Como a Microsoft financia campanhas políticas

A TBA, de Cristina Bonner, esposa de Frederick Wassef, o advogado "Anjo" dos Bolsonaro era a intermediária nas campanhas presidenciais.

Cristina Bonner, dona da TBA

As leis americanas são bastante rígidas para financiamentos eleitorais em outros países. Tendo os governos como grandes clientes, a Microsoft Brasil encontrou uma maneira engenhosa.

Primeiro, colocava uma representante comercial na parada. Acertado o financiamento, ela concedia desconto nas licenças de software da distribuidora. A diferença era entregue ao candidato, como financiamento de campanha.

A TBA, de Cristina Bonner, esposa de Frederick Wassef, o advogado “Anjo” dos Bolsonaro era a intermediária nas campanhas presidenciais. A empresa não tinha partido: apoiava todos os candidatos favoritos.

Ao lado de Luciano Hang, Cristina foi dos poucos empresários convidados para a posse de Bolsonaro.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  A luta de Biden para limpar o aparelhamento do estado por Trump

5 comentários

  1. Debaixo desse angu tem carne. Explico: a TBA era uma empresa de fundo de quintal até meados para final dos anos 90, quando, numa visita de Bill Gates ao Brasil, empreendeu um esquema que se tornou famoso. Para chamar a atenção do magnata, fizeram uma ação de marketing e contrataram os serviços de um monomotor para rebocar uma faixa com os dizeres “A TBA saúda Bill Gates”.
    A ousadia funcionou e a TBA, uma representate minúscula de software da gigante americana, numa época que bastava dois ou três certificados em qualquer tecnologia da Microsoft para abrir uma representação, ganhou uma visita do chefe global da empresa. Bill Gates voltou aos EUA, mas deixou a TBA na favorável posição de ser a representante exclusiva da Microsoft para vendas de software ao governo federal.
    Pouco tempo depois, uma medida governamental, a essa altura, não recordo foi um Decreto do governo FHC ou uma decisão da Justiça Federal, permitiu a contratação de software da Microsoft SEM licitação.
    Lucros da TBA se tornaram exorbitantes e passaram a ser um player global na área de TI ao firmar parcerias com gigantes do setor, como a Tata.

  2. O Nassif explicou muito bem todo o percurso dessa meliante travestida de ousada empresária e mais o tombo que deu em seu posterior ex marido.. Em artigo de hoje mesmo.

  3. Então esse foi o grande resultado da Lava Jato. Matou os financiadores nacionais e abriu a porta para os estrangeiros.
    O que era pago em reais agora é pago em dólares. Só trocou o real pelo dólar. Não é à toa que subiu desse jeito!

  4. mais uma comprovação como já repeti aqui de que essas grandes empresas da rede social adoram um regime autoritário e, segundo a professora Shoshama Zubof, aproveitaram do sistema neonliberal para expropriar no chamado capitalismo de vigilância.

    As infâmias sobre os golpes de estado contra Lula e contra Dilma parecem Coisa da elite burguesa nacional, mas segundo
    denúncias reiteradas até na grande mídia golpista – o tal do PIG -,
    tem raízes no departamento de estado de justiça norte-americano.

    E no livro capitalismo de vigilância há uma série de dados comprovando a participação dessas empresas no esquema de segurança junto ao deep state do tio sam, – NSA, CiA etc,
    Li aqui no CGN todos os textos sobre o assunto do advogado fábio de OLIVEIRA rIBEIRO, QUE MERECIAM MAIS DESTAQUE POIS SÃO HISTORICAMENTE EXPONENCIAIS PARA EXPLICAR OS GOLPES DE ESTADO OCORRIDOS NO BRASIL DESDE 2013.
    E mostram claramente como funciona o mundo dessa rede social.
    Sem isso, não se e entende nada do que se passa no mundo hoje em dia.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome