Coronavírus: Brasil é visto como ameaça a países vizinhos

Fronteiras com o país passam a ser vistas com preocupação por quem adotou medidas mais severas para evitar contágio – e obteve bons resultados com isso

Fronteira Brasil/Argentina. Foto: Reprodução/IBGE

Jornal GGN – Os países que fazem fronteira com o Brasil começam a considerar um endurecimento do controle de suas divisas, em um sinal claro de preocupação com a situação da pandemia do coronavírus no país.

Nesta terça-feira, o governo do Uruguai anunciou reforço no controle de fronteiras com o Brasil, que já estão fechadas desde março, além da criação de um protocolo para o fluxo de pessoas nas cidades binacionais. Tal preocupação foi externada pelo presidente da Argentina, Alberto Fernández, na última semana – na ocasião, ele se disse “muito preocupado”, porque “não parece que o governo brasileiro esteja enfrentando o problema com a seriedade que o caso requer”.

Depois de terem visto que a adoção de medidas mais duras para a contenção contra a Covid-19 deram bons resultados, uma série de fatores colocou os governos regionais em alerta: fronteiras vastas e porosas, os insistentes atos de despreocupação do presidente Jair Bolsonaro e de seus apoiadores em relação à pandemia, comunidades transfronteiriças, um fluxo comercial que não foi interrompido, atividades migratórias irregulares e sinais de que os casos proliferam sem controle em grandes capitais.

Enquanto o Brasil aguarda pelo pico da pandemia, os vizinhos começam a traçar planos para a saída da quarentena: Peru, o Paraguai e o Uruguai já começaram a fazê-lo, e o Chile caminha nessa direção. A Argentina deve seguir estes passos nas próximas semanas, assim como a Colômbia e a Bolívia. As informações são do jornal O Globo.

 

Leia Também
A vida cotidiana em tempos de pandemia, por Maria Abreu
Covid-19 teria tido menos impacto no Brasil se a Agenda 2030 tivesse avançado
Conheça o laboratório de Wuhan acusado de ter disseminado o coronavirus

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora