seleção deveria entrar em campo sempre com seus principais jogadores, sem qualquer possibilidade de testar jovens promessas ou usar amistosos para preparar o grupo olímpico. “A CBF garantirá e assegurará que os jogadores do Time A que estão jogando nas competições oficiais participarão em qualquer e toda partida”, diz o artigo 9.1.

Qualquer violação desse acordo significa pagamento menor de cota. “Se acaso os jogadores de qualquer partida não são os do Time A, a taxa de comparecimento prevista nesse acordo será reduzida em 50%”, estipula o contrato. Por jogo, a CBF sai com US$ 1,05 milhão (R$ 3,14 milhões) se seguir o acordo.

Caso um jogador seja cortado por contusão, por exemplo, a CBF precisa provar com um certificado médico aos empresários da ISE que o atleta não tem condições de jogar. “Qualquer alteração à lista será comunicada por escrito à ISE e confirmada por mútuo acordo. Nesse caso, a CBF fará o possível para substituir com novos jogadores de nível similar, com relação a valor de marketing, habilidades técnicas, reputação.”

Para deixar claro o que significa “Time A”, a ISE alerta que não aceitaria o que ocorreu em novembro de 2011 quando o Brasil foi ao Gabão e depois a Doha para enfrentar o Egito. Na época, o então treinador, Mano Menezes, não contou com Neymar, Ganso, Lucas, Marcelo, Kaká e Leandro Damião, nomes da lista original para os amistosos.
No novo contrato (o que passou a valer em dezembro daquele ano e vai até 2022) a empresa deixou claro que tal situação passaria a ser punida com uma redução em 50% do cachê pago.

Além disso, todos os direitos de transmissão, copyright ou qualquer outro aspecto ficam sob controle total da empresa de fachada registrada nas Ilhas Cayman. Num dos artigos do contrato, fica ainda estipulado que, mesmo que o acordo for suspenso, os direitos de copyright são mantidos sem data para acabar. Qualquer violação significa que a CBF teria de pagar uma multa de US$ 1 milhão.

O contrato ainda prevê que os períodos de preparação da seleção brasileiras para as Copas de 2018 e 2022 também serão de exploração exclusiva da ISE.

O acordo ainda termina com termo bem claro: confidencialidade. “Todos os termos e condições deste acordo serão tratados pelas partes como informações confidenciais e nenhuma das partes os divulgará”.

Guerra

Os documentos também revelam uma guerra interna na CBF pela fatia mais importante dos lucros. Quando Ricardo Teixeira assinou o novo acordo com a empresa de Cayman (em 15 de novembro de 2011), ele já planejava sua saída da entidade, passando o controle para José Maria Marin e Marco Polo Del Nero. Mas o que se viu na transição de poder dentro da CBF foi um braço de ferro que, ao final, seria vencido por Teixeira, mesmo já fora da entidade.

E-mails confidenciais obtidos pelo Estado revelam que Marin e Del Nero, o atual presidente da CBF, estavam negociando um novo contrato com a Kentaro, que oferecia aos parceiros valores superiores aos que estavam sobre a mesa, deixados por Teixeira.

Leia também:  Do Banestado à Lava Jato: um dossiê sobre o passado de Sergio Moro

Quem convenceu Marin e Del Nero a se lançar na ofensiva foi o Grupo Figer, que não poupou recursos e viagens para garantir o que seria um negócio da China. Documentos mostram que a família Figer, atuando apenas como intermediadora na assinatura de um contrato entre Kentaro e CBF, ficaria com US$ 132 milhões por permitir mais de cem jogos da seleção entre 2012 e 2022 – valor superior ao que a CBF levaria com base no contrato da ISE.
Todos os detalhes fazem parte de uma ação judicial. De acordo com o relato dos fatos, documentos e e-mails juntados no processo, a renegociação dos acordos para realização dos amistosos teria começado logo depois da renúncia de Teixeira, no dia 8 de março de 2012.

Dias depois, o CEO da Kentaro, Phillip Grothe, enviou e-mail procurando entender o que estava ocorrendo, já que a empresa mantinha um contrato com a ISE desde 2006 e queria saber qual seria o futuro de seu acordo – que venceria em outubro daquele mesmo ano.

Naquele momento, Juan Figer e seus filhos André e Marcel decidiram que o fim da ‘era Teixeira’ poderia ser ocasião para passar a fazer parte dos intermediários que lucrariam com a seleção. O encarregado de falar com Del Nero foi Marcel Figer.

Ainda de acordo com os fatos relatados no processo, encontros se proliferaram na residência de Marin, na rua Padre João Manuel, esquina com Alameda Franca, num flat de Del Nero em São Paulo, em hotéis em Londres e Budapeste e até na Federação Paulista de Futebol.

Depois de uma série de discussões, a Kentaro, o Grupo Figer, Marin e Del Nero fixaram um encontro em Londres. No dia 25 de abril de 2012, no hotel Claridge. No dia 2 de maio, um e-mail enviado por Phillip Grothe resumia o encontro e traçava as soluções e estratégias para o sucesso da empreitada.

Para que pudessem montar uma proposta que derrubasse o acordo da ISE, um dos sócios do Grupo Figer, Marcel, pediu e obteve de Del Nero uma cópia traduzida do contrato sigiloso entre a entidade e os sauditas, justamente para servir de base para o novo contrato a ser fechado com a Kentaro.

O documento foi fornecido por Del Nero a Marcel num encontro na sede da FPF, no dia 3 de maio de 2012. Marcel aproveitou um momento em que Del Nero se ausentou para fotografar cada uma das páginas, no intuito de encaminhá-las à Kentaro. No dia seguinte, Marcel e Juan Figer foram ao apartamento de Marin e conseguiram dele sinal verde para tocar o acordo.

Leia também:  Multimídia do dia

Contra-ataque

Mas Teixeira não estava disposto a ver a arquitetura que montara na CBF desabar. No dia 19 de maio de 2012, ele viajou até a Alemanha para um encontro com Marin e Del Nero. Ambos estavam em Munique para a final da Liga dos Campeões, vencida pelo Chelsea. Teixeira, para não ser visto pela imprensa, ficou em uma cidade mais afastada.

Ainda assim, as negociações para mudar o parceiro da CBF teriam sido mantidas. No dia 21 de maio, o advogado do Grupo Figer, Alexandre Verri, elaborou a minuta do contrato entre Figer e Kentaro.

Dois dias depois, André e Marcel Figer teriam viajado para Londres e, dali, usaram um jato privado da Kentaro para ir a Budapeste, no Hotel Four Seasons, onde ocorria uma reunião da Uefa com Marin e Del Nero como convidados. A meta era fechar os últimos detalhes e impedir a contraofensiva de Teixeira.

Cinco dias depois, uma versão final do contrato foi acatada por e-mail tanto pela Plausus, por meio de seu representante legal Santiago Baraibar, como pela Kentaro, pelo seu CEO Philllip Grothe. Entre os itens do acordo estava a comissão de US$ 132 milhões que a Kentaro pagaria para o Grupo Figer. Os empresários das duas empresas chegaram a comemorar no lobby do luxuoso hotel The Dorchester, em Londres.

Mas a renovação pretendida pela Kentaro não vingou. No dia 16 de agosto de 2012, um acordo da CBF foi anunciado com a empresa Pitch International, depois de uma intermediação de Teixeira com os sauditas da ISE. A empresa com sede em Londres, que jamais havia organizado um jogo de futebol sequer, passaria a operar as partidas da seleção brasileira como subcontratada da ISE. O esquema montado por Teixeira estava preservado.
Dias depois, o CEO da Kentaro, Phillip Grothe, enviou e-mail em que dizia: “O acordo foi assinado no dia 15 de agosto. Vinte e quatro horas antes Marin e Marco Polo nunca tinham ouvido falar de Pitch. Nós todos sabemos que a Pitch é apenas a testa de ferro da Al Jazeera. Eu acho que eles pagaram 50 milhões de dólares à ISE e aos outros pela assinatura – totalmente loucos”.

Teixeira acabou vencendo e, mesmo fora da CBF, continuou mandando na seleção ao lado de seus parceiros comerciais. E isso tudo até 2022.

Leia a reportagem completa aqui.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

9 comentários

  1. Pelo visto  a  CBF  virou

    Pelo visto  a  CBF  virou  uma escrava  de um contrato que  so tem  um lado  o  lado da  ISE, e foi justamente por isso que jogadores como  KAKA, RONALDINHO  GAUCHO, LUIS  FABIANO  ROBINHO  NAO FIZERAM PARTE  DA SELEÇAO BRASILEIRA, O RESULTADO FOI UM  VEXAME DE  7 X 1  POIS  eu  duvido muito que  se  estes  jogadores  estivessem em campo  com Neymar   a seleçao tivesse  tomado aquela  goleada  poderia  ate  perder  mais nao com  um placar  tao elastico. 

  2. Será que tem alguma coisa a

    Será que tem alguma coisa a ver os paneleiros se uniformizarem com a camisa da CBF?

    • Nada a ver, tanto que estão

      Nada a ver, tanto que estão pensando em mudar a camisa da Seleção todinha para vermelho!!!

  3. CBF e todo esse  circo

    CBF e todo esse circo místico empresarial midiático a gravitar, urubuzar, explorar, dominar, lucrar com o fenômeno social futebol e com a política de mercado esportivo da bola são os novos senhores e novos áulicos servis no papel econômico de cartolas e contratantes e traficantes e ideólogos e propagandistas e jornalistas e assessores de imprensa da escra/vidão da bola, não importa se tais escravos-jogadores consigam realizar o grande sonho da vida: o de comprar casa própria pra mãe e comprar carrão importado da hora!

  4. Ricardo Teixeira, Globo e Aético: tudo a ver

    Ricardo Teixeira é grande “amigo” de Aético Quebru Minas. Urubu cheira carniça.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome